domingo, 30 de novembro de 2008

Oficina de Quadrinhos mandando ver

Para muitos de meninos e meninas de Ceilândia a chance de desenhar quadrinhos surgiu com a Oficina de Histórias em Quadrinhos e animação em computador que funciona desde junho na Biblioteca Carlos Drummond de Andrade, ao lado da Estação do Metrô, na QNN 13, Área Especial, em Ceilândia Norte. Em enormes mesas de madeira pintada de branco, eles dividem idéias, papel, lápis, canetas coloridas, pincel, tinta e o material necessário para exercitar o potencial.

E vão desenhando as figuras que povoam seus mundos. Seres extraterrestres, como os heróis dos desenhos que assistem na televisão ou lêem nos gibis, figuras mágicas extraídas dos sonhos que acalentam de um mundo melhor, máquinas superpoderosas com que poderiam conquistar o universo, como os carros de Paulo Henrique Oliveira, de 19 anos.

A oficina foi idéia do professor Mauro César Bandeira, formado em artes plásticas pela Universidade de Brasília (UnB). Quando levou a proposta ao colega Edmilson de Melo e Silva, que leciona matemática, recebeu apoio imediato. Logo o grupo com voluntários das áreas de inglês, artes visuais, comunicação, estudantes e artistas de Ceilândia. “Queremos descobrir talentos, dar atividade para as crianças e criar um grupo para ensinar a arte das histórias em quadrinhos”, explica Mauro Bandeira. Assim que a notícia se espalhou, começaram a surgir interessados. Dos 7 aos 70 anos, não faltaram alunos. Hoje, são cerca de 60 inscritos, entre crianças, adolescentes e adultos, que vêm de Santa Maria, Samambaia, Taguatinga e Vicente Pires todos os sábados para as aulas que vão das 8h às 12h.

No caso das crianças elas têm de estar matriculadas em escolas para poder participar.“A criança tem o dom natural de desenhar, nós damos as técnicas de roteiro e animação”, diz Edmilson de Melo e Silva, entusiasmado com o projeto e com os resultados.O êxito do curso é tanto que os professores já receberam pedidos de oficinas no Lago Sul, no Plano Piloto, Guará e Sobradinho, segundo Edmilson. Mas, por enquanto, as atenções se concentram ali, em Ceilândia, onde a turma está aperfeiçoando o desenho para terminar uma revista em quadrinhos a ser lançada nos 38 anos da cidade, em 27 de março de 2009.


Fonte: Correio Braziliense de 29/11/08

Cartão Vida Melhor é entregue

O governador José Roberto Arruda, foi, ontem, ao Caic Anísio Teixeira, no Setor "O", e entregou 1.700 cartões social Vida Melhor aos moradores locais que vão poder retirar os valores nas agências do BRB e comprar gêneros de primeira necessidade. “Às vezes não tem os remédios no posto de saúde, então tenho de comprar na farmácia e eles são muito caros. O cartão me ajuda muito e receber das mãos do governador é melhor ainda”, disse Benvinda Alves após receber o benefício.

Uma vantagem do cartão é uma nova senha eletrônica somente cadastrada nas agências do BRB. “A senha é uma proteção caso a pessoa perca o cartão, pois ninguém poderá usar. Além do mais, só é usado o valor que a portadora do cartão permitir”, afirmou o governador Arruda.

Já foram entregues 9.096 cartões em Brazlândia, Paranoá, Recanto das Emas, Gama, Samambaia e Estrutural. Até 20 de dezembro ainda serão entregues mais 28 mil cartões.

O novo cartão unifica os benefícios dos programas Bolsa Escola, Bolsa Família, Cesta Verde, o antigo Cesta Básica. Foram aumentados R$ 30 ao antigo valor.

As famílias que recebiam R$ 100 passaram a receber R$ 130.


Fonte: Jornal Coletivo de 29/11/08, Jornal de Brasília e Correio Braziliense

Associações podem receber lotes

Diversas cooperativas em nome do mesmo presidente, diferentes entidades com a lista repetida de associados, endereços inexistentes e falta de documentação exigida. Essas são as principais irregularidades encontradas pela Secretaria de Habitação no cadastro das associações inscritas para ganhar lotes. O pente-fino foi concluído há um mês e resultou na desclassificação de centenas delas. Das 427 cooperativas, somente 136 foram habilitadas (confira a lista abaixo). Elas poderão concorrer às 7 mil novas unidades habitacionais que serão ofertadas a esse setor, nos próximos dois anos, pelo Governo do Distrito Federal.

As áreas que serão destinadas às cooperativas ficam em Santa Maria, Guará, Riacho Fundo II e até Cidade Ocidental (GO), onde o GDF também tem terrenos. O universo de inscritos em cooperativas chega a 100 mil pessoas. Há uma estimativa de que 30% das entidades desclassificadas tenham ainda chance de entrar na lista das habilitadas. Para isso, a Secretaria de Habitação deu prazo até dia 29 de dezembro para que resolvam as pendências.

“Há entidades sem a menor condição de estarem na nossa lista, que tentaram especular, mas há uma parcela razoável que tem a possibilidade de resolver questões meramente burocráticas”, explica o secretário de Habitação, Paulo Roriz. A cooperativa dos taxistas e a dos garçons, por exemplo, estão fora do grupo das habilitadas, mas são apontadas como as que poderão ainda ser beneficiadas.

A Lei Distrital 3.877, de 2006, autoriza que até 40% da oferta de moradias do governo seja direcionada às cooperativas habitacionais. Quando a lei foi sancionada, no governo de Maria de Lourdes Abadia (PSDB), existiam 723 cooperativas inscritas. O atual governo considera o percentual muito alto. Pretende reduzir essa fatia para 20%. “A redução se deve a aumento do rigor das exigências técnicas. Sabemos de casos em que as cooperativas receberam o lote, no passado, e venderam. Os associados não receberam os terrenos”, aponta Paulo Roriz.

O último edital para cooperativas foi lançado em 31 de outubro para a construção de apartamentos em Samambaia. Serão escolhidas 20 vencedoras entre as 71 habilitadas. Existe um novo edital sendo preparado para terrenos em Santa Maria, Guará e Riacho Fundo II, que será publicado até o final do ano.

Desde 1999, o GDF não abre novas inscrições para a lista habitacional, porque não consegue atender a demanda já inscrita. O governo de José Roberto Arruda espera reduzir essa carência. Para isso, conta com a aprovação do Plano Diretor de Ordenamento Territorial (Pdot) na Câmara Legislativa. O relatório final do projeto foi entregue aos deputados distritais na semana passada. O Pdot prevê a criação de novas áreas habitacionais que aumentarão a oferta de moradias para baixa renda em 20 mil lotes.




Depois de uma série de denúncias de golpes e inquéritos abertos nas delegacias, a Secretaria de Habitação do Distrito Federal começou a realizar um pente-fino nas cooperativas habitacionais. Concluiu que a maioria das associações não têm condições legais para serem beneficiadas com lotes do governo. Cerca de 60% foram cortadas.

Numa série de reportagens, o Correio vem denunciando nos últimos dois anos fraudes envolvendo cooperativas habitacionais. As taxas cobradas dos filiados variam entre R$ 5 e R$ 50. Com isso, o setor chega a movimentar R$ 9 milhões por ano. Há casos de pessoas que já perderam toda a economia, entregando a cooperativas até 20 mil, acreditando que teriam um lote.

As pessoas interessadas em se filiar a uma cooperativa devem ter conhecimento do regimento interno, do estatuto social e verificar se as taxas e os projetos são compatíveis com a realidade econômica da comunidade que pretende ser atendida.

“A farra com lotes públicos acabou. Essa é a determinação do governador Arruda. Temos o compromisso de criar projetos para atender a população de baixa renda, mas não fazendo doações, política habitacional sem critérios”, destacou o secretário de Habitação, Paulo Roriz.



Veja a lista das associações clicando no link da fonte.

Fonte: Correio Braziliense

sábado, 29 de novembro de 2008

Opinião: Necessita-se de ação

Segundo levantamento da Secretaria de Transportes, dos 2,5 mil pontos de ônibus espalhados pelo DF, 20% não têm condições de uso. Algumas estruturas espalhadas por cidades mais antigas, como Samambaia, Ceilândia e Taguatinga, foram erguidas na década de 1980, mas nunca passaram por reforma.

Em Ceilândia, a maioria das paradas fica nas entrequadras comerciais. Sei que o governo cobra altos impostos que, em tese, deveriam ser usados para manter a cidade em ordem. É mais que legítimo pressioná-lo para que cumpra com suas obrigações. Mas será que custava tanto assim aos comerciantes de cada entrequadra responsabilizar-se coletivamente pela reforma e manutenção das paradas localizadas nos seus arredores? Gestos de cidadania nunca levaram ninguém à falência. Como compensação, os empresários poderiam até utilizar as paradas como suporte para publicidade. Isto acontece em muitas cidades, mesmo no Brasil, onde a responsabilidade social das empresas no máximo é lembrada como tema de palestras.

Talvez seja demasiado utópico esperar alguma coisa de comerciantes que não se preocupam sequer em mandar varrer a calçada de suas lojas. De fato há alguns que mal ganham o bastante para manter a si e a sua família. Mas, ao apontar esta alternativa, não estou me referindo ao seu Zé da Birosca.

As instalações do super-hiper-megamercado Extra, por exemplo, são de Primeiríssimo Mundo. O prédio e o estacionamento estão sempre impecavelmente cuidados. Do outro lado da rua, em contraste, está a Praça da Administração. Suja, quebrada, abandonada. O desleixo da Administração Regional sem dúvida é imperdoável. Quem não cuida direito do próprio quintal não vai cuidar bem do quintal dos outros. Já o Extra teria muito a ganhar em termos de imagem se adotasse aquela praça e a transformasse em um atrativo a mais para seus consumidores.

A praça, nas condições em que se encontra, diz muito sobre os administradores públicos, mas também revela a absoluta falta de compromisso de certas empresas com a cidade onde ganham dinheiro. Nesse sentido, é necessário que as lideranças empresariais da cidade levem a responsabilidade social das empresas além do limite retórico e estimulem seus liderados a se envolver mais ativamente na vida comunitária. Gerar empregos e pagar impostos é importante. Mas é muito menos do que os empresários têm a oferecer.

Quem quer faz. Quem não quer espera o governo fazer.


Fonte: Ceilândia.com

Novela dos estacionamentos nunca acaba

Há dias que noticiamos os problemas que a comunidade do setor P Sul, em Ceilândia, vem enfrentando face aos procedimentos adotados para as obras de construção de estacionamentos nas vias P2 e P3. Com a chegada das chuvas os estragos apareceram na via P3 devido à retirada da grama que protegia os canteiros da via. Ademais a obra é um exemplo de serviço de baixa qualidade, um acabamento péssimo. As calçadas que ligavam as faixas de pedestres foram retiradas e agora é lama pura.

Fonte: ACIC-DF

Imagem: obra mal feita

A recém-inaugurada duplicação da Avenida Bahia (Via M3 - avenida do Hospital Regional de Ceilândia) em Ceilândia Sul não trouxe alívio para os motoristas e pedestres da região. Na época de chuvas é um perigo certo transitar pela localidade: o sistema de captação de águas não funciona como deveria e a enxurrada alaga a pista - parte do asfalto e até meios-fios já foram arrancados por causa da força da correnteza.


Confira as imagens:









Em tempo:

Alguns moradores de Ceilândia têm insistido em reclamar na Administração Regional a ausência de uma parada de ônibus em frente ao Hospital Regional de Ceilândia. "É um absurdo! Imagina uma pessoa que saia com a perna engessada, na chuva, e não tem uma parada para esperar o ônibus", questionou um morador da cidade. Na administração, segundo o próprio administrador de Ceilândia, Leonardo Moraes, a obra já foi solicitada à secretaria responsável desde o seu primeiro dia como administrador.

Fonte: Tribuna do Brasil de 28/11/08

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Festival mostra vencedores

O festival Cine Periferia Criativa 2008 reuniu cerca de 900 pessoas no Sesc de Ceilândia entre os dias 7,8 e 9 de novembro último. “É um incentivo para que eles se expressem. O mundo conhece a periferia por um olhar que não é o da periferia”, declara Cláudia Maciel, da organização da Central Única das Favelas (Cufa) no DF, responsável pela promoção do festival.

O pessoal do coletivo Aquilombando ganhou o primeiro lugar no concurso de clipes com 'Haiti'. O trabalho deles também é uma resposta artística ao preconceito. Retrata o atentado que estudantes africanos sofreram na Universidade de Brasília, em 2007. O Aquilombando reúne moradores de várias cidades e a proposta deles é batalhar pela preservação da cultura negra.

No cardápio do Aquilombando, também entram a mobilização política e a formação de lideranças. “Procuramos ter atitude política, nos preparamos discutindo temas da atualidade”, conta Higo Melo, 28 anos. Mulumba (Alisson Melo), um dos vocalistas, diz que desenvolveu uma estratégia eficiente para reagir às demonstrações de preconceito. “Quando me deixam esperando em um bar, restaurante ou loja, eu reclamo de maneira educada e incisiva. Olho bem nos olhos da pessoa para que ela me respeite.”

O coletivo desmistifica a famosa cordialidade entre as raças que existe no Brasil. “Quem é branco não tem idéia de como o racismo está presente no Brasil”, reforça Wander Martins Borges Filho, 30 anos, mais conhecido como Pavão. “Ele barra a ascensão social das pessoas. Tem um ponto que você não consegue ultrapassar”, fala. Na quinta-feira passada, quando saíram para comemorar o prêmio da Cufa, o pessoal do Aquilombando viveu uma situação de preconceito explícito. Estavam em uma pizzaria da Asa Sul e os garçons se mostravam incomodados com a presença deles. “Eles perguntavam mil vezes se a gente já tinha terminado. Assim, mostravam claramente que não nos queriam lá”, conta o Pavão.

O 'Vai levar bacu' do grupo '3 um só' mereceu o segundo lugar na mostra - o tema da música e do clipe são as abordagens policiais, conhecidas como baculejos e simplificadas para bacus. Já o terceiro melhor videoclipe ficou com o grupo Conexão Fatal. Desta vez, o tema foi a violência urbana. Nas cenas do clipe 'Convincente', um corpo estirado no chão e um adolescente de 12 anos segurando um revólver. “Infelizmente, pra gente isso é comum”, conta Fábio César, 33. Aos 18, Fábio, ou Real, como é mais conhecido, se envolveu em uma briga e tomou um tiro.

Depois de ganhar o festival Cine Periferia, os três grupos vencedores foram convidados para ir ao Hutuz, maior festival de rap da América Latina que será realizado no Rio de Janeiro neste fim de semana. Lá dão mais um passo para conquistar o mundo.



Assista aos vídeos no link da fonte.

Fonte: Correio Braziliense

Vote na Ketleyn!

A nossa ceilandense merece ser a atleta do ano.

Para votar na judoca de nossa cidade visite o site:

Prêmio Brasil Olímpico

Fonte: ACIC-DF

Risco de desabamentos

Com os estragos feitos pela chuva, na principal via de acesso dos moradores da Chácara Cachoeira 151, os carros não entram mais. A dona-de-casa Elizabete de Souza conta que toda vez que chove, a água invade o barraco em que mora. “Eu corri pra vizinha. Fui pra casa dela e deixei a água correndo aqui”, diz.

De acordo com a Defesa Civil, apenas quatro chuvas fortes foram suficientes para formar uma erosão de 50 metros de comprimento, sete metros de largura e oito metros de profundidade.

“A área é irregular, onde as pessoas habitaram de forma não controlada. Não foi feito estudo de impacto ambiental no local. E, em função de disso, com a ocupação, algumas casas foram colocadas em lugares onde o desvio da água da chuva foi forçado”, explica o major da Defesa Civil, Toni Belinho.

Pelo menos 20 famílias foram notificadas nesta quinta-feira (27) pela Defesa Civil. “Além de notificar, vamos encaminhar para os órgãos do governo um parecer técnico comunicando a necessidade imediata da remoção dessas famílias, para que não haja óbito. Porque, de um momento para o outro, pode haver grande deslizamento e as pessoas serem soterradas”, afirma Edna Gonçalves, supervisora da Defesa Civil.

Ao todo, 30 famílias foram notificadas para deixar as casas na Chácara 81 do condomínio.



Veja o vídeo:

CorreioWeb / Tv Brasília


Fonte: Rede Globo e Jornal Local de 27/11/08

Reunião da Ambec

O presidente da Associação dos Moradores de Beco em Ceilândia (Ambec) pretende se reunir amanhã (29/11/08) com cerca de 1,5 mil pessoas, às 19h, na Praça da Bíblia, no Setor P Norte, para um ato contra a licitação das casas de beco. Ele já avisou que, caso não entrem em um acordo com o governo para que não aconteça a licitação das casas, a turma vai "parar Ceilândia e Taguatinga" com carreata, carros de som e tudo mais. A idéia é seguirem até o Buritinga para pressionar o GDF.

Fonte: Tribuna do Brasil, ACIC-DF e blog Moradores de Becos de Ceilândia

Falta de vagas

Nem todos os alunos que se inscreveram pelo Telematrícula estão com a vaga garantida, isso porque não há escolas suficientes. GDF garante que irá construir 600 novas salas de aula em tempo recorde.

A Escola Classe P-Norte, da Ceilândia, vai ser ampliada. Hoje são três salas de aula, para 196 alunos, divididos em dois turnos.

No total, 12 salas devem ser construídas para receber as crianças matriculadas para o próximo ano letivo. “Nós vamos atender mais ou menos 420 crianças a mais”, diz a vice-diretora Cristina Ursino.

Ao todo, 46.628 alunos foram cadastrados no Telematrícula. Faltam escolas para atender toda essa demanda, que é maior na Ceilândia e teve 9.694 inscritos. Em seguida vem Taguatinga, com 5.179.

De acordo com a Secretaria de Educação, no prazo de três meses, o GDF vai ter que construir 610 salas de aula. Ao todo, serão 29 novas escolas públicas. A prioridade para o próximo ano continua sendo deixar o aluno mais perto de casa.

As obras devem custar R$ 56,2 milhões e vão ser feitas sem licitação, porque são consideradas emergenciais. “Uma forma de seleção de construtores para fazer as obras, evidentemente, é ser pública e transparente. O que certamente não se consegue fazer para o início das aulas é o processo absolutamente normal que sempre fazemos”, afirma o secretário de Educação José Luiz Valente.

Se a promessa se confirmar “vai ser ótimo pra nós. Tem que aumentar o número de vagas, porque são muitas crianças“, diz uma mãe de aluno.

A expectativa da Secretaria de Educação é reduzir pela metade o número de alunos que são transportados todos os dias. Atualmente, 40 mil alunos dependem do transporte escolar.


Fonte: Rede Globo de 27/11/08, Correio Braziliense e ClicaBrasília

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A mais completa Vila Olímpica

A maior e mais completa Vila Olímpica do Distrito Federal, no antigo Parque de Vaquejadas, próximo do Setor P Norte de Ceilândia, começou a ser construída nesta quarta-feira (26/11/08). O GDF irá investir R$ 7 milhões no complexo, que será o primeiro a se encaixar nos padrões internacionais para competições esportivas. A previsão é de que a obra termine em abril de 2009.

O secretário de Governo, José Humberto Pires, lembrou que a vila cumprirá o objetivo de ser um espaço para o contra-turno das escolas públicas. Durante a semana, o local receberá estudantes da rede pública de ensino. Nos finais de semana, o espaço atenderá a comunidade. “Além do esporte para os alunos haverá o lazer para as famílias”, disse o secretário.

A vila olímpica será erguida em uma área de 46 mil metros quadrados. O local terá capacidade para cinco mil pessoas e contará com uma pista oficial de atletismo, campo sintético de futebol society, duas piscinas, ginásio, quadra coberta, quadra de tênis, campo de areia, pista de skate, duas quadras poli-esportivas, arquibancadas, vestiários e até churrasqueiras.

O complexo no Parque de Vaquejadas é a sétima vila olímpica em construção no DF neste ano. Segundo o gerente de Vilas Olímpicas do DF, Agrício Braga, as outras unidades em construção são as de Planaltina, Gama, Ceilândia (Setor "O"), Estrutural, São Sebastião e Samambaia, que será inaugurada em março de 2009. O objetivo é construir até 2010 dez vilas olímpicas.

Para o presidente da Associação Leão de Judá, José Correia Brito, - que levou 20 alunos de karatê ao futuro complexo esportivo - a chegada da Vila Olímpica irá melhorar a qualidade de vida dos jovens da região. “Hoje atendemos 450 crianças no P Norte e o nosso espaço está ficando pequeno. Isso mostra que o esporte está crescendo e essa vila vem em boa hora”, afirmou.

Outro benefício com a chegada da Vila Olímpica será a contratação de mão-de-obra da região para a construção do complexo. O secretário de Obras, Márcio Machado, pediu às empresas responsáveis pela obra que empreguem moradores. Segundo ele, há cerca de cem vagas para ajudantes de obras, pedreiros e marceneiros.


Fonte: ClicaBrasília e Tribuna do Brasil

Atendimento falho

O atendimento aos pacientes do Hospital Regional de Ceilândia (HRC) foi reprovado por uma vistoria da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados de Brasília (OAB-DF). Após receber denúncias sobre a falta de médicos e a precariedade nos equipamentos da rede pública de saúde do Distrito Federal, os conselheiros decidiram fazer uma avaliação pessoal nas unidades. A visita teve início na noite dessa quarta-feira (26/11), às 20h, com a fiscalização no HRC e deverá ser mantida nos próximos 30 dias nas outras unidades.

Um grupo de advogados vistoriou durante cerca de quatro horas os serviços no Pronto-Socorro e Unidade de Tratamento Intensivo na unidade de Ceilândia. Eles identificaram demora no atendimento e falta de equipamentos necessários aos pacientes.

O relatório final da visita será encaminhado à Secretaria de Saúde e Ministério Público do DF exigindo a solução dos problemas. O presidente da comissão, Jomar Alves Moreno, antecipou a avaliação. “As falhas são gritantes no local. O atendimento ambulatorial é o que deixa mais a desejar. Vamos estudar a apresentação de uma ação civil pública por omissão do estado para pelo menos atenuar o problema”, afirma.

De acordo com a comissão, alguns pacientes aguardavam o atendimento na fila desde o período da manhã. Para a ela, a falha acontece no atendimento ambulatorial. "A fila poderia ser encurtada com um bom atendimento dos clínicos-gerais. Mas nem isso ocorre", reforça o presidente do grupo.

As próximas unidades a serem visitadas deverão ser o Hospital de Base (HBB), Gama e Planaltina. A intenção da OAB-DF é concluir os trabalhos até o fim do ano. O relatório final também deverá ser encaminhado à Secretaria de Saúde apontando as falhas diagnosticadas.



Assista ao vídeo:

CorreioWeb / Tv Brasília



Fonte: Correio Braziliense e Jornal Local de 27/11/08

A tesouradas

Um adolescente foi atacado a golpes de tesoura por outro aluno no Centro de Ensino Fundamental 25 (CEF 25) do P Norte. Tudo isto por causa de uma briga que ocorrera um dia antes na escola: O aluno que havia saído agredido alertara que voltaria e, no dia seguinte, na sala de aula, o jovem que havia batido foi surpreendido, pelas costas, com tesouradas na altura do pescoço - o estudante que foi agredido desta última vez não corre risco de morte.

A mãe do jovem que ficou machucado demonstra medo; o filho da senhora não quer mais voltar ao centro de ensino. O mais incrível é que a direção da escola não ficou sabendo das discuções ocorridas ali entre os dois estudantes. A Delegacia de Polícia da Criança e do Adolescente - DCA-Ceilândia Centro - está no caso.

Fonte: Rede Record de 26/11/08

Invasão cavalar

Os cavalos estão por todos os lados. No curral comunitário do Setor "O" é possível vê-los, mas não apenas por lá - os animais estão também pelas ruas da cidade. Próximo a BR-070 é possível ver carroceiros e seus cavalos disputando o espaço com os veículos.

Os animais não podem transitar em rodovias e nem sempre isto é respeitado - falta a velha e conhecida fiscalização. No curral comunitário, onde os cavalos repousam, a situação é ainda mais deplorável: animais e carroceiros convivem juntos em um ambiente sem o mínino de infra-estrutura básica.

Enquanto isto, os riscos de acidentes aumentam, e muito, nas vias da cidade de Ceilândia.

Fonte: Band Cidade de 27/11/08

Ajude as vítimas de enchentes!

O GDF já instalou postos de doações para arrecadar gêneros que serão enviados às vítimas das enchentes que vêm atingindo Santa Catarina. A Defesa Civil já contabilizou 97 mortos. Arruda se reuniu, à tarde, com os administradores para determinar que sejam feitas campanhas de arrecadação nas regionais.

Os postos de atendimento vão funcionar em delegacias, postos comunitários, batalhões da PM, unidades do Corpo de Bombeiros, e na sede da Defesa Civil, que fica em Ceilândia, segundo informou a Secretaria de Segurança que está organizando o esquema de ajuda e pede que as famílias façam doações de, principalmente, roupas, sapatos e agasalhos, já que as pessoas atingidas pelo desastre perderam quase tudo. Alimentos não-perecíveis e com prazo de validade de no mínimo dois meses serão aceitos também para o envio ainda nesta semana.

Depósito em dinheiro podem ser feitos para o Banco do Brasil (agência 3582-3, conta corrente 80.000-7), Bradesco (agência 068-0, conta corrente 80.000-0) e Banco do Estado de Santa Catarina (agência 0348-4, conta corrente 160.000-1).

Além disso, quatro helicópteros da Polícia Rodoviária do DF serão empregados no socorro e remoção dos feridos, transporte de ajuda e resgate às vítimas. O número de pessoas que tiveram de deixar suas casas chega a 78.656. Desse total, 27.404 estão desabrigadas e 51.252 desalojadas. Entre os mortos, estão oito crianças com menos de 10 anos.


Fonte: Jornal Coletivo

O grito da judoca

Primeira brasileira a conquistar uma medalha olímpica em esportes individuais, a judoca Ketleyn Quadros está desenganada. Ela acreditava que a medalha de bronze conquistada em Pequim, há menos de quatro meses, faria sua vida mudar para melhor. Mas não foi isso o que não aconteceu.

Assim que chegou da China, ainda em agosto, a brasiliense apresentou propostas de patrocínio a 40 empresas de Belo Horizonte, onde mora desde 2006. Ouviu 40 "nãos" como resposta. Cada um à sua maneira. "Algumas empresas disseram que era por causa da crise nos Estados Unidos, outras falaram que já tinham fechado o orçamento para 2009, ou que faltava verba para o final deste ano". "Sinceramente, não sei mais o que um atleta precisa fazer para conseguir apoio financeiro no Brasil."

Ketleyn sobrevive com R$ 1,2 mil mensais, a ajuda de custo que recebe de seu clube, o Minas Tênis Clube, de Belo Horizonte. Isso a impede de ser contemplada pelo Bolsa-Atleta, programa do governo federal para atletas sem patrocínio. A agremiação mineira ainda oferece alojamento, alimentação, curso superior e passagens para competições no Brasil.

"Muita coisa mudou para mim depois da Olimpíada. O assédio das pessoas nas ruas, a mídia fica toda em cima... Só não teve diferença em termos financeiros", lamenta. "Fiz o meu papel. Fui lá e ganhei uma medalha. Agora estou até um pouco descrente."

Dinheiro sempre foi problema sério na carreira de Ketleyn, de 21 anos. Ela não tinha patrocínio quando competia em Ceilândia, cidade-satélite das mais pobres do Distrito Federal. Ainda assim, a judoca conseguiu uma seqüência de resultados expressivos nas categorias de base e foi isso que a levou ao Minas, em 2006.

Para trocar de federação, a mãe teria de pagar R$ 1,5 mil. Só conseguiu depois de fazer uma rifa entre amigos. Os mesmos que ajudaram Rosemary, mãe da judoca, a angariar R$ 6,3 mil para viajar à China e ver a filha competindo. Na porta do ginásio da Universidade de Ciência e Tecnologia de Pequim, onde ocorreram as disputas do judô, ela perambulou com um cartaz escrito em mandarim pedindo ingresso para acompanhar a trajetória de Ketleyn das arquibancadas. Conseguiu após dois dias de tentativas.

No judô brasileiro de alto nível, contudo, falta de patrocínio parece ser um problema apenas de Ketleyn. Os dois judocas brasileiros que subiram ao pódio em Pequim não têm do que reclamar. Leandro Guilheiro, bronze em Atenas/2004 e Pequim/2008, e Tiago Camilo, prata em Sydney/2000 e bronze em Pequim/2008, integram o tradicional Clube Pinheiros e fazem parte da equipe Gol Esportes, bancada pela empresa aérea.


Fonte: Gazeta do Povo e Correio Braziliense de 27/11/08

Vídeo: Quadrilha de hipermercado é presa

Assista ao vídeo que mostra a prisão de uma quadrilha que atuava, através de fraudes, no hipermercado Extra em Ceilândia Sul. Clique nos links e veja:

ClicaTV e CorreioWeb / Tv Brasília

Fonte: ClicaTv, Tv Brasília, Tribuna do Brasil, Jornal de Brasília e Correio Braziliense de 27/11/08

40 procurados são capturados

A Polícia Civil realizou, durante a madrugada de hoje, a Operação Alvorada 3. Por meio da operação, cerca de 70 policiais civis cumpriram 40 mandados de prisão. Entre os 40 presos, foram detidos duas mulheres e um policial militar reformado. Os mandados referem-se a crimes como roubo, furto, estupro, homicídio e latrocínio. Os presos são todos fugitivos.

De acordo com o diretor da Polícia Civil, Cléber Monteiro, a operação pretendia cumprir aproximadamente 60 mandados de prisão. Apesar de a operação não ter alcançado o número, o diretor avalia que a quantidade de prisões é satisfatória. A estimativa é que sejam cumpridos 9 mil mandados de prisão, até o fim do ano. Com a operação da noite passada, aproximadamente 5 mil pessoas foram presas este ano. Monteiro explica que a Operação Alvorada 3 é realizada constantemente.

As buscas foram feitas em várias regiões administrativas do Distrito Federal, principalmente em Taguatinga, Samambaia e Ceilândia. Monteiro afirma que a maior dificuldade no cumprimento dos mandados é devido ao registro dos endereços dos procurados, já que a maioria fornece endereços errados. Entre os presos de hoje, 37 estão detidos no Departamento de Polícia Especializada (DPE). As duas mulheres estão detidas na Penitenciária Feminina. Segundo o diretor da PC, o policial militar reformado está detido na 3ª CPMind, pois a legislação prevê que os policiais recebam um tratamento diferenciado.


Fonte: Jornal Coletivo

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Quadrilha que fraudava hipermercado é presa

Três homens foram presos, na noite de ontem (25/11/08), por estelionato no Hipermercado Extra, situado na QNM 11 em Ceilândia Sul. Paulo César Costa da Silva, 26 anos, Diego Everton Tavares, 24 anos, funcionários do hipermercado, acabaram flagrados quando entregavam produtos da loja a Wesley Santana da Silva, 27 anos. Além dos três rapazes, Carlos Roberto Jesus Ferreira, 31 anos, é acusado de participar da quadrilha, utilizando cartões clonados. Todos os envolvidos confessaram o crime.

De acordo com o BO, Diego era chefe da Central de Processamento de Dados (CPD) da empresa. Há cerca de um mês, o acusado ativou uma máquina do hipermercado que emitia as notas fiscais dos produtos. Assim, o chefe do CPD e o vendedor conseguiam retirar os produtos da loja com facilidade, sem levantar suspeitas. Os produtos eram entregues a Wesley, que revendia a mercadoria em Ceilândia.

Segundo o delegado-chefe da 15ª DP, Adval Cardoso, com os autuados foram encontrados quatro cartões de crédito, um notebook, dois aparelhos de som automotivo, dois aparelhos de telefone celular, quatro pneus, um cortador de cabelo, dois bebedouros refrigerados, dois televisores de LCD de 15 e 32 polegadas, um monitor LCD de 19 polegadas, um aparelho de barbear e um videogame playstation 3. O delegado acredita que haja outros envolvidos no crime, que poderão responder por receptação. Como não foi pego em flagrante, Carlos não está detido. Nenhum dos acusados tem passagem pela polícia. O trio foi indiciado por estelionato e formação de quadrilha.

Segundo funcionários do hipermercado, Paulo César e Diego eram bons empregados. Diego começou a trabalhar na companhia como office-boy, sendo promovido constantemente ao longo dos quase dois anos de permanência na empresa. A assessoria de imprensa do Hipermercado Extra divulgou uma nota, afirmando que desconhecia o caso. Até o fechamento da edição de hoje não foi feito o levantamento da quantidade de mercadoria retirada do hipermercado.


Fonte: Jornal Coletivo, Correio Braziliense, ClicaBrasília, Rede Globo e Rede Record de 26/11/08

Professora é punida

O Ministério Público do Distrito Federal decidiu punir a professora acusada de segurar um garoto de cinco anos enquanto outros batiam nele numa sala de aula de Ceilândia, no fim de outubro. Elizabeth Barros terá de prestar 64 horas de serviço comunitário no Hospital Regional de Ceilândia (HRC). Com a medida, não haverá julgamento de mérito no caso — se houve negligência por parte da docente ou não — e o processo deve ser arquivado. A Secretaria de Educação do DF deve concluir sindicância para apurar as circunstâncias da denúncia em 60 dias. Parcialmente aliviada, a professora aceitou o acordo, mas afirmou que não há apoio pedagógico aos alunos da escola.

A agressão ao garoto teria ocorrido em 28 de outubro, na Escola Classe 56, na Expansão do Setor O de Ceilândia. A mãe do menino registrou ocorrência contra a professora na 24ª Delegacia de Polícia (Setor O), após relato do pai de um colega do filho. A professora responsável pela turma, Elizabeth Barros, 26 anos, contou ao Correio que a confusão teve início por volta das 10h, quando ela voltava com os meninos do banheiro para a sala. Ao formar a fila, a criança supostamente vítima das agressões teria simulado uma luta com um dos colegas. Sem conseguir fazê-lo parar, a docente decidiu deixá-lo na sala com as meninas, enquanto acompanhava o restante da turma.

Elizabeth disse ter ficado fora da sala por aproximadamente cinco minutos. Ao retornar, presenciou uma briga entre as crianças e acabou segurando os dois braços do menino para “tirá-lo da confusão”. Elizabeth teria pedido em vão para o garoto se acalmar, mas o menino continuou agressivo. Nesse momento, segundo ela, outras crianças aproveitaram para revidar os pontapés e socos recebidos. Durante a confusão, a professora disse ter visto o garoto que segurava levar um tapa no rosto de outro aluno que ele acabara de atingir com um chute. “Puxei ele para afastá-lo da confusão e separar a briga. Foi um acidente, briga entre crianças são inevitáveis”, justificou a professora.

Na prática, a medida representa um acordo entre as partes envolvidas e o MPDF para evitar uma denúncia ao Judiciário. “Todo cidadão sem antecedentes criminais tem direito ao benefício do acordo para o arquivamento do processo”, explicou o promotor.

A mãe da criança, Rejane Vieira, de 36 anos, considerou o desfecho adequado. “Dentro do que a lei permite fiquei satisfeita. Em momento algum desejei mal à professora, mas queria que os fatos fossem apurados para evitar outros casos como esses”, disse Rejane, que pediu transferência do filho para outra escola.




Em conversa com o Correio, a professora se disse aliviada com a decisão. O acordo com a mãe da criança e o poder público teve o objetivo de preservar as partes envolvidas. “O caso não mereceria ser estendido para a Justiça. Não pratiquei crime”, disse ela, que vai acompanhar a investigação da Secretaria de Educação, que tem dois meses para apresentar relatório. “Falei sobre a agressividade da criança diversas vezes com a direção. A escola nada fez. É a minha dignidade que está em jogo. Vou até o fim”, concluiu a docente.


Fonte: Correio Braziliense e Rede Globo

Obrigado de nada

A novíssima duplicação da via MN3 em Ceilândia Sul (via do Hospital Regional) não foi tão comemorada assim. O sistema de captação de águas não está funcionando como deveria e o resultado é o alagamento da via com a chegada das chuvas. Hoje o que se viu foi um aguaceiro.

Como uma obra nova como esta não pôde ser bem planejada?
Bem que o GDF poderia responder.



Outros pontos que sofreram alagamentos na cidade de Ceilândia foram os condomínios Pôr-do-Sol e Sol Nascente; estes carecem de infra-estrutura.

Fonte: Band Cidade e Rede Globo de 26/11/08

Vila Olímpica no lugar de vaquejada

Hoje as 15 horas, o governador José Roberto Arruda autorizou o início das obras de mais uma Vila Olímpica, no antigo Parque da Vaquejada próximo do setor P Norte de Ceilândia. Segundo o coordenador do projeto Estrutural das Vilas Olímpicas, Agrício Braga, esta é a sétima unidade do complexo esportivo lançado, desde o início do governo.

Fonte: ComuniWeb

Maior fiscalização

Serviço de atendimento por telefone. Quem nunca se sentiu desrespeitado? “Eu sempre me sinto desrespeitada, porque o atendimento é muito difícil ”, reclama uma consumidora.

Quem já não perdeu a paciência? “Já perdi várias vezes. Nossa! Eu xingava, falava palavrão com eles. Sei que eles não têm culpa, mas a gente perde a paciência” , admite a dona-de-casa Eliete Sobral.

A partir desta segunda-feira (1º), novas regras começam a valer. O atendimento por telefone deverá ser oferecido 24 horas, sete dias por semana e com ligações gratuitas, de telefone fixo ou celular. Falar com o atendente deverá ser a primeira opção do menu e o tempo máximo para falar com ele deverá ser de um minuto. Para instituições financeiras, 45 segundos.

O cancelamento de serviço deverá ser resolvido pelo primeiro atendente, sem transferência da ligação. Em outros casos poderá ser feita apenas uma transferência, mas o consumidor não terá que contar tudo de novo. As ligações deverão ser gravadas e podem ser requeridas até três meses depois.

O Procon enviou questionários para 42 empresas, para saber se estão preparadas para as mudanças. Mau sinal: apenas 12 responderam. A presidente em exercício promete fiscalização rigorosa.

“Os fiscais vão ligar para os Serviços de Atendimento ao Consumidor durante a madrugada. Para saber se, efetivamente, estão atendendo aos consumidores. Caso não haja o atendimento, eles vão notificar. A sanção administrativa, em princípio, é de multa. Ela varia de R$ 212 a R$ 3,1 milhões. Se as empresas insistirem em descumprir a lei, poderão ter a sanção administrativa de interdição”, explica a presidente em exercício do Procon-DF, Ildecir Amorim.


Fonte: Rede Globo

Centro da Emater será inaugurado

A Emater Ceilândia inaugura no próximo sábado (29), às 10h, o Centro de Capacitação em Produção e Higienização de Hortaliças e Caixas Plástica. O centro ensinará aos agricultores a produzir alimentos seguros e saudáveis, capacitando-os na produção e manutenção de hortas e na higienização correta de hortaliças e caixas plásticas utilizadas no transporte dos alimentos.

O Centro irá funcionar na Feira do Produtor de Ceilândia - P Norte, em uma área de dois mil metros quadrados, com espaço para galpão, horta e viveiro. O espaço é o resultado da parceria entre a Emater Ceilândia, a Associação da Feira dos Produtores e Atacadistas de Ceilândia e Entorno, e Conselho de Desenvolvimento Rural e Sustentável da Regional de Ceilândia.

Foram investidos R$ 460 mil no projeto. O GDF aplicou R$ 98 mil na construção do galpão e mais outros R$ 150 mil em projetos técnicos, horta pedagógica, materiais de construção e assessoria técnica da Emater.


Fonte: ClicaBrasília

Pedófilo é condenado

O juiz do 2º Juizado Especial Criminal de Ceilândia condenou o pedófilo Jair dos Santos, 66 anos, a trinta anos e dez meses de reclusão, em regime inicialmente fechado, por diversos crimes, dentre eles estupro, atentado violento ao pudor, corrupção de menores.

A competência de julgar o réu foi declinada para o 2º Juizado de Ceilândia a pedido da 6ª Promotoria Criminal de Ceilândia, que apontou indícios de envolvimento da mãe das vítimas no crime, dando ensejo à aplicação da Lei Maria da Penha.

Os abusos sexuais contra as duas crianças começaram em 1998 e perduraram até 2007, com o consentimento e a participação da mãe delas. De acordo com o depoimento da mãe, também acusada no processo, Jair era marido de uma tia e a conhecia desde a juventude.
Segundo ela, hoje com 41 anos de idade, foi ele quem tirou a sua virgindade aos 13 anos de idade, forçando-a a praticar relações sexuais às escondidas. Os dois voltaram a se encontrar em 98, numa festa. Nessa ocasião a acusada estava no segundo casamento e já tinha o casal de filhos, a menina com 6 anos e o menino com 4 anos.

De acordo com o relatório do juiz, "as crianças viviam um conflito (detalhado por eles próprios em depoimentos) entre o que era permitido, segundo lhes dizia Jair, e o que era aceito socialmente, porque ao mesmo tempo em que eram fantoches sexuais eram seres inseridos em uma sociedade."

As conseqüências do crime foram graves e indeléveis, prossegue a sentença. "As vítimas estarão para o resto de suas vidas marcadas, física e psicologicamente, de modo irreversível, eternas prisioneiras de suas trágicas lembranças (...) e só com muita ajuda psicológica, familiar e da própria sociedade, poderão vir a constituir uma família, pois potencialmente não têm, porque o réu lhes tirou, valores altruístas para serem repassados".

Jair dos Santos está preso e não terá direito a recorrer da sentença em liberdade. De acordo com o juiz: "Enquanto as vítimas viverão aprisionadas pelos próprios pensamentos, o acusado terá presídio real, subtraído do convívio social, porque atentou violentamente contra os costumes e as regras de civilidade".

O processo contra a mãe dos adolescentes, que também está presa, foi desmembrado por conta de instauração incidente de insanidade mental requerida pela Defensoria Pública. O laudo médico sobre as condições mentais dela aponta problemas de transtorno de personalidade e perturbação da saúde mental, mas inteira capacidade de entendimento e de determinação de acordo com esse entendimento. Conforme o laudo, a pericianda apresenta traços de periculosidade que indicam reclusão em presídio normal. Após as alegações finais, o juiz da causa proferirá sentença em relação a ela.

Ainda cabe recurso à 2ª Instância do Tribunal.


Fonte: ClicaBrasília

A praça é nossa?!

Próximo de completar seu primeiro aniversário no dia 30 de novembro, a Praça da Bíblia - construída na QNP 19 do P norte - vem sendo uma dor de cabeça constante para os moradores da região. Tudo isso porque a praça que a princípio deveria servir de local para eventos e uma opção a mais de lazer para os frequentadores levarem as crianças para passear, andar de bicicleta ou de patins, jogar futebol, etc; hoje está servindo (principalmente aos domingos) de local para disputas de sons automotivos, brigas de gangues, manobras perigosas em carros e motos - inclusive muitos conduzidos por menores de idade - coreografias e músicas obscenas, tudo isso regrado a muita bebida alcoólica, drogas e prostituição de jovens menores de idade.

Os moradores das proximidades dizem não saber mais o que fazer, já que a polícia comparece ao local, passa e só observa o que acontece a distância (como se todos os moradores de Ceilândia não soubessem o que a polícia costuma fazer). Alguns dos moradores dizem que não podem mais nem sair na rua porque correm o risco de levar pedradas, pauladas ou garrafadas, jogadas nas constantes e freqüentes brigas envolvendo gangues, muitas vezes organizadas por menores de idade.

A mãe de um jovem que freqüentava a praça aos domingos com os amigos afirmou que teve que mandar seu filho para fora de Brasília pois, após uma discussão com alguns jovens, o seu filho passou a ser ameaçado de morte. “Meu filho chegou a ser caçado por motoqueiros, que procuravam por ele em toda a cidade, dizendo para todos que quando o encontrassem iriam matá-lo”.

É necessária uma a atitude imediata e energética da parte dos responsáveis pela segurança pública para que isto nunca mais se repita. É importante informar os moradores que toda e qualquer denúncia de irregularidades deve ser feita no número 190 (Polícia), pois através das denúncias é que talvez (TALVEZ) poderemos ter algum tipo de reação do poder público.





O Blog 100% Ceilândia se coloca a disposição de toda a comunidade de Ceilândia para receber denúncias de problemas ou irregularidades cometidas em nossa cidade.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Sem opções de diversão

Opção de cultura e lazer ainda é um problema em Ceilândia. Com 37 anos de existência, a região possui poucas alternativas de diversão para seus habitantes, que geralmente precisam se deslocar até cidades vizinhas.

Segundo o gerente de Esporte, Lazer, Cultura e Educação da Administração Regional de Ceilândia, João Cléber Fernandes, uma das únicas opções culturais da comunidade atualmente é o Sesc Ceilândia. "A instituição acaba de comemorar um ano e atende entre quatro e cinco mil pessoas a cada fim de semana. Também é nossa parceira em eventos culturais promovidos pela administração e pela própria comunidade".

As obras para construção do único cinema de Ceilândia foram anunciadas há exatamente um ano, no lançamento do edital de licitação para a construção do projeto. Entretanto, nada saiu do papel. De acordo com a própria Administração, faltam recursos para o início das obras, pois nenhuma empresa se candidatou à construção, que é uma Parceria Público-Privada (PPP). O terreno de cinco mil metros quadrados, localizado na QNM 11, atrás do Shopping Popular, foi doado pelo GDF e desde então permanece vazio.

"Não temos recursos para a realização do cinema, que depende da iniciativa privada para sair do papel. O governo concedeu o terreno e estamos aguardando a finalização do projeto e a parceria com alguma empresa privada para iniciarmos a construção. Por enquanto não há previsão para o início das obras.", explicou João Cléber.

Com uma população de quase 600 mil habitantes, Ceilândia não possui uma sala de cinema há quase 20 anos, desde que o Cine Itamaraty, onde atualmente funciona o Restaurante Comunitário, e o Cine Regente fecharam as portas.

A estudante Júlia de Queirós, de 12 anos, sente falta de alternativas culturais na cidade. "Sempre que quero sair, preciso me deslocar da cidade, pois Ceilândia não possui nenhum local de lazer. O cinema mais próximo fica em Taguatinga, não temos como nos divertir por aqui", desabafou.

Para ter acesso aos últimos lançamentos do cinema, a população da maior cidade do DF deve recorrer às redes de cinema da cidade vizinha, Taguatinga, ou mesmo ao Plano Piloto. Esporadicamente, a cidade também recebe festivais e eventos culturais que aproximam a população do mundo cinematográfico, como o Festival de Cinema no Metrô. O evento, que é uma realização do 41º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, encerra hoje e esteve desde o dia 19 de novembro nas estações Central, 108 Sul, Taguatinga e da própria Ceilândia, sempre às 18h30, com a exibição em DVD dos dez curtas mais significativos na história do Festival.

A construção do primeiro shopping center da cidade também está nos planos de expansão da região. Porém, a questão tem levantado problemas, já que o empreendimento seria construído em uma área limite entre Ceilândia e Taguatinga, o que direcionaria todos os impostos ali gerados para a Administração Regional de Taguatinga.




Só mesmo em Ceilândia para se fazer um cinema sem o seu respectivo "shopping center". Isto lembra bastante os tempos antigos. O 100% Ceilândia já relatou a mesma situação outra vez no blog.

Fonte: Tribuna do Brasil de 25/11/08

O time do dia

O Ceilândia Esporte Clube surgiu a partir do Dom Bosco Esporte Clube. O Dom Bosco Esporte Clube foi fundado em 1963 por Francisco da Silva, o "Seu Chicão", na Vila do IAPI, onde hoje estão as quadras 03 e 05 do Setor de Mansões do Park Way.

Em 1971, o governador do Distrito Federal, Hélio Prates da Silveira criou a Campanha de Erradicação de Invasões, com o propósito de retirar os invasores da região nobre de Brasília. Dizem que o governador sentia-se deprimido ao ver aquelas favelas tão próximas do circulo do poder. Como o novo povoado foi organizado pela CEI (Campanha de Erradicação de Invasões), estava criada a CEI-lândia.
O Dom Bosco rapidamente firmou-se como um dos maiores times da cidade, disputando a hegemonia com o Juventude Atlético Clube, Grêmio, Brasília e Juventus.

O futebol do Distrito Federal começou a se profissionalizar. O Campineira foi a base do Sobradinho, o Pioneira deu origem ao Taguatinga, mas Ceilândia continuava de fora. Em 1977 surgiram as primeiras tentativas no sentido de profissionalizar o Dom Bosco. Finalmente, em 27 de março de 1978, o Dom Bosco foi registrado, até então o time apenas existia de fato. Por sugestão da Deputada da época, Maria de Lourdes Abadia, optou-se que o nome do time mudasse, guardando as cores preto e branco do Dom Bosco, mas trocando o escudo por uma imagem estilizada da Caixa d´Água da cidade.

Foi assim que, em 23 de agosto de 1979, o estatuto do time foi alterado mudando o nome de Dom Bosco Esporte Clube para Ceilândia Esporte Clube.

A primeira partida profissional do Ceilândia foi disputada ainda em 1979, diante do então clube mais importante do Distrito Federal: o Brasília. O Ceilândia perdeu a partida por 2x1, sendo Risadinha o autor do primeiro gol da história do Ceilândia.




Em 2009 o Ceilândia faz 30 anos. Veja mais informações do time no link da fonte.

Fonte: Blog 1 Time Por Dia

Investimento em hospital

Um acordo firmado entre o governo do Distrito Federal, o governo de Goiás e o governo federal permitirá, em 2009, a abertura do Hospital de Santo Antônio do Descoberto, município de Goiás localizado a 46 km de Brasília e com cerca de 70 mil habitantes. O investimento será de mais de R$ 4 milhões na compra de equipamentos para a unidade de saúde, com o objetivo de desafogar a demanda no atendimento de moradores do Entorno nos hospitais do DF. O hospital está pronto mas ainda não funciona por falta de equipamentos.

O acordo foi firmado nesta terça-feira (25), durante almoço na Residência Oficial de Águas Claras entre o governador José Roberto Arruda, o governador de Goiás, Alcides Rodrigues, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, e os secretários de Saúde do DF, Augusto Carvalho, e de Goiás, Helio de Sousa. Também ficou definida a criação de Unidades de Pronto Atendimento (Upas) e Núcleos de Apoio a Saúde da Família na região.

Segundo Temporão, ainda são necessários novos investimentos em obras e na compra de equipamentos para a melhoria da saúde. “A curto e médio prazo os resultados serão vistos e logo a população perceberá a mudança”, ressaltou o ministro. “A população terá um atendimento melhor e mais próximo de casa. Isso também irá desafogar os hospitais de Taguatinga e Ceilândia”, disse o governador Arruda.

O Entorno também tem outros três hospitais em fase de conclusão: o de Águas Lindas, o de Valparaíso, que já tem 90% da obra concluída e do Novo Gama.


Fonte: ClicaBrasília e ComuniWeb

Regularização

Na última sexta-feira, foi publicado no Diário Oficial do DF um decreto que transforma o Sol Nascente e o Pôr-do-Sol, ambos localizados em Ceilândia, em áreas de regularização de interesse social. Com isso, os moradores poderão, enfim, receber a escritura dos lotes ocupados. Pelo Estatuto da Cidade, a comunidade não pagará pelo imóvel, já que a área é de baixa renda. Hoje, vivem cerca de 85 mil pessoas nos dois setores. Já no início de 2009, o governo começa as obras de quatro escolas na região, além do asfalto e da rede de água. Mas alguns moradores que estão em áreas de proteção permanente, como as margens de córregos e nascentes, devem ser remanejados.

Fonte: Correio Braziliense de 25/11/08 e Jornal de Brasília de 22/11/08

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Imagem: Virou moda!

Não é bonito, mas tá na moda!

O problema dos postes que ficam no meio das ruas não é exclusivo dos moradores de Ceilândia Norte, como foi divulgado aqui no blog 100% Ceilândia. Na divisa entre os setores QNQ e QNR mais um poste está incomodando, e bastante, os motoristas e pedestres da localidade.

Eita coisa feia!



Estréia do CEC 2009

A Federação Brasiliense de Futebol (FBF) divulgou a tabela do Metropolitano 2009, ano do trigésimo aniversário do Ceilândia Esporte Clube (CEC - o Gato). A partida de estréia do Ceilândia será contra o Legião, no estádio Abadião (Guariroba), as 16h00. Na seqüencia o CEC enfrentará Brazlândia e Brasiliense.

O CEC passou por profundas alterações em relação ao time do ano passado. As diferenças começam a ser sentidas do lado de fora, com o arrendamento do Departamento de Futebol Profissional. Diferente dos últimos anos, o CEC não mais treinará no CT do Jaguar. O mais provável é que treine no campo que fica na chácara ao lado.

Outra novidade é a contratação de Edvan Aires para supervisionar as atividades de futebol. Edvan Aires exerceu essa atividade no Gama, Brasiliense e em outros Estados.

O elenco do Ceilândia ainda não foi completamente montado, mas deve ser mesclado com jogadores da cidade e de outros Estados. O time deve começar a preparação na próxima segunda-feira, dia 1º de dezembro.


Fonte: Ceilândia Esporte Clube

Esportistas do ano



A judoca Ketleyn Quadros, nascida em Ceilândia e medalhista de bronze em Pequim, é um dos destaques esportivos do ano, em lista divulgada hoje pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Concorrem com Ketleyn pelo Prêmio Brasil Olímpico de melhores de 2008 a saltadora Maureen Maggi, que conquistou o ouro, e a lutadora de taekwondo Natália Falavigna, que faturou o bronze nas Olimpiadas.

Já entre os homens, o nadador César Cielo (ouro em Pequim), o ginasta Diego Hypolito e o velejador Robert Scheidt (prata nas Olímpidas) são os concorrentes.

Os vencedores serão anunciados dia 16 de dezembro em cerimônia realizada no Taetro do Museu de Arte Moderna, no Rio de Janeiro. Jornalistas, dirigentes, atletas e outras pessoas ligadas ao esporte escolheream a lista dos indicados e o melhor atleta de cada umas das 43 modalidades representadas na premiação. Para escolher o vencedor, haverá uma votação no site do evento, que vai até 15 de dezembro.

A premiação ocorre desde 1999. Ano passado, os vencedores foram o nadador Thiago Pereira e a ginasta Jade Barbosa.


Veja a lista completa clicando no link da fonte.

Fonte: ClicaBrasília

Levantamento do número de feirantes

É como um recadastramento itinerante. O governo vai de feira em feira para formalizar o trabalho. No alto falante, informações sobre a regularização, que só deve terminar no ano que vem.

Ao todo são 61 feiras livres e permanentes em áreas públicas do Distrito Federal. Cinco já foram recadastradas. O governo vai conceder o alvará de funcionamento e permissão de uso. Além disso, cada feirante vai ter uma carteirinha de identificação.

No documento há espaço para o nome, o CPF e o prazo da permissão, que ainda não foi definido. Inicialmente deve ser de um ano. Depois, o cartão será renovado ou devolvido. Dados da feira, número da banca e a especificação da atividade exercida também devem ser fornecidos.

“Para o governo, vamos ter o reconhecimento desse universo, que são 61 feiras do DF. Para o feirante, o que vale é a legalidade”, justifica o coordenador-geral de Serviços Públicos, Paulo César Nunes.

O presidente do Sindicato dos Feirantes do DF, Francisco Valdenir Elias, diz que a reivindicação é antiga e agora eles vão poder trabalhar com mais tranqüilidade.

“Nós trabalhamos em uma panela de pressão, porque a qualquer hora a fiscalização pode chegar. Temos casos, por exemplo, em Planaltina, que as lanchonetes foram interditadas por 49 dias por falta de alvará de funcionamento”, conta Elias.

“Acho que vai facilitar o trabalho pra gente”, acredita Luíza Fernandes. A vendedora Raquel Roverati também está contente com a novidade. “É melhor. Vamos ser mais valorizados. O feirante vai ser reconhecido, porque é uma profissão pouco reconhecida e valorizada. Então eu acho bom”.

Os clientes também esperam ser beneficiados. “Se vier realmente a melhorar o local, porque agora não temos lugar para estacionar, tem muito barro, poeira. Então, se tudo isso se converter para o benefício da comunidade, com certeza vai melhorar”, pontua uma consumidora.

O gerente da Coordenadoria de Serviços Públicos disse que todas as feiras serão reformadas. Apenas os shoppings-feiras serão obrigados a fornecer nota fiscal. As primeiras carteiras já devem ser entregues na primeira quinzena de dezembro.


Fonte: Rede Globo

domingo, 23 de novembro de 2008

Os Agentes da Paz



Há um ano, o Centro de Ensino Fundamental 24 (CEF 24), em Ceilândia, no Distrito Federal, foi alvo de vandalismo por parte de alunos. O quebra-quebra promovido por cinco adolescentes foi registrado em vídeo, a Polícia Civil abriu inquérito e os alunos foram transferidos. Um dos envolvidos morreu em 2008, após forte dor de cabeça. Comenta-se que apanhou numa briga e hematomas no cérebro provocaram a morte. Antes, duas garotas brigaram. Uma bateu a cabeça da outra no chão até provocar sangramento.

Inaugurado em 1998 na expansão de Ceilândia, a mais populosa (cerca de 400 mil habitantes) cidade do DF, a violência sempre acompanhou o CEF 24. Mas desde o início das aulas deste ano a situação mudou. A escola saiu das ocorrências policiais. As cem páginas de anotações de irregularidades preenchidas num semestre caíram para dez. A situação mudou tanto que a diretora da escola, Sirlei de Lourdes Moreira, psicopedagoga de 38 anos que assumiu a função no início deste ano, iria falar ao Ministério Público sobre as suas medidas saneadoras.

Ela não fez mágica. Apenas procurou adaptar a escola a uma comunidade carente, em que os pais saem para trabalhar de madrugada e deixam os filhos sozinhos. “Muitos chegam aqui sem nenhuma noção de moral, de religião e mesmo de respeito familiar”, diz ela. “A escola é uma extensão das casas. O melhor a fazer era trazer os pais para dentro dela.” Assim, adotou-se o projeto Escola Aberta: nos fins de semana, qualquer pessoa da comunidade pode usar a escola para o lazer ou para cursos de caratê, judô, pintura, reciclagem de papel, atividades artísticas, construção de imãs de geladeira, futebol, música, informática, dança e grafite. Os vizinhos adoraram. Tanto é que o muro da escola, que não ficava de pé, nunca mais foi derrubado por vândalos. “As pessoas o derrubavam para entrar no terreno e fazer desmanche de carros ou usar drogas. Isso acabou”, diz Sirlei.


Também acabou a pichação. Um ano atrás, as paredes da escola eram pichadas do teto ao chão, tanto do lado de dentro quanto do lado de fora. Hoje, não há sinal de pichação. A escola tem muitos alunos grafiteiros e eles cobriram as paredes externas com sua arte. Um deles é Bruno Alexandre, de 12 anos. Filho de motorista de ônibus e de manicure, diz que adora a escola. Tanto que se inscreveu num programa inventado por Sirlei, chamado Agente da Paz. Já são 50 os alunos que aderiram ao grupo, que tem por missão promover a paz. “Estamos planejando atuar na creche”, relatam Ana Carolina, de 12 anos,e Anne Nathane, de 13. “Porque as porradas começam quando as crianças são pequenininhas. Queremos que elas aprendam a não agir assim”, dizem.

O CEF 24 tem 1.870 alunos. Muitos, da zona rural, caminham até dois quilômetros para chegar à estrada onde um ônibus os pega. Desde o Escola Aberta, fazem questão de ir até lá também nos finais de semana.


Fonte: blog Agentes da Paz e O Estado de São Paulo de 16/11/08

Motivos fúteis em homicídios

Mata-se e morre-se no Distrito Federal principalmente por razões banais e por causa do tráfico de drogas. Esses foram os motivos descobertos em 51,3% das 226 ocorrências de homicídios em que a polícia desvendou a intenção dos agressores ao tirar a vida de alguém. No total, no primeiro semestre deste ano, a capital do país registrou 309 casos, nos quais 318 pessoas morreram (em um único ataque, pode ter havido mais de uma vítima, e a polícia apura o fato como um todo). Trata-se de um aumento de 8,4% em comparação com o mesmo período de 2007. Mas dados preliminares da Polícia Civil já revelam crescimento de 12,24% nesse tipo de ocorrência nos 10 primeiros meses deste ano em relação ao intervalo de janeiro a outubro do ano passado.

Além do motivo fútil e do tráfico de drogas, apareceram como razões para acabar com a vida alheia vingança, acerto de contas, motivos passionais, álcool, guerra de gangues e erros. Os dados fazem parte do Relatório de Análise Criminal da Polícia Civil do DF sobre os homicídios. O documento detalha, além da motivação, as cidades e os endereços com a maior incidência de registros. Também os horários e dias da semana considerados críticos e o perfil das vítimas e dos agressores.


Veja abaixo a lista dos locais onde existe maior taxa de homicídios por quantidade de habitantes e homicídios em números absolutos:





Fonte: Correio Braziliense de 22/11/08

Ameaça em escola

Os professores do Centro de Ensino Fundamental 19 (CEF 19), na Guariroba, estão assustados com a violência que invadiu a escola na última quinta-feira (20/11/08). O tumulto começou na hora do intervalo do turno vespertino, quando um aluno transferido pulou o muro ao lado de dois amigos para fazer ameaças e intimidar quem estava no pátio. Cerca de 50 estudantes se revoltaram com os invasores e partiram para a briga.

Encurralados, os jovens se esconderam no banheiro dos professores, de onde fizeram ameaças e prometeram retornar. “Ficamos com medo porque eles disseram que é fácil entrar aqui e que voltarão para atirar em todo mundo”, conta uma professora, que preferiu não se identificar. O aluno que iniciou o tumulto havia sido expulso de outra escola, o Centro de Ensino Fundamental 13 (CEF 13), também em Ceilândia, por ameaças ao diretor. O episódio deste dia rendeu nova expulsão.


Fonte: Correio Braziliense

sábado, 22 de novembro de 2008

Enquete: Quais são os símbolos do Distrito Federal?

Não, o Distrito Federal não é apenas lembrado pelos monumentos espalhados pelo Plano Piloto. As cidades ao nosso redor também possuem vida, e muita. Há história, cultura e muita arte pulsando em todo o DF.

Desta vez iremos eleger os principais símbolos representantes de nossa região. Veja a lista a seguir e escolha mais de uma opção na enquete do blog 100% Ceilândia:



Balão do Periquito - Gama



O futebol corre na veia dos gamenses. Na entrada da cidade o monumento enfatiza ainda mais este amor.


Bezerrão - Gama



O novíssimo Bezerrão (estádio Valmir Campelo Bezerra) foi um dos palcos da goleada da seleção brasileira de futebol contra a de Portugal - 6 a 2. Os torcedores agora tem onde festejar as vitórias do time da cidade - o Gama.


Caixa d'Água - Ceilândia



O principal símbolo de Ceilândia - segundo enquete realizada pelo próprio blog 100% Ceilândia - é motivo de orgulho para todos os moradores da cidade. Recentemente o monumento passou por reforma e recebeu cores políticas.


Casa do Cantador do Brasil - Ceilândia



A Casa do Cantador realiza todo o ano o Encontro Nacional dos Cantadores Repentistas e traz pessoas de diversos cantos do país - principalmente nordestinos. Obra projetada por Oscar Niemeyer, é uma das poucas que foi feita pelo arquiteto e se encontra fora do Plano Piloto.


Congresso Nacional - Plano Piloto



O Congresso Nacional é um dos símbolos mais lembrados por todos brasileiros. É um dos principais palcos da política nacional.


Emas - Recanto das Emas



As emas do Recanto das Emas simbolizam muito bem a cidade. Até o formato da Região Administrativa faz lembrar uma ema. O principal símbolo da cidade é encontrado na entrada principal da localidade.


Feira do Guará - Guará



Uma das principais feiras do DF. Ali você encontra de quase tudo, principalmente produtos relacionados a vestuário e alimentação.


Feira dos Importados - SIA



Uma feira bem movimentada e cheia de novidades. Produtos eletro-eletrônicos, muita tecnologia é encontrada com facilidade por ali.


Lago Veredinha - Brazlândia



O famoso Espelho d'Água de Brazlândia. Recentemente a orla foi revitalizada e diversos eventos culturais são realizados na região.


Memorial JK - Plano Piloto



Juscelino Kubitschek foi homenageado por um museu que é um dos mais lembrados pelos brasileiros. Muitas relíquias e curiosidades do ex-presidente são encontradas no local.


Monumento - Candangolândia



A primeira "cidade-satélite", como as cidades do DF eram chamadas, foi a Candangolândia - Brazlândia e Planaltina são antigas mas foram anexadas do Estado do Goiás. Um monumento dos Candango pode ser visto na cidade.


Monumento - Riacho Fundo II



Uma cidade relativamente nova mas já com um monumento. A obra pode ser vista na entrada da localidade.


Museu Histórico - Planaltina



Muita história é encontrada no museu de uma das mais antigas cidades do Distrito Federal.


Museu Vivo da Memória Candanga - Núcleo Bandeirante



O Museu Vivo da Memória Candanga traz muitos documentos, livros e assuntos relevantes da história do Distrito Federal. Algumas exposições são realizadas na localidade.


Parque - Águas Claras



Paz, verde e muito lazer - isto é o que os moradores de Águas Claras encontram no parque de mesmo nome na cidade.


Parque Três Meninas - Samambaia



O Parque Ecológico Três Meninas é o ponto de encontro dos moradores de Samambaia. Muito ar fresco e verde circunda o parque que é referência na cidade.


Parque Vivencial - Paranoá



Outro lugar de descanso e lazer. O Parque Vivencial do Paranoá fica às margens do Lago Paranoá e traz muita história da cidade.


Pedra Fundamental do Distrito Federal - Planaltina



O marco da construção do Distrito Federal é encontrado na cidade de Planaltina.


Ponte JK - Lago Sul



Um monumento novo e belo. A ponte JK é um cartão postal do Distrito Federal.


Praça do Relógio - Taguatinga



O principal símbolo de Taguatinga tem um relógio de época que foi entregue de presente por uma empresa japonesa há muitos anos atrás - um presente para todo o DF.


Praça Central - Santa Maria



A principal praça de Santa Maria é ponto de encontro dos moradores da região.


Rodoviária - Plano Piloto



Ponto de encontro de moradores de todo o Distrito Federal; é um lugar de embarque e desembarque frenético na capital.


TaguaPark - Taguatinga



O TaguaPark está sendo implementado, mas pelo projeto original o local será presenteado com área de alimentação, local de apresentações culturais e muito verde. Na imagem acima, os motociclistas mandam ver.


Torre de Tv - Plano Piloto



Outro monumento do Plano Piloto. Dali é possível ver quase toda a cidade.


Torre de Tv Digital - Sobradinho



A novíssima Torre de Tv Digital de Sobradinho foi projetada por Oscar Niemeyer e não será apenas uma torre de tv, será um local de encontro e muitíssima descontração.





Vale salientar que o Distrito Federal possui 29 Regiões Administrativas e nem todas possuem um local que realmente simbolize a sua respectiva região. Algumas ainda não tem ícones, já outras estão em fase de eleição - como é o caso da cidade do Riacho Fundo.


Não deixe de participar!
Vote e eleja os principais símbolos do nosso DF!




Fonte de imagens: Fórum Skyscarpercity, fórum StrikeOut, Wikipedia, Correio Braziliense, Tribuna do Brasil, Simprese, Governo do Distrito Federal - GDF, blog Los Candangos, Traveler.com, Companhia Energética de Brasília - CEB, blog do Luis Filho, STDF, fórum DeitaMato, ClicaBrasília, Esaf e Picasa.

"Ceilândia" Shopping é desaprovado

A maioria dos internautas que participaram da última enquete realizada pelo blog 100% Ceilândia foram contrários ao uso do nome de "Ceilândia" em um empreendimento que será construído fora da cidade. Foram mais de 65% dos participantes que não aprovaram o erguimento de um provável shopping center no setor M Norte de Taguatinga, levando o nome de "'Ceilândia' Shopping".

Querendo ou não a cidade de Ceilândia ainda possui diversas grandes áreas vazias que poderiam atender a tal tipo de empreendimento. A Associação Comercial, Empresarial e Industrial de Ceilândia - a ACIC-DF - foi a favor da construção do shopping sendo feito da maneira supracitada acima. Os impostos que ali forem gerados serão destinados exclusivamente à Região Administrativa de Taguatinga.

Veremos agora se o local de compras irá ou não mudar de nome (ou até mesmo de lugar) - ainda há tempo. Ceilândia merece a construção de um empreendimento de respeito dentro da área de abrangência da cidade!


Veja como ficou o resultado final da enquete:

Quem será a Miss Ceilândia 2009?

Seis jovens e um sonho: ser eleita a mais bonita da Ceilândia. O que cada uma tem para conquistar os votos? “Tem que ser: cativante, extrovertida, tímida, otimista, corajosa, determinada”, diz cada uma das candidatas.

“já estou apaixonado por todas elas”, revela o administrador da Ceilândia Leonardo Moraes.

Além de moradoras da cidade, todas têm que ter entre 18 e 24 anos. Elas são solteiras e não têm filhos. Se vencerem, vão representar Ceilândia no Miss Distrito Federal em fevereiro. Quem já participou e ganhou uma disputa de beleza aconselha. “Tem que ter muita dedicação, determinação, força de vontade, porque ser miss não é só glamour”, diz a miss Distrito Federal 2008, Ludmila Bastos.

Na feira, uma avaliação rigorosa das candidatas. “Quem tiver uma mulher dessa está com tudo na vida, porque essas mulheres são do tamanho de uma porta”, fala o estudante Lincon Cruz. “São muito bonitas”, comenta um rapaz.

“Não vou me candidatar porque não tenho cacife, porque se eu tivesse eu ia”, conta a feirante Poliana Medeiros.

As inscrições para o Miss Ceilândia vão até o dia 28 deste mês na administração da cidade.



Observação: Segundo o site da Administração Regional de Ceilândia o período de inscrições vai até o dia 30 de novembro. Veja aqui.

Fonte: Rede Globo de 21/11/08

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Chegada do vencedor

De volta a Brasília após a conquista do bicampeonato da Maratona de Nova York, no início de novembro, Marilson dos Santos concedeu, ontem à tarde, uma entrevista coletiva para expor a medalha e explicar os motivos que o levaram a ter um péssimo resultado nas Olimpíadas de Pequim.

O atleta ceilandense garantiu que treinou bastante para os jogos da China, mas no dia da prova as coisas não saíram como o esperado. “Fiquei muito frustrado com meu desempenho, foi muito difícil superar. Mas a vitória nos EUA, na principal corrida de rua do mundo, renovou meu ânimo”, destacou o campeão.

O resultado no país do Tio Sam cravou de vez o nome de Marilson na história do atletismo, pois se tornou o único sul-americano a vencer duas edições da prova: 2006 e 2008. Questionado sobre qual das vitórias foi a mais difícil, o maratonista saiu pela tangente. “Não existe maratona fácil. Na primeira, consegui abrir uma boa vantagem logo no início da corrida. Nessa última, cheguei a estar 8km atrás do marroquino Abderrahim Goumri, mas consegui dar um sprint final e passá-lo a menos de 1km da linha de chegada”, lembrou o bi-campeão.

Com relação ao futuro, ele ainda não definiu o seu calendário para os próximos meses. Nem a São Silvestre, competição na qual também já faturou duas vezes (2003 e 2005), está garantida na sua agenda de competições. “Segundo os médicos, é necessário dois meses de recuperação entre duas maratonas, por isso, só irei voltar a competir se estiver em condições físicas ideais”, destacou.

Aos 32 anos, entre os principais corredores do mundo e com uma vida financeira estável, o ex-morador de Ceilândia diz ser um privilegiado no esporte. “Consegui ganhar algumas provas importantes e assegurar um bom dinheiro, nada comparado ao um jogador de futebol, mas vivo bem. Além disso, sou um dos poucos não africanos que consegue figurar no pelotão de frente nas principais corridas”, comemora Marilson, que recebeu R$100 mil de um dos seus patrocinadores pelo triunfo em Nova York. No entanto, o atleta ainda quer realizar um dos seus últimos sonhos como profissional: participar dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. “Até lá estarei com 35, idade propícia nesse esporte”, finalizou Marilson.


Fonte: Tribuna do Brasil e JB Online

Sonho mais que justo

Diante da festa no estádio Bezerrão (Gama-DF), Brasil 6 x 2 Portugal, quarta-feira(19), está na hora de Ceilândia almejar um estádio de porte para, quem sabe, sediar jogos em 2014.
Governador Arruda! Ainda temos tempo...

João Filho

Atualmente Ceilândia é servida pelo estádio Abadião.

Fonte: ACIC-DF

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Imagem: Fórum de Ceilândia

Problemas relacionados à justiça são resolvidos aqui: no Fórum de Ceilândia.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Terceiro lugar

A equipe representante de Ceilândia ficou em 3ª lugar na 2ª Copa Brasília de Futsal realizada no Distrito Federal. No jogo de ontem (18/11/08), Ceilândia venceu Águas Claras por 5 a 4 com partida realizada no ginásio do SESC-Ceilândia.

Nossos parabéns!

Fonte: Rede Globo de 19/11/08

Perigo em cruzamento

Um cruzamento entre a QNO 16 e 17 da Expansão do Setor "O" preocupa a população local. A via não possui sinalização, motivo certo para os constantes acidentes.

Segundo relatos das pessoas que trabalham próximo ao cruzamento, os acidentes são quase diários. Não há quebra-molas e, muito menos, placas que indicam preferência.

A população relata que o problema existe há mais de vinte anos, mesmo assim ninguém se acostuma com as constantes batidas. Vários abaixo-assinados já foram feitos aos órgãos competentes, mas até hoje nenhuma providência foi tomada. Eles querem a colocação de quebra-molas antes do cruzamento dos quatros vias.

Segundo o mecânico Severino Liro Araújo, nada escapa das colisões. Bicicletas, pedestres, carros e motocicletas; todos correm riscos de colisão. "É uma via muito perigosa. Há muito perigo neste local", reclamou.

Já o proprietário de uma outra oficina, Jorge Ferreira, disse já está especializado em fazer os primeiros socorros nas pessoas acidentadas. Mesmo com isso, ele conta que não dá para saber se as vítimas são fatais. "Não sabemos se as pessoas morrem. Fazemos os primeiros atendimentos e o SAMU leva as vítimas em estado grave para o hospital. A única coisa que sabemos é que o cruzamento é muito perigoso", relatou. Segundo ele, os acidentes são tão constantes que as pessoas já chamam o local de "cruzamento da morte".

A via é tão perigosa que, em quanto a equipe de reportagem da Tribuna estava no local, duas paradas bruscas quase resultam em acidentes. "É sempre assim, quando ouvimos o barulho de freadas já vamos ver se aconteceu alguma coisa", relatou Jorge.

Mas são nos finais de semana que o problema se intensifica. O cruzamento fica perto da feira da Expansão do Setor "O" e muitas pessoas costumam voltar da feira embriagadas. Nesses casos os acidentes são inevitáveis.

As histórias de quem trabalha em volta do cruzamento também são as mais variadas possíveis. O caso do lanterneiro Raimundo de Araújo por pouco não terminou em tragédia. Ele quase foi atingido por uma motocicleta que se chocou contra um carro no local. Raimundo disse que estava trabalhando quando ouviu a batida. O impacto foi tão forte que o capacete do motociclista atingiu o ombro dele. "Por pouco não fui atingido pela moto, mas ela parou bem perto de mim", relatou. "Só ainda não bateu avião neste local, mas o resto, tudo já se colidiu", brincou.

O administrador da cidade, Leonardo Moraes, disse que não sabia da existência do problema. Mas mesmo assim, ele prometeu uma inspeção até o local para averiguar os fatos e depois encaminhar um relatório para o Detran. Segundo ele, apenas o órgão é responsável pela sinalização das vias.


Fonte: Tribuna do Brasil de 18/11/08