segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Imagem: Mirante

O trabalho é de Yana Tamayo e pode foi apresentada em exposição recente na Casa de Cultura da América Latina. A artista busca, em cidades do Distrito Federal, inspiração para fazer suas obras.




Fonte: blog dando nome aos bois

Socorro!!!

Um dos espaços mais representativos da cultura nordestina em Brasília está pedindo socorro não é de hoje. Idealizada em 1986 pelo poeta e escritor cearense Gonçalo Gonçalves Bezerra, que foi buscar na sede piauiense inspiração para o projeto brasiliense, a Casa do Cantador, ponto de encontro de xilogravuristas, cantadores, repentistas, cordelistas, emboladores e violeiros de todo o país, está literalmente caindo aos pedaços. A reportagem do Correio, dando sequência à série de reportagens sobre o estado dos aparelhos culturais da cidade, foi ao local e constatou que a situação é precária.

Projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer, o Palácio da Poesia, como o lugar é conhecido, expõe problemas que vão desde infiltrações, portas totalmente destruídas e janelas enferrujadas, até partes hidráulica e de energia sucateadas. Nos banheiros o mau cheiro impera, principalmente por causa das infiltrações. Os nove dormitórios da casa precisam com urgência de mobílias novas, como cama, guarda-roupas e criados. Na parte externa os problemas continuam. Palco das apresentações dos artistas, o auditório Jorge Pelles, localizado a poucos metros da sede principal, apresenta bancos quebrados, sistema de iluminação precário, e pior, sem acesso adequado à portadores de deficiência física. O alambrado que cerca o espaço está deteriorado. A iluminação na parte externa é quase inexistente.

Segundo a coordenadora do espaço, Rosa Alves, um relatório com todos os problemas detectados foi apresentado a menos de dois meses ao secretário de Cultura, Silvestre Gorgulho. Ela comenta ainda que um projeto de reforma orçado em R$ 707 mil está em processo de licitação, mas até agora nenhuma posição foi apresentada pelo governo.

“Já peguei a casa em péssimo estado”, lamenta a coordenadora, há dois anos gerenciando o local. “Desde a inauguração, o lugar nunca passou por algum tipo de reforma e, naturalmente, foi se deteriorando com o tempo. Agora é preciso arrumar e reativar o espaço para os artistas e o público”, reivindica.

Oficialmente, a Casa do Cantador ainda continua ligada à Administração Regional de Ceilândia, mas a Secretaria de Cultura já se posicionou com relação à reforma da área. A subsecretária de Políticas Culturais do GDF, Ione Carvalho, reconhece o estado precário do lugar, mas explica que os trâmites para a reforma não dependem apenas da secretaria. “O que cabia a nós foi feito, que é o levantamento arquitetônico para conservação e restauro desse edifício. Já temos o orçamento da reforma e agora só aguardamos a parte mais importante, que é o financeiro, ou seja, a liberação da verba. Quem vai decidir que tem dinheiro ou não é a Secretaria de Planejamento”, detalha. “Todos os espaços culturais da cidade estão em estado similar, queremos arrumar, temos consciência dessa necessidade e estamos esperando o sinal verde para seguirmos adiante”, continua.



Fonte: Correio Braziliense

Lixo, entulho

Para onde vão as 5 mil toneladas de entulho produzidas, todo dia, no Distrito Federal? A pergunta é fácil de responder: 60% das sobras de blocos de concreto, pedaços de madeira, restos de azulejos, barras de ferro e lâminas de alumínio, entre outros materiais, são despejados em terrenos vazios e áreas de cerrado de todas as regiões administrativas. O restante é levado ao Lixão da Estrutural, único lugar autorizado pelo Serviço de Limpeza Pública (SLU) para a deposição desse tipo de resíduo sólido. O descarte dos entulhos em área não autorizada (1)virou prática comum. Em alguns pontos, o depósito irregular é feito às claras, sem nenhum constrangimento. Mas o mau hábito de jogar na rua o que não se quer mais é crime ambiental, que pode resultar em multa de até R$ 50 mil para o responsável.

Fiscais da Agência de Fiscalização do DF (Agefis) chamam as áreas usadas para descarte de entulho e lixo de “pontos críticos”. Um levantamento do SLU, concluído no primeiro semestre deste ano, revelou que existem 537 locais de depósito ilegal em todo o quadrilátero. Os pontos críticos são áreas carentes de salubridade e conservação ambiental, que, infelizmente, existem porque as pessoas têm a cultura de jogar lá os entulhos. “A população e as empresas responsáveis pela coleta jogam os materiais sem se preocupar se serão vistas. O fato é que não temos equipe para fiscalizar o dia inteiro uma única área. Há vezes em que o local é limpo de manhã e à noite já está sujo novamente”, afirmou o chefe do Núcleo de Fiscalização e Limpeza Pública de Ceilândia, Rildo Alves Wagner. Ele lembra que a multa para quem for autuado em flagrante varia de R$ 152 a R$ 50 mil.

A reportagem passou a última quinta-feira circulando pelas ruas de Ceilândia. Em terrenos vazios próximos a casas, comércio e até em frente ao Posto de Saúde nº 3, entre a QNM 23 e QNM 7, foi possível encontrar entulho e gente que ali procurava alguma sobra para levar. Num terreno ao lado do Sesc de Ceilândia Norte, um carroceiro foi flagrado jogando restos de podas, areia e estruturas de ferro. “Pensei que podia colocar porque aqui já tem muita coisa no chão”, contou Luiz Gomes Pereira, 59 anos, que recebeu R$ 5 para transportar o resíduo de uma casa do PSul para o local onde os fiscais o viram. O carroceiro é cadastrado no SLU e não foi autuado pelo despejo. Ele recolocou o entulho na carroça emplacada e o levou para uma área permitida pela Administração da Ceilândia.

No terreno vazio da QNN 11, a placa informando que é proibido jogar lixo ou entulho está lá, para quem quiser ver. Mas a impressão que dá, ao se chegar no local, é que o aviso não é suficiente para impedir que as pessoas façam isso. Uma sequência de morrinhos, feitos com restos de material de construção, lixo doméstico e até peças de aparelhos eletrônicos, foi construída sem impedimentos, como se ali fosse o destino apropriado para esses resíduos sólidos. Já na pista principal do condomínio Sol Nascente, no PNorte, há verdadeiros morros de entulho. A área acidentada está sendo aterrada com o depósito do material. Um dos responsáveis pelo crime ambiental é o pastor conhecido como Trajano. Segundo a esposa, Ana Franco, 55, ele pediu que as pessoas deixassem o entulho lá para “passar a máquina” no terreno e abrir uma vala para escoar as águas da chuva.




De acordo com o superintendente de licenciamento e fiscalização do Ibram, Eduardo Henrique Freire, foram autorizadas áreas para descartar, temporariamente, as sobras em Brasília, Brazlândia, Ceilândia, Samambaia, São Sebastião, Taguatinga, Planaltina e Recanto das Emas. Os terrenos indicados nas regiões do Gama e de Santa Maria não foram autorizados porque continham restrições ambientais, como a proximidade de leitos d’água. As indicações levaram em conta o resultado de uma consultoria contratada pelo Departamento de Estradas e Rodagem (DER) e a manifestação dos chefes dos distritos de limpeza no DF. “Enquanto não forem estabelecidos os locais definitivos, essas localidades servirão como área de descarte provisório, e futuramente, até poderão coincidir com os terrenos das áreas de transbordo”, explica.

Ele diz que as áreas provisórias estarão franqueadas às empresas que recolhem o entulho da construção civil e, para tanto, elas terão que atender a algumas condições impostas pelo Ibram. Nos terrenos que estiverem próximos às rodovias federais, por exemplo, os empresários precisam ter a anuência do DER para fazer o descarte dos materiais. E, nas áreas em que houve exploração de recursos, como areais e cascalheiras, os autores deverão fazer um plano de recuperação ambiental. Freire ressalta, no entanto, que o depósito só poderá ser feito quando o SLU entrar em contato com as empresas coletoras de entulho.



Ecopontos em Ceilândia:

Atrás do Condomínio Privê
Próximo a Usina de Tratamento de lixo, no Psul


Fonte: Correio Braziliense

domingo, 30 de agosto de 2009

Festa no Pôr do Sol

Resistência e fé parecem mover os moradores do Condomínio Pôr-do-Sol, em Ceilândia, próximo ao Setor P Sul. Nove anos após o surgimento dos primeiros 300 barracos de lona, hoje o lugar exibe a alvenaria de 2.192 casas, boa parte delas bem construída e de cômodos espaçosos. Para comemorar essa história, parte desses moradores participaram ontem da comemoração dos nove anos do condomínio. A festa foi promovida pela Administração Regional e teve o apoio do Serviço Social do Comércio (Sesc). Brincadeiras para crianças, shows, oferta de serviços médicos e cursos, além da distribuição de lanches, atraíram uma pequena multidão próximo ao recém-inaugurado posto policial, primeira conquista de um povo que começa a flertar com a cidadania e um lugar melhor ao sol.

Na definição de Francisca Ambrósio Nascimento, dona Chica, prefeita do condomínio, a comemoração de ontem celebrou a realização de um sonho. “Eu não acreditava que as pessoas conseguiriam se fixar aqui, porque era só construir os barracos e vinham as derrubadas. Foram inúmeras derrubadas”, relata. Ela sabe do que está falando. Desde 2001, ela vem sendo reconduzida ao cargo de prefeita em razão do trabalho que faz pelo lugar. “Hoje temos mais casas boas do que ruins aqui”, define dona Chica, que é festejada por políticos e a maioria dos 10 mil moradores do condomínio.

A artesã Nerimar Oliveira, 40 anos, tem muitas boas histórias para contar do Pôr-do-Sol, embora more no local há apenas dois anos. Mãe de três garotas e grávida de sete meses — bebê cujo sexo ainda desconhece —, Nerimar mudou-se para a casa de três quartos da irmã, cunhado e dois sobrinhos para começar uma nova vida depois de se separar do marido. “Ainda moro com minha irmã, mas pretendo ter a minha própria casa aqui”, diz. Por que no Pôr-do-Sol? “Porque aqui as pessoas são como uma família. Aqui todo mundo se ajuda”, explica. Nerimar vende no próprio condomínio o artesanato que produz em toalhas de cozinha e jogos americanos. “Nem preciso sair daqui”, conta.

Pessoas como a Nerimar chegam ao Pôr-do-Sol a todo momento. Adriana Gomes, 31 anos, chegou há seis meses. Ela mudou-se com os dois filhos pequenos e marido desempregado. Ontem, apareceu nas comemorações do aniversário do condomínio para os filhos comerem cachorro-quente e brincar um pouco. “Eles — Leandro de 5 anos e Lucas, de 2 — não saem para se divertir”, disse Adriana. O passeio também poupou o almoço de sábado. “Agora, é só a janta”, disse, satisfeita por economizar uma refeição. As dificuldades enfrentadas por Adriana e família, segundo o administrador regional Leonardo Moraes, ainda são o retrato da dura realidade do Pôr-do-Sol.

Segundo ele, a maioria da população do condomínio, cerca de 10 mil pessoas, é formada por pessoas necessitadas dos mais básicos serviços sociais. No lugar não há asfalto nem esgoto(1), e a rede escolar ainda é bastante incipiente — a única Escola Classe, com capacidade para 2,4 mil crianças — acabou de ser instalada, mas não atenderá todas as necessidades do local. Ontem, só até o meio-dia, havia registro de mais de mil atendimentos nos quiosques do Sesc, informou Moraes. Gente que foi atrás de atendimento odontológico, mediu a pressão, requereu a carteira de identidade ou se matriculou no curso de manicure. “Vim fazer inscrição para tratar dos meus dentes. Acho que vão me chamar”, contou, esperançosa, Maria Joelma Ferreira Lima, 27 anos, que participou das comemorações acompanhada de quatro de seus cinco filhos.

“Isso aqui é um momento único. Estamos tentando tirar as pessoas da imersão na carência para integrá-las à cidade”, definiu o administrador. As carências, aliás, afetam a todos no Pôr-do-Sol. Os amigos Joel Gomes dos Santos, 14 anos, e Luis Wendel, 15 anos, aguardavam a vez na mesa de totó para mais um desafio. A bronca dos dois, contudo, é com a falta de uma quadra de futebol para as peladas do fim de semana. “Não tem uma quadra aqui. A gente tem que jogar na terra”, reclamou Joel. Luis lembrou que a nova escola classe tem quadra, mas o lugar só pode ser usado por quem estuda lá. Gabriel Silva, de apenas 10 anos, é mais crítico. “Eles (representantes do Governo do Distrito Federal) vieram aqui e prometeram a quadra, mas até agora nada”, cobrou.



Fonte: Correio Braziliense

Ceilandense vence outro amistoso

Na manhã deste sábado, a Ceilandense venceu o time do Bandeirante por 2x1 (Edmar e Paulo René marcaram para a Ceilandense e Rafael para os visitantes), em jogo amistoso. O duelo serviu como avaliação para os respectivos campeonatos que as duas equipes tem pela frente. Enquanto o Bandeirante se prepara para a disputa da terceira divisão do candango, que começa em outubro, o time de Ceilândia segue em preparativo para encarar o Botafogo/DF na próxima rodada da segunda divisão local.

Com o time bastante modificado em relação à estreia diante do Santa Maria (derrota por 3x0) os comandados do técnico Gerson Vieira entraram em campo com algumas novidades. Entre elas as presenças dos jogadores que fizeram parte da campanha do Brasília na Série D do Brasileiro como as de Iron, Edicarlos, Thiago Eciene e Edmar.

Gérson Vieira avaliou o desempenho da equipe no amistoso: “No primeiro tempo tivemos uma melhor posse de bola. A equipe se mostrou cadenciada em campo com a chegada de jogadores mais experientes e temos a garotada para a correria no momento que nós precisarmos”.

O técnico da Ceilandense ressalta que a equipe precisa dessa experiência em campo: “Precisamos dessa experiência e malandragem durante a competição, mesmo porque as outras equipes se aproveitam dessa experiência”.

Nesta rodada os ceilandenses folgaram e agora atuam somente no próximo fim de semana (05/09) quando recebem no Estádio Abadião, o líder Botafogo/DF, do artilheiro Túlio.



Fonte: Esporte Candango

sábado, 29 de agosto de 2009

Imagem: Quebradeira

Isto é o que pode ser visto na Casa do Cantador do Brasil, na Guariroba. Teto caindo, fiações a mostra, infiltrações, problemas na cozinha e nos banheiros.




Para ver mais fotos, clique no link da fonte.


Fonte: fotógrafo Carlos Moura do Correio Braziliense

Trote inteligente

Depois de passar pela batalha do vestibular, os calouros da Universidade de Brasília (UnB) sentem outro tipo de frio na barriga. A apreensão ocorre por conta do trote aplicado pelos veteranos. De três anos para cá, no entanto, a ansiedade desaparece por uma boa causa. Os alunos mais antigos da instituição mudaram a forma de dar boas vindas aos novatos. Em vez de prendas violentas, como tomar água de esgoto ou raspar a cabeça, os estreantes no mundo universitário agora aprendem a dar aulas de cidadania a quem desconhece o significado da palavra.

Cerca de 100 estudantes da UnB escolheram uma escola pública de Ceilândia para oferecer a 920 alunos do ensino fundamental um dia diferente, repleto de brincadeiras, aulas de pintura, danças e gincanas. O grupo também doou ao colégio do Setor Guariroba 2 mil livros didáticos para compor o pequeno acervo da biblioteca.

Os calouros desembarcaram ontem no Centro de Atenção Integral à Criança (Caic) por volta das 11h. Além das doações, levaram muita alegria para a garotada. O ginásio de esportes foi escolhido para a realização das atividades. Houve até aulas de ciências. João Vitor Alves da Costa, 10 anos, se encantou com as cobras conservadas em recipientes de vidro. “São muito assustadoras”, observou o aluno da 4º série.

Os universitários também montaram um bazar com roupas doadas em campanhas realizadas na universidade. O dinheiro arrecadado com as vendas será revertido em peças publicitárias para divulgar o resultado da ação. A ideia é fazer com que a iniciativa ganhe mais adesões. A aluna do primeiro semestre de pedagogia Laís Cardoso Amaral gostou da mudança no perfil dos trotes. “É muito melhor do que aqueles outros violentos”, avaliou.



A diretora do Caic, Núbia Silva Miranda, também gostou do Trote Solidário. “A escola está boa em comparação com outras da rede de ensino público do DF. Mas precisávamos de livros em nosso acervo”, comemorou. Além de atividades esportivas, os estudantes de 1ª a 5ª séries conheceram algumas espécies de plantas nativas do cerrado. Um grupo de alunos veteranos de engenharia florestal ensinou nomes que, até então, eram desconhecidos do vocabulário dos alunos, como cagaita, ingá, jenipapo, ipê.

Os estudantes também plantaram algumas mudas típicas do cerrado no terreno dos fundos da escola. Leonardo Cardoso, 8, Lucas Mateus da Silva Costa, 12, e Luan Júnior da Silva Reis, 13, ficaram encantados com a experiência. “Espero que ela (a muda de jatobá) cresça e vire uma árvore enorme para nos dar sombra”, afirmou Leonardo, aluno da 2ª série.



Fonte: Correio Braziliense

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Agora, legais

Nesta sexta-feira (28), 280 ocupantes de boxes da Feira Permanente de Ceilândia ganharam termo de permissão. Aguardado há quase 40 anos, o papel assegura o direito de continuar trabalhando nas bancas sem o risco de perder seus negócios por falta de documentação. Além dos feirantes, sete quiosqueiros foram contemplados.

Na próxima semana, a Coordenação de Serviços Públicos deve terminar a entrega dos termos de permissão de uso na Feira da Ceilândia, pois alguns permissionários ainda não forneceram toda a documentação exigida.

Comerciante do ramo de tecidos e confecções desde 1971, Ivone Rebouças Saliba, acredita que o recebimento do termo foi uma vitória. "Agora, posso trabalhar tranquila e ter a segurança de que meus filhos podem continuar tocando os negócios sem qualquer preocupação”, revelou a ocupante da banca 286.

Até o momento foram regularizadas bancas e quiosques em São Sebastião, Candangolândia, Sobradinho, Guará, Planaltina, QNL, em Taguatinga, e no Shopping Popular da Ceilândia. A ideia é legalizar todas as feiras e quiosques do DF até o final de 2010.



Fonte: ClicaBrasília

Posto e campanhas eleitorais

O GDF entregou hoje o Posto Comunitário de Segurança número 100, na QNR 04, em Ceilândia. Uma reivindicação antiga dos moradores da região, que esperam a redução da violência.

Mas junto com essa boa notícia vem uma ruim. O governo avisou que vai suspender a construção de novos postos de segurança. Apenas mais dois, que já estão em obras, serão entregues por agora.



É comum ver faixas que destacam a participação de políticos na construção de postos policiais ou de qualquer inauguração de obra pública. O Ministério Público tem classificado algumas dessas faixas, ou cartazes e adesivos, como propaganda antecipada. Muitos casos foram parar no Tribunal Regional Eleitoral. Mas, pelo visto, isso não tem intimidado os políticos.



Fonte: Rede Globo

Crime ambiental?

O caseiro da fazenda que fica na BR-060, foi quem encontrou. Ele conta que levou um susto. ”Eu estava roçando. Desci junto do rio e enxerguei aquelas coisas brancas no meio do rio. Não sei o que é que aconteceu com eles”, conta o caseiro Ananias Pereira.

Muitos peixes foram levados pela correnteza, mas dezenas ficaram presos nas pedras. Ninguém sabe ainda a causa das mortes.

Os moradores contam que antes da mortandade de peixes, a água do rio ficou mais escura e com um forte odor. “Aconteceram as primeiras chuvas, deu uma pequena enchente e veio essa água com um cheiro ruim e escura. Meu caseiro foi ao rio e chegou com a notícia que tinha uma grande quantidade de peixe morto”, conta o fazendeiro Narciso Ferreira.

De acordo com os moradores, pelo menos três espécies foram encontradas mortas. O rio corta quase todo o Distrito Federal e é muito usado para pescaria.

“Os caseiros vivem da pesca. A maioria deles pesca para alimentar a família. E agora, com o que aconteceu nesse fim de semana, jamais alguém vai poder comer desses peixes. Vamos ficar sempre preocupados”, destaca a fazendeira Silvete Costa.

Ibama e Instituto Brasília Ambiental disseram que vão vistoriar o rio para saber o que aconteceu.



Fonte: Rede Globo e Rede Record

Ajuda para pessoas com necessidades especiais

A terceira reunião do Fórum para Inserção da Pessoa com Deficiência e/ou Reabilitada no Mercado de Trabalho do Distrito Federal, a realizar-se no dia 31 de agosto de 2009, as 15h, na APAED, localizada na QNM 29 Módulo ”D” S/N, em Ceilândia Sul. A associação funciona na mesma via do Hospital Regional de Ceilândia.


O encontro tem a seguinte pauta:

1) Eleição da Secretária da Coordenação do Fórum;

2) Funcionamento da Comissão de Comunicação Social e da Comissão de Análise do Benefício de Prestação Continuada;

3) Assuntos gerais.



Fonte: blog Transplante Ósseo na Real

Fogo em depósito da Terracap

Um incêndio atingiu um galpão de pneus no Setor de Indústrias de Ceilândia, na noite de ontem. Localizado na QI 7, o depósito fica no mesmo terreno de um prédio da Terracap. Em pouco tempo, uma cortina de fumaça cobriu a área. Segundo o Corpo de Bombeiros, nove viaturas foram deslocadas para a região para conter o fogo, que se alastrou por volta das 20h. Ninguém ficou ferido. Os bombeiros não demoraram para controlar as chamas. Até o fechamento desta edição, segundo o capitão Bruno Tempesta, não havia como dimensionar os estragos provocados pelo incêndio, cujas causas ainda são desconhecidas. A Polícia Militar ajudou a conter os curiosos, para afastar a possibilidade de alguém se ferir. A auxiliar de limpeza Gênia Jane de Sousa, 37, que mora na quadra, disse que as chamas chegaram a quase 10m de altura.


Fonte: CorreioBraziliense e ClicaBrasília

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Ceilândia Esporte Clube fez 30 anos

O Ceilândia Esporte Clube surgiu a partir do Dom Bosco Esporte Clube. O Dom Bosco Esporte Clube foi fundado em 1963 por Francisco da Silva, o “Seu Chicão”, atual mordomo do Ceilândia, e sua esposa, ainda na antiga Vila do IAPI, onde hoje estão as quadras 3 e 5 do Setor de Mansões do Park Way, área nobre do Distrito Federal.

O Dom Bosco rapidamente firmou-se como um dos maiores times da Cidade, disputando a hegemonia com o Juventude Atlético Clube, Grêmio, Brasília e Juventus.O futebol do Distrito Federal começou a se profissionalizar novamente a partir da criação do CEUB. Nos anos que se seguiram, o Campineira foi a base do Sobradinho, o Pioneira deu origem ao Taguatinga, mas Ceilândia continuava de fora.

Em 1977 surgiram as primeiras tentativas no sentido de profissionalizar o Dom Bosco. Finalmente, em 27 de março de 1978, o Dom Bosco foi registrado. Até então o time existia apenas de fato.

Por sugestão de Maria de Lourdes Abadia, recém nomeada Administradora na época, sugeriu-se que o nome do time mudasse, guardando as cores preto e branco do Dom Bosco, mas trocando o escudo com uma águia estilizada por uma imagem estilizada da Caixa d´Água da cidade, símbolo de Ceilândia.

Foi assim que, em 23 de agosto de 1979, o estatuto do time foi alterado mudando o nome de Dom Bosco Esporte Clube para Ceilândia Esporte Clube.A primeira partida profissional do Ceilândia Esporte Clube foi disputada ainda em 1979, diante do então time mais importante do Distrito Federal: o Brasília.

Numa quente tarde de sábado o Ceilândia fez uma boa partida, mas perdeu por 2 x 1. Risadinha fez o primeiro gol do Ceilândia.



Tem uma conversa em OFF de que o craque da seleção brasileira de futebol, o atacante Kaká, esteja com interesse de patrocinar o time do Ceilândia Esporte Clube. Mas não há nada oficial sobre o assunto.


Fonte: Ceilândia Esporte Clube

Nova enquete: De qual lugar você é?

O blog 100% Ceilândia quer saber de qual lugar o internauta nasceu. É sabido que a maioria dos moradores de Ceilândia tem registro da nascimento do Distrito Federal mesmo, mas também são mostradas outras opções:


Distrito Federal
Centro-Oeste
Nordeste
Norte
Sudeste
Sul


Não deixe de participar!!!

Amistoso e reforços na Ceilandense

Precisando se reabilitar no Campeonato Brasiliense da Segunda Divisão, a equipe da Ceilandense terá um longo período para se preparar para encarar o então líder da competição Botafogo/DF, do artilheiro Túlio Maravilha.

Neste fim de semana, os ceilandenses folgam e atuam somente na quarta rodada (5/09) contra os alvinegros, no Estádio Abadião. Nas duas primeiras partidas da competição, o time foi derrotado pelo Santa Maria por 3x0 e empatou com o Unaí em 0x0, ambos os confrontos aconteceram fora de casa.

Antes do duelo contra o Botafogo/DF, o time irá realizar um amistoso contra o Bandeirante, neste sábado pela manhã, no Abadião. O técnico Gerson Vieira avalia a folga na rodada e o amistoso antes de uma partida importante pelo Candangão: “É um amistoso de preparação justamente para entrosar os atletas. Nós vamos analisar a melhor formação em campo durante o amistoso visando a sequência do campeonato”.

Gérson Vieira acredita que a equipe já começou a se encaixar melhor e deverá ter outra cara para a próxima rodada: ”Melhoramos muito no último jogo contra o Unaí/MG e apesar do time ser bastante novo está se comportando bem. Estão chegando alguns atletas mais experientes para conseguirmos os resultados positivos e ficarmos entre os quatro para a próxima fase. Este período servirá para acertamos o posicionamento em campo e de bolas paradas”.

O presidente da equipe, Marcelo Cruz, ressalta que o campeonato, apesar do tiro curto, ainda terá emoções e que este início será de afirmação para o grupo: “Apesar dos resultados dos primeiros jogos temos primeiro que brigar para não cair, antes de almejar uma classificação”.

Marcelo Cruz confirmou, nesta quarta-feira, as contratações de mais três reforços: Edicarlos, Thiago Eciene e Edmar, todos vindo do Brasília, eliminado recentemente da Série D do Brasileiro pelo Uberaba/MG.


Os jogadores da Ceilandense voltam a treinar com bola nesta sexta-feira à tarde, também no Abadião. O amistoso contra o Clube Atlético Bandeirante-DF está marcado para às 9h da manhã do sábado (29/08/09), com portões abertos.



Fonte: Esporte Candango e Futebol Interior

Vencedores da Olimpíada de Astronomia

São da rede pública 9 dos 50 vencedores do Concurso de Desenhos do Ano Internacional de Astronomia realizado pela Sociedade Astronômica Brasileira, em parceria com a Agência Espacial Brasileira e com Furnas Centrais Elétricas S/A

Eles terão os trabalhos divulgados durante a realização da IX Escola de Astronomia da XII Olímpiada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e publicados no site do evento – www.oba.org.br.

Os 9 alunos estudam em diversas escolas de Ceilândia. Entre os temas desenvolvidos para a confecção dos desenhos estão os 400 anos do uso da luneta astronômica por Galileu Galilei, os 100 anos da produção industrial do avião inventado por Alberto Santos Dumont e os 40 anos do primeiro pouso lunar.

A IX Escola de Astronomia da OBA será realizada de 7 a 12 de setembro, no município de Mendes, no Rio de Janeiro.



Os nomes e as escolas dos campeões estão no link da fonte.


Fonte: Ceilândia.com

Internautas se interessam por vídeos sobre a violência

Os internautas do blog 100% Ceilândia participaram da última enquete e decidiram que é interessante o programa Cine Clube Ambientes Saudáveis passar filmes que relatem o tema da violência. A realidade de Ceilândia e o preconceito social ficaram logo em seguida.

Veja o resultado final da enquete logo abaixo:

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Limpa no P Sul

A Polícia Civil desencadeou, na manhã de hoje, duas ações simultâneas: a Operação Morcego e a Caldeira. Elas são relacionadas ao combate à guerra entre duas gangues no Setor P Sul de Ceilândia. Doze pessoas foram presas e, com elas, os agentes apreenderam nove armas de fogo, dentre elas uma 9 mm, que é de uso restrito da polícia, munições, 5 kg de maconha, uma balança de precisão, documentos roubados e furtados e cerca de R$ 3 mil em espécie. Os crimes cometidos pelos grupos são homicídios, tentativa de homicídios, roubos e tráfico de drogas.

De acordo com informações da polícia, foram expedidos pela Justiça 28 prisões e mandados de busca e apreensão. No decorrer desse mês, dez pessoas já haviam sido presas e um menor apreendido. Hoje, mais 12 pessoas foram pegas pela polícia.

Um dos grupos era conhecido na região como Comando Bala Voa (CBV), o que, de acordo com a polícia, dá a conotação da atuação da quadrilha armada referindo-se aos tiros contra os inimigos que também são do Setor P Sul. O outro grupo não tinha um nome específico, mas seria rival ao CBV.
Segundo o diretor da Polícia Civil, Cleber Monteiro, as investigações do setor de inteligência da PC começaram desde dezembro do ano passado devido ao elevado número de homicídios.

O diretor conta que durante esse ano, cerca de 18 pessoas foram assassinadas pelo mesmo motivo: guerra das gangues. “Acreditamos que essa guerra irá acabar e com isso o número de homicídios em Ceilândia irá diminuir. Eles são perigosos e têm envolvimento com vários crimes. A população poderá ter mais segurança”, diz Cleber. O diretor conta que 60% dos homicídios do Setor P Sul foram praticados por integrantes do grupo CBV e 20% pela outra quadrilha.

As quadras QNP 26 e QNP 16 eram os principais lugares onde ocorriam os encontros dos grupos. O delegado-chefe da 23ª DP (P Sul), Marcelo de Paula Araújo, disse que quem comandava a 26 era a CBV e a 16 era comandada pela outra quadrilha. Os componentes irão responder por homicídio, tentativa de homicídio, tráfico de drogas, formação de quadrilha, roubo e porte ilegal de arma de fogo. Outros são procurados.



Assista ao vídeo: CorreioWeb / Tv Brasília

No link do Correio Braziliense tem a lista dos detidos.


Fonte: Jornal Coletivo, Correio Braziliense, Rede Globo, ClicaBrasília, Rede Record, Jornal Local e Band Cidade

Aumento no preço da energia elétrica

Acostumado a ter redução em vez de aumento nas contas de luz desde 2006, o brasiliense pode preparar o bolso. A tarifa de energia elétrica da CEB terá reajuste (1)de 9,52%. Contabilizados os impostos, o impacto sobe para 11,53%, em média. Esse foi o índice autorizado ontem pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para a concessionária, que entra em vigor a partir de hoje. O último reajuste positivo que a CEB aplicou nas tarifas foi em 2005, quando a Aneel fixou o percentual de 1,23%. Nos anos seguintes, os indicadores foram negativos (veja quadro). Apesar da discrepância entre o índice de reajuste da CEB em 2009 frente os anos anteriores, o percentual fixado pela Aneel para a concessionária brasiliense, contudo, é um dos menores do país. Só fica atrás dos 11,33% autorizados para a Cemat (MT) e dos 8,44% para a Coelba (BA). A CPFL Paulista (SP) teve o maior reajuste: 21,22%.


Fonte: Correio Braziliense

Disque-idoso

Idosos do Distrito Federal ganharam um aliado no combate aos agressores: o Disque-Idoso. Desde ontem, as vítimas poderão usar o serviço telefônico gratuito, oferecido pela Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania do DF (Sejus), para denunciar qualquer tipo de maus-tratos (físicos, sociais, psicológicos e financeiros) sofrido dentro ou fora de casa. O serviço especial vai atender ligações das 7h às 17h, sem intervalos, inclusive durante a hora do almoço.

Caso sejam recebidas denúncias de agressões físicas contra os idosos – ou contra pessoas de outras faixas etárias – os atendentes acionarão a Polícia Civil do DF para investigar o crime. Segundo levantamento do Centro de Valorização do Idoso (CVI), da Sejus, os parentes são os principais algozes da população mais velha. As filhas lideram a lista. Respondem por 60% das 7 mil denúncias recebidas.

O secretário adjunto da Sejus, Flávio Lemos, disse que o Disque-Idoso foi criado por causa do grande número de ligações recebidas nos telefones funcionais da CVI, nos últimos dois anos. Em 2007, foram registradas 7.037 reclamações de violações contra a terceira idade. Boa parte de vizinhos das vítimas. Em 2008, o número praticamente se manteve igual. “O atendimento era informal, mas agora teremos uma estrutura específica para cuidarmos dessa questão”, explicou.

A ideia é coletar as informações para traçar uma estratégia de combate. No primeiro momento, o agredido será amparado pelo órgão, e o agressor responderá judicialmente. A Sejus planeja ainda oferecer cursos para capacitar voluntários a cuidarem de idosos.





Idosos podem denunciar qualquer tipo de maus-tratos pelo telefone 0800-644-1401. O horário de funcionamento é das 7h às 17h, sem intervalos. A ligação é gratuita. O Disque-Idoso é uma ação do Centro de Valorização do Idoso (CVI).



Fonte: Correio Braziliense

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Assaltante de chácara é preso

Um jovem de 19 anos foi preso em flagrante pela Polícia Militar, na manhã de hoje, depois de tentar fugir numa caminhonete 4x4 que tinha acabado de roubar numa chácara, na zona próxima à DF-190, área rural de Ceilândia. Luan Vinícius Batista invadiu o local no início da manhã e rendeu os moradores da residência até conseguir roubar vários pertences. A ação do bandido durou uma hora e meia. A polícia foi avisada por uma pessoa da família que estava indo prender o cachorro e viu o que estava acontecendo. Os agentes chegaram na hora em que o assaltante tentava fugir. Houve troca de tiros, mas ninguém ficou ferido.

Segundo o dono da chácara, Elias Eller, 68 anos, seu filho, 19 anos, acordou às 6h30 da manhã e foi para o curral. Quando chegou no local, o assaltante apontou uma arma para o rapaz e o obrigou a levá-lo para dentro da casa. Depois de conseguir entrar na residência, o ladrão ameaçou toda a família apontando o revolver para a cabeça de todos. “Ele me falou que não estava sozinho e que os seus comparsas o estavam esperando la fora. Ele ainda disse, em tom sarcástico, que ninguém mandou eu ficar contratando qualquer pessoa para trabalhar na minha chácara”, conta Elias. A vítima acredita que o crime foi premeditado e que alguém que trabalhou para ele possa ter dado informações de sua vida. “Tenho muitos imóveis e isso chama atenção das pessoas”, completa.

Elias diz que mora no local há 28 anos e que nunca passou por esse tipo de situação. “Eu queria que tudo isso fosse um pesadelo e que eu acordasse e nada tivesse acontecido. Agradeço aos policiais por terem feito um bom trabalho e ter salvado a minha vida e da família”.

De acordo com o aspirante Eduardo Almeida da PM, com Luan Vinícus Batista foram encontrados três revolves, R$ 3.600 em espécie, relógios, joias e quatro celulares. A polícia não encontrou nenhum comparsa do assaltante. As vítimas serão ouvidas.



Assista ao vídeo: CorreioWeb / Tv Brasília


Fonte: Jornal Coletivo, Rede Globo, ClicaBrasília, Correio Braziliense, Jornal Local, Band Cidade e Rede Record

Se dando bem

Em 2007, quando vestiu a camisa do Flamengo, o ceilandense Émerson imaginou que estava prestes a deslanchar no mundo do futebol. Enganou-se. Atuou apenas na partida contra o Santa Cruz e, sem novas oportunidades, continuou a peregrinação por clubes Brasil afora, até fechar contrato com o Avaí, em fevereiro do ano passado. Talvez justamente pela falta de chances no rubro-negro carioca, o zagueiro revelado pelo Gama tenha se empenhado tanto no jogo do último domingo, ocasião em que o time de Florianópolis goleou a equipe do Rio por 3 x 0.

“Fui selecionado para marcar o Adriano. Ele é realmente muito forte e o ponto de referência do time do Flamengo, mas recebi a missão justamente porque também estou bem preparado fisicamente, além de realizar um bom jogo aéreo. Felizmente, a fase está boa e acabei bem sucedido na tarefa”, comentou Émerson, por telefone, ontem, à equipe do Correio.

De fato, o jogador poderia mesmo dizer que vive os melhores dias da carreira. Desde que deixou o Gama, em 2004, Émerson passou por outros seis clubes até finalmente se firmar no Avaí, onde conquistou o título estadual deste ano e ganhou fama de zagueiro artilheiro. Com a camisa do time de Florianópolis, segundo números do próprio atleta, ele já marcou 14 gols — todos de cabeça.

“Tenho essa característica desde os tempos de Gama e aperfeiçoei esse fundamento por todas as equipes pela quais passei. Sempre dedico parte dos treinos aos exercícios de cabeceio. Tenho um porte físico adequado para esse tipo de jogada e busco ajudar a equipe sempre que posso”, diz o zagueiro de 1,86m de altura e 83kg.



Apesar de o Avaí estar invicto há 11 jogos (no período são oito vitórias e três empates), saltando da laterna do campeonato para o quarto lugar, Émerson diz que o discurso dentro da equipe ainda é realista. “O professor Silas nos diz todos os dias que devemos chegar aos 47 pontos para definitivamente escaparmos do rebaixamento. No momento, essa é a nossa meta, apesar da empolgação da torcida”, diz.

Segundo o jogador, a janela de transferência, que será fechada em 31 de agosto, não ameaça o bom momento vivido pelo Avaí. “Os dirigentes e os patrocinadores afirmaram que nenhum jogador será vendido até o encerramento do campeonato”, revelou Émerson. Um bom motivo para Guga e toda a torcica alviceleste sorrir e sonhar.




Fonte: Correio Braziliense

Discutindo o Entorno

Na terceira tentativa de fazer a reunião, ele apareceu: além do governador goiano, Alcides Rodrigues, sete prefeitos do Entorno e o diretor da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) almoçaram com o governador José Roberto Arruda. No cardápio, dois assuntos indigestos. Um deles, o transporte no Entorno.

Em Planaltina de Goiás, uma medida para baratear a passagem deixou parte do trecho de graça num convênio informal entre o GDF e a prefeitura. Mas os ônibus que trazem os passageiros para o DF não são suficientes. Para resolver o problema, no mínimo um ano.

“Os governadores, junto com os prefeitos e a ANTT, vão redesenhar esse serviço, integrá-lo ao serviço do GDF, e fazer uma nova licitação”, afirma o diretor da ANTT Bernardo Figueiredo.

A saúde no Entorno também foi discutida na reunião desta terça-feira. O governador de Goiás não trouxe nenhuma proposta nem apresentou investimentos para essa área. Alcides Rodrigues fez questão de bater na tecla de sempre: de que o Entorno é um problema tanto de Goiás quanto do Distrito de Federal.

“O problema é de todos: do governo federal, do Distrito Federal, de Minas Gerais, de Goiás e também das prefeituras. Essa região tem crescimento muito grande, pessoas de todas as partes do Brasil vêm para essa região”, destaca o governador de Goiás.

O convênio do GDF com Águas Lindas e Santo Antônio do Descoberto, que repassa R$ 1,5 milhão por mês, deve ser ampliado aos outros municípios goianos que também fazem divisa com o Distrito Federal.

“Nós dois já falamos com o ministro Temporão, que já está tomando medidas objetivas para disponibilizar recursos nessas seis cidades. E acho que nós vamos conseguir avançar”, enfatiza o governador do Distrito Federal José Roberto Arruda.



Fonte: Rede Globo e ClicaBrasília

Crianças com gripe ficam misturadas com demais doentes

Doentes comuns e crianças com sintomas da nova gripe dividem a emergência do Hospital de Ceilândia. Mas a orientação da Secretaria de Saúde era separar. A reclamação é a demora e da falta de médicos.



No Hospital Regional de Ceilândia, a orientação de encaminhar os pacientes para os postos estratégicos não está sendo seguida na emergência da pediatria. Crianças gripadas continuam junto com os outros pacientes à espera por atendimento.

“Eles não fazem nada, só fala para gente esperar e tem só um pediatra atendendo”, fala a dona de casa Simone Ferreira.

“Acho que minha filha está com catapora, mas aqui tem muitas crianças gripadas”, diz a dona de casa Edicléia de Jesus.

Uma mulher esperou sete horas até a filha ser atendida. “Desde ontem que estou correndo atrás de médico e não estou conseguindo”, conta.


A Secretaria de Saúde repetiu que está errado deixar crianças com sintomas de gripe junto com outros pacientes e prometeu apurar a responsabilidade. Também respondeu que abriu seleção para contratar 100 pediatras.



Veja também este vídeo que mostra demais problemas do HRC: CorreioWeb / Tv Brasília


Fonte: Rede Globo e Jornal Local

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Está em falta na ADE do P Sul:

Nome oficial: Área de Desenvolvimento Econômico. Para muitos, Pró-DF. Em Ceilândia são três. No Setor P Sul, 456 empresas estão funcionando ou em fase de implantação. O asfalto chegou. Água e energia também. Mas...

“Só aqui na frente do setor, que é uma área visível e de bom acesso, já tivemos três empresas fechadas. Você imagina como está lá dentro”, revela o empresário Aurelino Amorim.

O motivo? Falta estacionamento, segurança e sinalização. Sem atrativos, os clientes não aparecem. E os empresários acumulam os prejuízos.



Assita ao vídeo disponível no site da fonte.


Fonte: Rede Globo

Ceilandense consegue um ponto

A Ceilandense visitou o Unaí neste domingo em jogo pela 2ª rodada da 1ª Fase da Segunda Divisão do Candangão 2009. A partida aconteceu no Estádio Urbano Adjuto, em Unaí, e contou com a presença de 577 pagantes, que assistiram o time candango conseguir o empate em 0 x 0, após o time da casa desperdiçar várias oportunidades de gol e ficar com um jogador a mais, pois Robson Pirapora foi expulso no início do segundo tempo.

Após o jogo, o técnico Gerson Vieira, da Ceilandense, se mostrou satisfeito com o resultado do jogo. Para ele, a Ceilandense ganhou um importante ponto em Unaí, principalmente pelas circunstâncias do jogo, de ter ficado com um jogador a menos, e por ser uma equipe jovem, basicamente formada da base de juniores do time do Gama. Para o Unaí não foi um bom resultado, pois nesta fase perder pontos em casa torna mais difícil a classificação.

A Ceilandense folga na próxima rodada.



Fonte: Esporte Candango

Dois meses sem médicos

O Sindicato dos Médicos do Distrito Federal (Sindmédico-DF) denuncia que não haverá clínico médico no Hospital Regional de Ceilândia (HRC) nesta segunda-feira (24/8) e também nos dias 25, 26, 27 e 31 deste mês, sendo que hoje apenas um médico irá atender os pacientes na parte da manhã e no dia 31 não haverá clínico no período da tarde.

De acordo com o vice-diretor do HRC, José Carlos Viula, o problema da falta de médicos é em toda rede, pois há um déficit de clínicos. "Para se ter uma ideia, dos nove clínicos que recebemos há um ano e meio não temos mais nenhum, ou foram exonerados, ou removidos", afirma Viula. "Temos um déficit de 840 horas semanais", explica.

Os concursados que deixam o hospital pela falta de condições é outro problema apontado pelo vice-diretor. "Só no ano passado, o nosso pronto-socorro atendeu 318 pacientes por dia, foram 114.828 atendimentos da clínica no ano passado. O novato chega aqui e vê a situação de trabalho e não quer ficar mais", explica.

O HRC aguarda a publicação no Diário Oficial para a nomeação de 240 novos clínicos, 100 pediatras que farão o reforço. "Garanto que se tivermos cinco médicos por período de seis horas, o tempo de espera vai diminuir", afirma.




A nova gripe também tem provocado lotações no HRC, mesmo com os procedimentos divulgados pela Secretaria de Saúde, no qual o paciente deve primeiro procurar um centro de saúde. "A estratégia da Secretaria de Saúde é retirar do pronto-socorro quem tem suspeita da gripe A. Também, para tentar melhorar um pouco a partir de hoje teremos transporte para levar os pacientes até os centros de saúde", esclarece Viula.

No HRC são as enfermeiras que estão fazendo o trabalho de triagem dos pacientes com suspeita da nova gripe pela falta de clínicos. De acordo com o vice-diretor, há uma área isolada no pronto-socorro para atender esses casos, mas sem os clínicos a situação fica ainda mais complicada.



Fonte: Correio Braziliense, Rede Record, Band Cidade e Rede Globo

Sinais de embriaguez

Um profissional da segurança pública — que tem como obrigação garantir o cumprimento das leis — foi flagrado no sábado à noite, na Quadra 2 do Setor Hoteleiro Norte (SHN), desrespeitando a proibição de dirigir após o consumo de bebida alcoólica. Por volta das 19h, o policial civil da 19ª Delegacia (P Norte, em Ceilândia), Antônio Gonçalves da Costa, 45 anos, foi avistado por funcionários de uma rede de TV tentando conduzir o Fiesta prata de placa JHA 3539-DF. Segundo testemunhas, ele teria tentado sair com o carro, mas, aparentando estar muito bêbado, não conseguiu dar a partida. Após o agente andar de forma cambaleante, passar mal e ficar cerca de uma hora encostado no veículo, segurando uma lata de cerveja, as mesmas pessoas chamaram policiais militares para evitar que o homem tentasse novamente dirigir o carro.

Segundo o operador de câmera da TV Brasília Nonato Lemos, Antônio da Costa, que não estava trabalhando, tentou ligar o carro, mas não teve sucesso. “Então, ele ficou encostado no automóvel um bom tempo até que insistiu em dirigir novamente. Dessa vez, deu partida, mas não conseguiu engatar a marcha e o carro começou a descer de ré pela contramão. Em seguida, ele parou o carro”, diz, acrescentando que, nesse momento, alguém chamou a PM por acreditar que o policial poderia provocar um acidente se dirigisse.

Ao chegar ao local, soldados do Batalhão de Policiamento de Trânsito da Polícia Militar (BPTran) pediram o documento do veículo e a carteira de motorista de Costa, que se recusou a descer do carro e a fazer o teste do bafômetro. Diante da resistência, os militares pediram apoio à Polícia Civil. Uma viatura da Delegacia de Operações Especiais (DOE) foi ao SHN para ajudar na condução de Antônio da Costa e o carro à 5ª DP (Área Central). De acordo com o comandante do BPTran, coronel Ricardo Cintra, foi feito o auto de constatação de embriaguez do policial: “Ele teve a carteira de motorista recolhida e vai responder administrativamente por dirigir alcoolizado”. No auto, está relatado que havia latas de cerveja no banco e no assoalho do carro e que o policial confirmou aos PMs que bebeu assistindo a um jogo de futebol.


Assista ao vídeo: CorreioWeb / Tv Brasília


Fonte: Correio Braziliense e Jornal Local

Falta de energia é frequente

Pelas ruas do Setor P Sul os moradores estão preocupados. Eles estavam mais de 12 horas sem energia. “Com luz já é ruim e sem luz? É se trancar dentro de casa e ficar”, reclama o aposentado Messias da Silva.

“Na hora de tomar um banho ou ver alguma coisa na geladeira, que pode estragar, fica difícil”, acrescenta o aposentado Avelino Alves.

O comerciante Avelino Rabelo tinha gelo estocado para vender até o fim do mês. “Tenho a câmara fria, que está cheia de gelo, e o freezer também está cheio. A preocupação é essa: se demorar o prejuízo vai ser grande."

E os prejuízos não param por aí. Na última sexta-feira (21), dia de grande movimento em um salão de beleza, o estabelecimento fechou quatro horas mais cedo por falta de energia. Hoje, sem ter como ligar os aparelhos, mais uma vez o trabalho ficou prejudicado.

“Como que eu vou fazer uma escova, atender clientes sem ter energia? Impossível”, reclama a cabeleireira Lúcia Oliveira.

Com duas pessoas doentes em casa, Nélia desabafa: “tendo gente doente ou não tendo. Mas tem criança também. Fora os comerciante que estão com as geladeiras cheias, estragando. Quer dizer, quem vai pagar o prejuízo?”, questiona a aposentada Nélia Magalhães.



Fonte: Rede Globo, Band Cidade e Rede Record

domingo, 23 de agosto de 2009

Atendimento judicial fácil

Foi inaugurada nesta quarta-feira (20) o novo posto avançado de atendimento judicial na unidade do Na Hora, em Ceilândia, órgão vinculado à Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejus).

A partir de agora, a comunidade ocal poderá contar com a expedição de certidão negativa, consulta aos andamentos processuais, recebimento de processos, petições iniciais e incidentais (quando o processo já existe) e atermação (recebimento de pedidos) referente a assuntos previdenciários de pequenas causas de competência dos Juizados Especiais Federais.

A iniciativa resultou de uma parceria entre a Secretaria e a Justiça Federal, que teve início em 2004 com a inauguração de um posto judicial no Na Hora da Rodoviária do Plano Piloto, para a emissão de certidão negativa. A previsão é de que futuramente os postos sejam também estruturados para a realização de audiências dos Juizados Especiais Federais.



Fonte: Ceilândia.com e ClicaBrasília

Quebra-molas são problemas

Os moradores do Setor O, de Ceilândia, reclamam das lombadas na QNO 5. “Os carros passam direto. Às vezes o motorista não consegue enxergar o quebra-molas, passa em alta velocidade, e em alguns casos estão com engate, que acabam se soltando, e descem uns 20 metros”, conta o polidor Cleiton Gomes.

Os quebra-molas não estão pintados. E a placa de sinalização está pichada. Outro problema é que alguns quebra-molas não estão completos. Os carros acabam desviando pelo estacionamento do canteiro central.

“É uma situação perigosa. Os carros que transitam em alta velocidade, pelo acostamento, acabam colocando as pessoas em risco”, diz a servidora pública Luana da Rocha.

“Pode acontecer de um carro desgovernar, como um ônibus, e até bater nos carros que estão no estacionamento. Isso porque os carros passam em alta velocidade”, afirma o lanterneiro Charliton da Silva.

O Detran informou que os quebra-molas estão dentro do padrão. Na segunda-feira (24), uma equipe vai ao local para pintar e colocar mais placas de sinalização. É bom lembrar que é preciso encaminhar um abaixo-assinado de moradores para pedir um quebra-mola ao Detran. Quem construir por conta própria paga multa de cerca de R$ 90.




Fonte: Rede Globo

sábado, 22 de agosto de 2009

Comunidade se mobiliza

A comunidade da QNN 23 resolveu se reunir e reclamar sobre a situação do asfalto naquela localidade. São diversos buracos e transtornos causados para a população. O mau cheiro é perceptível no local devido ao acúmulo de água nas crateras ao decorrer das vias. A mesma população reclama que a construção do metrô trouxe diversas rachaduras para a região.



Lazer em primeiro lugar

Já a comunidade de Ceilândia Norte, que mora próxima ao Setor "O", resolveu se mobilizar para evitar que o espaço vazio lindeiro as quadras se transforme em moradias. O GDF pretende construir novas quadras na região favorecendo o já tão crescente inchaço da cidade.

O mesmo local é usado por crianças, jovens, idosos e demais moradores para a prática de esporte e lazer. Uma moradora sugere que seja construída uma praça na região; outro mostra o abaixo-assinado feito pelos habitantes para evitar o possível adensamento populacional indesejável no setor.

A Administração Regional de Ceilândia disse conhecer as atividades da comunidade e pensa em retirar aquela localidade da área "visada" para novas moradias.


Vamos aguardar e fiscalizar!

A população deve fazer a sua parte denunciando e manifestando-se contra tais situações.



Fonte: Band Cidade e Rede Record

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Eles estão lá...

No centro de Ceilândia a oferta é abundante. Na calçada das lojas é possível encontrar bolsas, roupas e até peças íntimas. Um vendedor guarda a mercadoria dentro do carro, uma estratégia para evitar a apreensão. Eles alegam que é transporte de mercadoria própria. Outra tática dos ambulantes: eles substituíram as barracas por improvisos, o que facilitam na hora de fugir da fiscalização.

Em Taguatinga, mais flagrantes. Alguns se escondem quando percebem que estão sendo filmados. Mas há ambulantes que nem se intimidam com a presença da polícia, que também não faz nada.

No Plano Piloto, eles estão na Esplanada dos Ministérios. Um deles, em frente ao Ministério do Planejamento e Gestão. No Setor Comercial Sul, eles se reuniram nos pilotis de um prédio: CDs, DVDs e jogos eletrônicos piratas.

A Agência de Fiscalização do GDF retirou mais de 4,5 mil camelôs das ruas em abril. O governo criou um Shopping Popular para servir de alternativa para os ambulantes, que pagam R$ 40, por mês, para ter uma loja no local. Os vendedores reclamam que não há clientes. Por isso, se arriscam na ilegalidade.

Um ambulante, que preferiu não ser identificado, disse que ganha R$ 10, por mês, no Shopping Popular. E R$ 60, por dia, nas ruas. “Eu estou segurando a minha banca lá para o futuro, porque não tem condições no shopping. Lá gente só gasta”, reclama o camelô.

“Tenho família para cuidar. A criança precisa de comer, e eu vou ficar fazendo o que em casa? Então, tem que vir arriscar na rua, de repente o policial pode pegar, levar a agente preso”, diz o ambulante José Clementino dos Santos.

De acordo com o Sindicato dos Fiscais de Atividades Urbanas, o trabalho para autuar camelôs se tornou mais perigoso ultimamente. “Os fiscais começaram a ser mais agredidos, em razão dos camelôs estarem mais organizados. E eles estão tratando a fiscalização com mais violência, inclusive física. A questão dos camelôs se transformou numa questão de polícia mesmo”, destaca o presidente do Sindicato dos Fiscais Marcus Cesar de Carvalho.

Só neste ano foram 20 boletins de ocorrência de agressões físicas contra fiscais.



Fonte: Rede Globo

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Imagem: Depósito irregular de peças de carros



A polícia sobrevoou a área rural da cidade e encontrou o local com diversas peças de carros sem notas fiscais. Os proprietários tem lojas de peças de carros em Taguatinga.

Assista também ao vídeo: CorreioWeb / Tv Brasília


Fonte: Mais Comunidade, Jornal Local, Correio Braziliense e Rede Globo

Ceilandense tem o dever de ganhar

Começou mal a competição. A Ceilandense que era tida como uma equipe que iria surpreender, acabou caindo perante o Santa Maria por 3 x 0 no último sábado. Foi um baque e tanto, mas não deve olhar para trás. No próximo domingo a equipe de Ceilândia tem um grande desafio pela frente - vai a Minas enfrentar o time do Unaí.

Vamos torcer para que a parceria Ceilandense/Gama dê certo desta vez; já que a maioria dos jogos da 1ª fase será fora de casa.



Unaí/Itapuã x Ceilandense - 23/08/09 - domingo - 15h30 - estádio Urbano Adjuto (Unaí-MG)


Fonte: Federação Brasiliense de Futebol e Futebol Interior

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Tiraê: E os ratos passeiam...

Opinião: Revitalizações são necessárias

Ao anunciar planos de recuperação de áreas abandonadas e de revitalização de áreas de lazer em várias localidades do Distrito Federal, o GDF, felizmente, dá mostras de estar acordando para o fato inquestionável de que praças, parques, calçadões e passeios públicos bem feitos e bem cuidados dão vida a qualquer cidade.

Há informações de que serão realizadas obras em Planaltina, Vila Cauhy, São Sebastião, Recanto das Emas, Núcleo Bandeirante, Asas Sul e Norte e na orla do Lago Paranoá.

Como se vê, na lista do GDF não aparece nossa Ceilândia. E seria imperdoável deixar fora dos planos justamente a maior cidade do DF e, seguramente, uma das mais carentes de espaços de lazer e convivência.

Afinal, áreas abandonadas e equipamentos de lazer deteriorados é o que não falta por aqui.



Fonte: Ceilândia.com e ACIC-DF

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Planaltina faz 150 anos

Aos 94 anos, dona Georgina Diogo de Oliveira conta que quando se mudou para Planaltina a rua era cheia de buracos e não havia luz elétrica, água encanada nem asfalto. A poeira tomava conta do local e a claridade era de lampião. Dona Georgina não se casou, mas criou 10 filhos da sua irmã, falecida. Ao lado do seu sobrinho mais velho, João Batista de Oliveira, 83 anos, disse: “Para mim, aqui é muito bom, não precisa lugar melhor, não”.

Dona Georgina se mudou para Planaltina porque a considerava uma cidade pacata e tranquila, e também pelas condições financeiras, já que lá foi mais fácil comprar uma casa.

Hoje, a realidade da cidade, que comemora amanhã 150 anos de idade, é outra. Para o administrador regional de Planaltina, Aylton Gomes, a maior dificuldade da região é a geração de empregos. “Mas temos muito o que comemorar. Somos, por exemplo, os melhores no Brasil em hortifrutigranjeiros. Aqui, estão os maiores produtores de pimentão do país”, disse. Segundo o administrador, a meta é tornar Planaltina a capital do agronegócio. “Assim, iremos alavancar também a questão do emprego.”

Em l9 de agosto de 1859, foi criado o Distrito de Mestre D'armas, que pertencia ao município de Formosa, por meio da Lei nº 3, da Assembléia Provincial de Goiás. De acordo com dados da Administração Regional, o primeiro nome do povoado foi Mestre D'armas. O nome surgiu porque na região havia se instalado um ferreiro, perito na arte de consertar e manejar armas, que recebeu o título de mestre, e a expressão passou a identificar o local.

Conta a história que a fundação do núcleo em que se originou Planaltina é atribuída ao fazendeiro José Gomes Rabelo, que se mudou da então capital da Província de Goiás para a Lagoa Bonita, e estendeu suas posses até a morada do Mestre D'armas. Lá, construíram uma capela de taipa, em pagamento de promessa feita a São Sebastião, para se livrarem de uma epidemia que os atacava na época. A atual igreja de São Sebastião conserva até hoje as mesmas características da sua criação.

Dentre os monumentos históricos da região ganham destaque, além da igrejinha de São Sebastião, a pedra fundamental da futura Capital. Dados da Administração Regional demonstram que em 1922 - ano do centenário da independência do Brasil - o deputado Americano do Brasil apresentou um projeto à Câmara incluindo entre as comemorações a serem celebradas o lançamento da pedra fundamental da futura capital, no planalto Central.

O presidente da República na época, Epitácio Pessoa, baixou um decreto determinando o assentamento da pedra fundamental, em 7 de setembro de 1922, no Morro do Centenário, na Serra da Independência, a 9 quilômetros de Planaltina.

Em 1955, a comissão chefiada pelo marechal José Pessoa Cavalcante delimita a área e o sítio da nova capital. O quadrilátero do Distrito Federal passou então a ocupar uma área de 5.814 quilômetros quadrados, sobreposta a três municípios goianos, um dos quais Planaltina, que teve seu território dividido em duas partes, ficando sua sede dentro da área do Distrito Federal.

Depois de incorporada à nova estrutura administrativa, Planaltina perdeu a condição de sede de município, passando a ser considerada como cidade do Distrito Federal. A outra parte do município que ficou fora do quadrilátero do Distrito Federal recebeu o nome de Planaltina de Goiás, conhecida como Brasilinha.



Fonte: Tribuna do Brasil

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Saída do Samambaia prejudicou três equipes no Candangão

O Campeonato Brasiliense de Futebol da 2ª Divisão acabou prejudicado devido a desistência do time de futebol do Samambaia. Equipes que deveriam ter no mínimo três jogos sendo disputados em casa, acabaram tendo apenas dois jogos.


Veja o número de jogos EM CASA e FORA de cada equipe:

BrazSat 2 / 4
Botafogo 2 / 4
Ceilandense 2 / 4
Cruzeiro 3 / 3
Unaí/Itapuã 3 / 3
CFZ 4 / 2
Santa Maria 4 / 2


Treinando...

Após a derrota do último sábado, 3 x 0 para o Santa Maria pela primeira rodada da segunda divisão candanga, o elenco da Ceilandense se reapresentou na manhã desta segunda feira.

Os atletas realizaram trabalhos físicos na academia visando o próximo compromisso na competição, no próximo domingo diante do Unaí no estádio Urbano Adjuto, em Unaí/MG. No período da tarde, os atletas voltaram a realizar trabalhos físicos no gramado sob orientação do preparador físico Cristian Botelho.



No último domingo, a Ceilandense tinha um jogo definido para acontecer contra a equipe de Santa Maria, tudo de acordo com o site da federação brasiliense; mas, no fim, o jogo acabou ocorrendo no dia anterior, no sábado.


Fonte: Blog Ceilandense e Federação Brasiliense de Futebol

Espetáculo no SESC

A Companhia de Teatro Andaime apresenta o espetáculo (Des)esperar no teatro do Sesc Ceilândia, nos dias 17, 18 e 19 com apresentações sempre às 20h.



A peça é uma adaptação da obra do escritor irlandês Samuel Beckett, ?Esperando Godot? da década de cinquenta. A releitura segue a linha do improviso em cada apresentação. As atrizes constroem um novo texto partindo de exercícios corporais e depoimentos pessoais. São quatro amigas, que compartilham a angústia e a aventura de viajar por momentos que vão da esperança ao desespero. Os diálogos surgem da espera por respostas para o desencanto. Iluminação e música ao vivo, acompanham o humor em cena. E o figurino complementa a estética do espetáculo. As provocações tentam descobrir aflições, ou manifestar medos e desejos. Tudo isso num bate papo descontraído ou desesperador.

Sobre a Companhia: A Companhia de Teatro Andaime surgiu em julho de 2006 dentro do departamento de Artes Cênicas da Universidade de Brasília (UNB). A busca da companhia é por um método de construção de espetáculo que visa a autonomia do ator para a criação, tendo o objetivo de pesquisar um teatro experimental ligado a improvisação e a construção de uma dramaturgia própria.

A Companhia de Teatro Andaime foi contemplada pelo prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2008 para realizar o trabalho de criação e montagem do seu segundo espetáculo Serpentes que Fumam.

Mais informações: Jorge Moraes (61) 9280-2488



Fonte: Cerrado Mix, e blogs Alvo Público e Entreaberta

domingo, 16 de agosto de 2009

Ketleyn vence o Sub-23

Ketleyn Quadros (- 57 Kg), a primeira mulher a conquistar uma medalha olímpica em esportes individuais para o Brasil, mostrou todo o seu valor e competência, mais uma vez. Na noite deste sábado, no ginásio do Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte, a talentosa brasiliense venceu o Brasileiro Sub-23 de Judô, ao bater Josiane Falco na final.

Ketleyn vibrou com o título. “É sempre bom vencer campeonatos. Ainda mais lutando em casa. Fiquei muito à vontade e isso contribuiu no tatame. Hoje, fiz boas lutas e consegui mais essa medalha na minha carreira. O resultado positivo dessa competição é o fruto do trabalho intenso e sério que tenho feito no Minas. Agora, é dar seqüência aos treinamentos e buscar mais conquistas. Tenho o segundo semestre inteiro pela frente com outras competições importantes”, afirmou.

Com o título de sábado, a judoca da Belo Dente Minas se classificou para o processo seletivo da Seleção Brasileira de 2010.



Fonte: Esporte Candango e Correio Braziliense

Opinião: Recapeando...

O governador José Roberto Arruda esteve em Ceilândia na última sexta-feira (14/08), para inaugurar obras e anunciar o início do recapeamento do asfalto das ruas da cidade.

A notícia é boa, mas traz à lembrança a reta final do governo Cristovam Buarque, véspera de eleições, quando o GDF saiu a recapear pistas a torto e a direito, principalmente no Plano Piloto.

Naquela ocasião, o asfalto velho não foi removido, como seria o correto. Trataram apenas de colocar uma nova capa sobre ele. Resultado: em algumas ruas a capa asfáltica ficou da mesma altura dos meios-fios. As bocas-de-lobo e as tampas dos bueiros, por sua vez, ficaram vários centímetros abaixo do nível da pista. Muita gente (inclusive eu), teve as rodas do carro danificadas ao passar sobre um desses desníveis, que podem ainda ocasionar acidentes graves.

Vamos ver se no recapeamento das ruas de Ceilândia não serão repetidos aqueles mesmos erros.

E se dessa vez usam asfalto de qualidade, já que nas ruas do DF, quando não aplicam uma coisa borrachuda que em pouco tempo se deforma com o calor, utilizam algo parecido a uma espécie de massa de biscoito, que se esfarela com a primeira chuva.



Fonte: Ceilândia.com

sábado, 15 de agosto de 2009

Rapaz perde um dos rins devido a buraco

Foi há dois meses e um rapaz que soltava pipa não percebeu o perigo - diversos buracos sem tampas deixados em uma área no Setor de Indústrias de Ceilândia. O resultado foi que o jovem caiu e acabou rasgando um dos rins, o qual os médicos não conseguiram recuperar.

O vó do acidentado pede justiça, já que são muitos buracos espalhados pela cidade e ninguém faz nada. A Administração de Ceilândia respondeu que não sabia da situação na localidade e que, na segunda-feira, deverá tampar os locais que ainda continuam abertos.


Fonte: Rede Record

Segundona começa de forma bagunçada

O jogo Santa Maria x Ceilandense estava marcado para domingo e acabou acontecendo neste sábado.

Na tarde deste sabádo a Ceilandense estreou no campeonato brasiliense da segunda divisão. A equipe entrou em campo sonolenta e errando bolas fáceis. Como a equipe não conseguiu se reerguer durante a partida, acabou goleada pelo Santa Maria por 3 x 0.

Aos 25min do primeio tempo, Índio recebeu pela direita e bateu forte, sem chances para o goleiro Róboson.No segundo tempo a equipe tentava sair ao ataque mas era barrada pela forte defesa da equipe do Santa Maria. Aos 40 min, Pepe recebeu na entrada da área e bateu forte, cruzado, marcando o segundo gol.

O terceiro gol do Santa Maria foi uma verdadeira pintura. Após cobrança de escanteio, a zaga do Ceilandense tirou da área e Valdo, de fora da área bateu forte, de primeira, no ângulo, finalizando o placar no Rorizão. Santa Maria 3 x Ceilandense.

No próximo domingo a equipe enfrenta o Unaí, no Estádio Urbano Adjuto em Minas Gerais.



Fonte: Blog Ceilandense e Federação Brasiliense de Futebol

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

O crescimento de Souza

Desde que saiu da pequena Posse, cidade goiana de 35 mil habitantes a 321km de Brasília, muita coisa mudou na vida de Elierce Barbosa de Souza. Menos os cabelos vermelhos. De ajudante de pedreiro, ganhando R$ 15 por dia, a titular do líder do Campeonato Brasileiro sob a batuta do exigente Muricy Ramalho, o volante de apenas 21 anos do Palmeiras tem motivos de sobra para abrir o sorriso no rosto cheio de sardas.

Há menos de quatro meses Souza jogava no Palmeiras B. Foi integrado ao grupo por Vanderlei Luxemburgo para suprir a falta de volantes no plantel principal, quando Edmílson e Sandro Silva se machucaram. Ganhou a primeira chance como titular simplesmente em um jogo da Libertadores fora de casa, na vitória palmeirense sobre o Colo-Colo por 1 x 0, no Chile. E mandou bem. De lá para cá, Luxa foi embora, Muricy Ramalho chegou e o volante se firma na equipe principal mostrando qualidades.

Souza começou no futebol do Distrito Federal. Em 2007, teve passagens discretas pela Ceilandense, na segundona candanga, e pelo Brasília, na terceira divisão local. Chegou até a abandonar o esporte depois de passar fome por falta de salário, mas resolveu dar mais uma chance para seu sonho. Fez um teste no Dom Pedro II e se tornou um dos destaques do vice-campeão candango em 2008. Na época, ainda era conhecido como Ferrugem.

Em abril do ano passado, o Gama chegou a anunciar a contratação do jogador, mas ele só treinou por apenas um dia no clube. Do alviverde candango, Souza acabou emprestado para o Verdão paulista — foi negociado em definitivo na virada do ano, por valor estimado em R$ 300 mil. E agora nem pensa em largar o futebol.

Ainda que não seja uma das estrelas do Palmeiras, o volante candango é extremamente eficiente. Não marcou nenhum gol e nem deu assistência na Série A, mas tem a marcação como ponto forte. Tem a segunda maior média de desarmes na equipe, com 24 em 11 jogos (2,18), atrás somente do campeão Pierre (3,93), com 59 roubadas de bola em 15 partidas. No entanto, o novato leva vantagem na parte disciplinar. Cometeu apenas 22 faltas e levou um cartão amarelo. Pierre fez 53 infrações, com cartões amarelos e um vermelho.




Na estreia de Muricy, na vitória por 1 x 0 sobre o Fluminense, em 29 de julho, Souza não foi bem e acabou sacado. Depois, se recuperou e ouviu elogios do técnico linha-dura. “A movimentação dele é bastante dinâmica. Além de marcar muito, ele sai pro jogo. E apesar de ser jovem tem uma estrutura aeróbica muito forte”, comentou o treinador.

O salário do volante ainda é um dos menores do elenco. Está longe dos R$ 140 mil de Mozart, que foi para o banco com a titularidade de Souza. Parte, ele manda para a família no interior de Goiás. Mas é o suficiente para trazer a namorada para morar com ele em São Paulo. Com contrato até dezembro de 2012, o novato tem tudo para se firmar na equipe. É bom ficar de olho no garoto de cabelos de fogo.




Conhecido como Ferrugem no futebol candango, o volante Souza trocou de apelido no Palmeiras. Tanto para valorizar o “produto” por parte do Dom Pedro, sob a desculpa de que o nome dava uma ideia negativa, quanto pelo interesse do alviverde paulista de afastar o fantasma de um xará também volante que fracassou no final dos anos 90 depois de ser considerado uma das maiores revelações das categorias de base.



Fonte: Correio Braziliense

Conflito com a lei

A dona de casa Francisca Pontes, 70 anos, já havia perdido dois dos vinte filhos para a violência urbana quando soube do assassinato do mais velho. O crime ocorreu sem explicações. Elinaldo Sousa Pereira, 20 anos, e dois menores, de 16 e 17 anos, simplesmente decidiram que seria a hora de interromper a carreira política de Cícero Pontes, 38 anos, antes que ele pudesse se candidatar desta vez a deputado distrital, pelo PRTB.

“Tiraram um pedaço de mim que não vai voltar”, relembrou a mãe. Um ano depois do homicídio, não há preso algum. Como se não houvesse culpados. “Preso está meu filho, que nunca mais vou ver”, lamentou a dona de casa.

Assim como Francisca, dezenas de mães perdem diariamente seus filhos para a violência. Os jovens conhecem cada vez mais cedo a criminalidade e dificilmente conseguem deixá-la. Pesquisa encomendada pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) aponta que os adolescentes são responsáveis por 10% dos crimes cometidos no DF - 8% são homicídios. Os números se tornam preocupantes quando se observa a reincidência em 80% dos casos. No Brasil, os jovens assumem 1% dos atos infracionais, dos quais 0,2% são contra a vida.

Outro dado do MPDFT mostra que, até 2005, 178 menores morreram enquanto cumpriam medidas socioeducativas. Atualmente, cerca de 610 jovens estão distribuídos nos quatro centros de internação do DF. Todos com perfil semelhante.

Dos adolescentes ouvidos pela Promotoria de Defesa da Infância e Juventude, entre 2007 e 2008, 56% estavam fora das salas de aula. Neste público estão inseridos os menores com infrações mais greves, como furtos, roubos, tráfico, uso de drogas, porte ilegal de armas e crimes contra a vida. Os 43% que frequentam escola geralmente cometem atos de cunho ofensivo, tais como ameaça, injúria, lesão corporal e pichação.

De acordo com a Secretaria de Justiça do DF, a maioria desses adolescentes só tem o primeiro grau incompleto ou são analfabetos. O apoio familiar também não é satisfatório. Grande parte deles se espelha em maus exemplos entre os parentes, que se sustentam em subempregos, usam drogas ou cometem atos violentos dentro de casa. Outros, sequer conhecem seus parentes.





Ao tentar buscar a raiz do problema, a resposta é sempre a mesma: o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). O documento estabelece que o jovem em conflito com a lei deve ser submetido a medidas sócio-educativas. Para determiná-las, o juiz tem três opções: a internação provisória de 45 dias, semiliberdade, em que o infrator é liberado nos fins de semana, ou liberdade assistida em um dos 14 centros de reintegração social existentes no Distrito Federal. As duas últimas penalidades têm o prazo máximo de três anos.

Aqueles que lidam com a questão rotineiramente garantem que essas medidas são insuficientes e atrapalham na hora de lidar com o adolescente transgressor. “Não reeduca, não inibe, não corrige. Esses centros são escolas para eles. Muitas vezes saem piores. Matam de novo, roubam de novo e a gente sente que (ao prendê-los) está enxugando gelo”, comentou o delegado da 30ª Delegacia de Polícia, de São Sebastião, José Carlos.

Para ele, o ponto é que, no Brasil, os jovens agem com a certeza da impunidade, pois sabem que a legislação os protegem de punições severas. O delegado ainda compara as penalidades brasileiras com as americanas, nas quais um adolescente pode pegar até pena de morte. “Não interessa a omissão do estado nas políticas públicas. O menor infrator tem que ser tratado como criminoso, como alguém que tirou uma vida. Senão a sociedade fica refém. A legislação tem que mudar”, declarou José Carlos.

Quem já sofreu na pele a ação de um adolescente em conflito com a lei concorda com o delegado. Ivanni Alves dos Santos nunca havia participado de debates sobre a maior idade penal, até que Everton da Silva Lima, 18 anos, e dois menores tiraram a vida de sua filha, Alessandra dos Santos Lima, e do namorado da garota, Alessandro Melo Rodrigues, ambos com 15 anos. Um dos menores assumiu os dez disparos. “Foram adultos para pegar em uma arma. Agora que sejam adultos para pagar”, disse a mãe da menina.

O crime ocorreu em março de 2008. Na época, a ficha policial de Everton trazia também precedentes de porte ilegal de arma e tráfico de droga quando ainda era menor de idade. Ainda assim, os três envolvidos foram liberados pela Justiça. O prejuízo ficou mesmo para Ivanni. De sua família restou apenas a filha mais velha, portadora de doença mental. “Minha geração acabou ali. Não terei netos, minha filha não terá sobrinhos. Nada”, lamentou Ivanni.

Hoje, a foto de Alessandra na geladeira é a única marca de que a garota esteve ali. “Às vezes, prefiro pensar que ela está na Bahia com a avó e que vai chegar de férias a qualquer momento”, contou Ivanni.




Enquanto se arrastam os debates sobre responsabilidades, omissões e legislação, menores em conflito com a lei simplesmente agem. Quando se tem 16 anos, as consequências não vêm à cabeça com tanta frequência. “Atirei para o lado dele, se pegou eu não sei”, relatou um menor infrator. Na rua, não há lei. É cada um por si e todos em nome do prazer momentâneo, esse é quase sempre o contexto dos adolescentes.

Para muitos abandonarem a vida de crimes, bastaria uma oportunidade para se inserir na sociedade, o que baixaria o índice de criminalidade. “Eu quero ajuda. Se tivesse alguma coisa para fazer no meu tempo livre eu sairia dessa vida”, desabafou o rapaz de cabelos arrepiados. Para outros, não importam as condições financeira, cometeriam crimes do mesmo jeito se alguém mexer com um de seus amigos. Os que estão no mundo do crime sabem bem como funcionam as leis, mas não se assustam. “Eles vão para o Caje como se fosse uma colônia de férias. Alguns, vão se esconder da família da vítima. Mas 45 dias não dá nada, não, e ninguém fica três anos”, comentam. “Os maiores não matam mais ninguém. Mandam os meninos matarem.”

Os adolescentes admitem serem protegidos pela lei e se aproveitam dela. Mesmo com pouca idade, se consideram capazes de fazer escolhas. “Desde os 12 anos a pessoa já sabe o que quer. Mesmo drogado, o moleque sabe do perigo. Entra nessa vida porque quer”, disse um menor de 16 anos.

O socorro, segundo eles, poderia vir da própria sociedade, apenas não discriminando o menor. “A sociedade se afasta da miséria por ela mesma criada”, declarou o mais falante. Ele disse que o Estado deveria oferecer alternativas realmente educativas e lhes dar a chance de sonhar com uma profissão, família e de deixar o mundo das drogas, como deseja um jovem grafiteiro do Setor Leste.

Foi com esse mesmo sonho que Antônia da Silva viu seu filho morrer. Marcelo Henrique da Silva conhecia o crime de perto e começou cedo. Aos 12 anos conheceu o Caje. Aos 16 já havia passado por lá três vezes. Só conseguiu deixar as ruas quando um rival de gangue decidiu que era a hora dele partir.

“No ritmo que ele estava eu já imaginava o que iria acontecer. Nesta vida só há duas opções: cadeia ou cemitério”, disse Antônia. “Queria ele aqui, mas de outro jeito. Desde que saiu para a rua eu não conseguia mais controlá-lo. Se estivesse aqui, minha situação estaria pior porque ele estaria foragido.” Entre a posição de mãe da vítima e mãe do autor, Antônia não sabe qual a pior situação. Admite que ambas são desesperadoras. Hoje, a mãe do ex-interno se une às centenas de mulheres que choram diariamente por perder o filho para a violência da qual o menino fazia parte.






Ao contrário do que pensam as vítimas da impunidade, aqueles que defendem as leis garantem que o problema não está no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), mas sim no Estado, por descumprir o documento no que diz respeito aos direitos fundamentais como educação, saúde, cultura, lazer, alimentação e moradia, pensa o promotor-chefe de Defesa da Infância e da Juventude, Renato Barão Varalda.

Segundo ele, na maioria dos casos, o governo só chega à população de baixa renda por meio da segurança pública, que, por vezes, é tão ineficaz quanto outras políticas sociais. “Se o juiz/Estado aplica uma medida socioeducativa e o Poder Executivo não fornece meios adequados para o seu cumprimento, a mensagem que passa é de que nem a sua família nem o Estado tiveram a capacidade de detê-los na empreitada infracional”, disse Varalda. “Ao deixar de responsabilizar o jovem de forma adequada, o Estado incentiva a sua permanência no meio infracional.”

De acordo com Varalda, as mudanças no documento de proteção à criança no que tange a menor idade penal, são desnecessárias, pois a Constituição Federal entende que os jovens entre 12 e 18 anos estão em processo de formação de personalidade. Para Varalda, o fato de o adolescente ganhar o direito ao voto aos 16 anos não significa que ele tenha consciência dos atos que pratica, já que muitos sequer têm acesso à informação de cunho educacional.

“Entendo que a redução da idade penal atingirá, sobretudo, os adolescentes que são vítimas de um sistema de exclusão social e sofrem com a miséria e o abandono. A grande maioria dos adolescentes infratores é oriunda das camadas menos privilegiadas, cuja situação socioeconômica precária, aliada à conturbada estrutura familiar reduz a criança em vítimas de um sistema social que as conduz a práticas de atos infracionais”, analisa o promotor-chefe de Defesa da Infância e da Juventude.

Os crimes cometidos pela minoria, ou seja, classe média e alta, Varalda classificou como exceções. A legislação americana, lembrada pelo delegado da 30ª Delegacia de Polícia, de São Sebastião, José Carlos, também soa para Renato Barão Varalda um tanto quanto absurda.




Cícero Pontes era líder comunitário em São Sebastião. Ele havia concorrido tanto à Câmara Legislativa quanto à Federal e estava bem posicionado para 2010. O rapaz comemorava a graduação em Relações Internacionais em uma lanchonete no shopping Pátio Brasil, quando foi abordado por Elinaldo Sousa Pereira e dois menores. Após um breve diálogo Cícero foi atingido por uma bala no abdômen. O líder comunitário tentou chegar ao hospital, mas perdeu o controle do carro e bateu em uma árvore. Os autores fugiram sem levar nada. Um dos adolescentes assumiu o disparo. Nenhum permaneceu preso.




Quando sonhava em ser dançarina de funk, Alessandra dos Santos Lima começou um namoro com Alessandro Melo Rodrigues. A mãe da garota sabia que o pretendente se envolvia com coisas um pouco estranhas, mas resolveu atender ao pedido da filha, que jurava morrer caso acontecesse algo com o namorado enquanto ela estivesse na Bahia com a avó. De volta a Brasília, a menina acompanhou Alessandro a uma festa de amigos. Enquanto conversam, Everton da Silva Lima, 18 anos, e dois menores passaram de bicicleta na porta da residência do colega e dispararam dez tiros contra o casal. Um dos menores assumiu o crime. Nenhum permaneceu preso.





Para Antônia da Silva, o filho era um companheiro excelente. Carinhoso, Marcelo Henrique da Silva sempre dispensava muita atenção à mãe. Nas ruas, o menino era outro. Após três passagens pelo Caje, Marcelo resolver que seria melhor morar sozinho. Sem ninguém para o aconselhar ele seria mais livre. A liberdade durou quatro meses até que, em agosto do ano passado, dois adolescentes, de 14 e 17 anos, que tinham rixa com Marcelo, dispararam três tiros no rapaz, na esquina da casa dele. O filho de Antônia morreu na hora. Ninguém permaneceu preso.



Fonte: Tribuna do Brasil

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

XIII Campeonato de Futebol da 2ª Divisão do DF

Vai começar neste sábado o Candangão da 2ª Divisão do DF. Veja as equipes participantes e suas cidades:

Botafogo - Guará
BrazSat - Recanto das Emas
Ceilandense - Ceilândia
CFZ Brasília - Plano Piloto
Cruzeiro - Cruzeiro
Samambaia - Samambaia - TIME DESISTENTE
Santa Maria - Santa Maria
Unaí/Itapuã - Unaí-MG

O time do Samambaia acabou desistindo na última hora e, com isto, foi rebaixado diretamente para a 3ª divisão local. Outras punições também estão previstas.

O time de Ceilândia - a Ceilandense - tem encontro marcado neste domingo, 16/08/09, as 15h30, no estádio Rorizão (Samambaia-DF), contra a equipe do Santa Maria.


Vamos torcer para que a equipe ceilandense consiga retornar a 1ª divisão. Vale ressaltar que as equipes Botafogo, CFZ/Brasília e BrazSat prometem dar bastante trabalho no campeonato deste ano.


Boa Sorte, Ceilandense!


Fonte: Federação Brasiliense de Futebol

Cerco aos jogos de azar

Equipes da 23ª DP (P Sul) intensificaram, desde terça-feira (12), a repressão à prática do jogo de azar, o conhecido “Jogo do Bicho”, na área da Guariroba e do Setor P Sul de Ceilândia.

O trabalho dos policiais, realizado nas quadras EQNP 26/30, EQNP 14/18, EQNP 24/28 e EQNN 08/10, resultou na detenção de Raimundo Alves Medeiros, 65 anos; Mecias Ferreira da Silva, 61 anos; Amilton Vasco de Aquino, 31 anos; e Mauro Antônio de Morais, 48 anos.

Com os autores, foi encontrado farto material utilizado nas apostas ilegais, como cadernetas e blocos com anotações dos jogos, carimbos, envelopes, calculadoras, folhas de carbono e dinheiro. O trabalho é resultado da ação dos policiais Eduardo, Arnulfo e Adauto, da 23ª DP.

Todos os autuados foram liberados após a assinatura do Termo de Compromisso de Comparecimento à Justiça e mediante o pagamento de fiança.



Fonte: ClicaBrasília

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Imagem: "A la Gama" Ceilandense promete surpreender

Mostrando o verde do Gama no uniforme, a Ceilandense promete conquistar bons resultados no Candangão da 2ª Divisão do DF. O primeiro jogo da equipe daqui será neste domingo (16/08/09) contra o Santa Maria, no Rorizão em Samambaia.




Fonte: Blog Ceilandense

Rumos da cultura no DF

Artistas, grupos e produtores de cultura de Ceilândia, Taguatinga, Samambaia, Recanto das Emas e Riacho Fundo I e II reúnem-se, sábado, das 9h às 17h, no Teatro da Praça (Taguatinga) para discutir “o papel dos conselhos regionais de cultura; a necessidade de o governo cumprir a lei do Fundo de Apoio à Cultura (FAC); a conclusão de projetos como o Centro Cultural Teatro da Praça e o Centro Cultural de Ceilândia; oficinas de captação financeira e, principalmente, o papel dos grupos locais na formação cultural do povo. O Fórum de Cultura do Canto de Cá é composto por Tribo das Artes, Mostra Taguatinga – Festival de Cinema e Vídeo, Cia ArtCum, Coletivo de Cinema de Ceilândia – Ceicine, Academia Taguatinguense de Letras, Associação Cultural Menino de Ceilândia, Cia. Hierofante de Teatro, Cia. Imaginário de Teatro, Espaço Cultural Semente, Associação Cultural Faisca, Sarau Encontro das Artes e o grupo Roupa de Ensaio. O encontro integra a 9ª Mostra Taguatinga e está aberto a todos os interessados, sem necessidade de inscrição.


Fonte: Correio Braziliense

Protestos e falta de transporte

Os moradores que dependem do transporte coletivo para Águas de Lindas de Goiás tiveram que arrumar outro meio para voltar para casa nesta quarta-feira (12/8). De acordo com informações da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), os ônibus da viação Taguatur e da Santo Antônio não circularam hoje nos dois sentidos, Brasília-Águas Lindas e Águas Lindas-Brasília.

Segundo o gerente da Taguatur, João Caetano da Rocha, um grupo de manifestantes estava impedindo a entrada dos motoristas na empresa. "Não é toda a categoria que estava envolvida, mas hoje não haverá ônibus fazendo a linha", afirmou. "Esperamos que amanhã a situação esteja normalizada", completou.

De acordo com uma fonte na ANTT, os motoristas estão com medo de rodar por causa das manifestações desta quarta-feira, na qual queimaram quatro ônibus da Taguatur. A população juntou-se a causa por considerar abusivo o aumento das tarifas de ônibus.

Fiscais da ANTT foram mandados para as garagens das empresas para aplicar multas pelo descumprimento do serviço.

Os responsáveis pela viação Santo Antônio não foram encontrados para dar explicações.

Na Rodoviária do Plano Piloto centenas de pessoas ficaram sem saber como voltar para casa. Sem os ônibus convencionais carros piratas paravam e cobravam até R$ 10 pela viagem.

O tumulto de passageiros que aguardavam uma solução só terminou por volta de 19h15 quando um ônibus pirata parou na plataforma inferior da rodoviária e saiu com o veículo lotado de passageiros.


Fonte: Correio Braziliense aqui e aqui

Projetos são renovados

Campeão brasileiro júnior de judô em 2005, Irakitan Pereira Santos deu a volta por cima e mudou de vida quando passou a praticar o esporte. Aos 21 anos, hoje ele é instrutor da arte marcial no Judô com Tranquillini, uma das 14 ações sociais apoiadas financeiramente pela Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb). Nesta quarta-feira (12), o governador José Roberto Arruda assinou os novos contratos do Programa de Responsabilidade Social da empresa, que aplicará R$ 1 milhão nas áreas de educação sanitária e ambiental, esporte, saúde e cidadania.

“A Caesb não fornece apenas água. Queremos ajudar a resolver os problemas da comunidade, levando cidadania, educação e conhecimentos de saúde às pessoas”, observou Fernando Leite, presidente da companhia.

“São mais 15 mil crianças que se juntam ao nosso esforço de educação integral. Toda criança que entra num projeto desses muda o seu futuro para melhor. Seguramente ficam crianças mais educadas, mais confiantes e serão mais felizes como adultas porque tiveram essa chance”, acrescentou o governador Arruda.

Medalhista de ouro nos Jogos Pan-Americanos de 1995, em Mar del Plata, na Argentina, o judoca José Mário Tranquillini associa o sobrenome a um projeto que atende a 300 crianças no Paranoá e em Ceilândia. “Todas as empresas deveriam fazer isso. O esporte ajuda a desenvolver as crianças e a formar cidadãos”, ensina Tranquillini.

Professor de judô, Adelino Blanco explica que para participar do projeto o aluno precisa apresentar bom rendimento escolar. “Além de lutar judô, a criança ganha disciplina e aprende a se comportar em casa, nas ruas e na escola”, ponderou Blanco.

Além de Tranquillini, as ex-jogadoras da seleção brasileira Leila e Ricarda também desenvolvem o Amigos do Vôlei, outro projeto apoiado pela Caesb.



Fonte: ClicaBrasília

Mais de 13 mil produtos piratas

A polícia apreendeu por volta de 10h desta quarta-feira (12/8) 13.433 produtos falsificados, entre DVDs, CDs e jogos de vídeo game e computador na Feira dos Importados de Ceilândia. Três pessoas foram presas por estarem cuidando das bancas.

Entre as pessoas estão uma mulher de 23 anos, que disse estar apenas vigiando a banca para outra pessoa; um homem de 28 anos, que disse estar passando pelo local e um outro homem de 30 anos, que ainda presta esclarecimentos. Os nomes deles não foram divulgados. A polícia também vai investigar um homem, conhecido apenas como "Alemão", que seria o reprodutor e distribuidor do material.

De acordo com o delegado-chefe da 19ª Delegacia de Polícia (P norte), Raimundo Vanderly, a operação não obteve êxito total, pois quando as outras bancas perceberam a ação da polícia recolheram os produtos irregulares e fugiram ou fecharam as barracas. O delegado disse ainda que vai realizar um trabalho para coibir a pirataria na feira.

A administração de Ceilândia irá passar para a polícia os nomes dos donos das bancas, que também terão de prestar depoimento. As três pessoas vão responder por violação dos direitos autorais e podem pegar de dois a quatro anos de prisão.



Fonte: Correio Braziliense