sábado, 28 de fevereiro de 2009

Kits cineclubes

O Brasil tem 2.190 salas de cinema, quantidade muito inferior ao número de municípios existentes (5.564) e só uma parcela da população, aquela que vive nos grandes centros urbanos das Regiões Sul e Sudeste é que tem acesso aos circuitos comerciais ou alternativos. Setenta por cento (1.542) ficam em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Minas Gerais, no Rio Grande do Sul e Paraná.

Se há concentração de salas no nível nacional (só em 8% de todo o território) também existe uma distribuição desigual internamente, nos estados, e dentro das cidades, entre bairros. No Distrito Federal, por exemplo, a cidade mais populosa, Ceilândia (a 26 quilômetros de Brasília, com mais de 350 mil habitantes), não dispõe de sala de cinema. O DF tem quase 90 salas no total

Para levar o cinema a localidades onde não há projeções de filmes, o Ministério da Cultura abriu o edital do programa Cine Mais Cultura que pretende distribuir este ano kits para instalação de cineclubes em 100 localidades.


O Ministério não definiu metas de instalação por região, mas quer beneficiar os “lugares que não têm salas de exibição comercial e mesmo algum tipo de exibição gratuita”, disse Frederico Cardoso, coordenador executivo do programa. Podem concorrer aos kits entidades de direito privado sem fins lucrativos, localizados em cidades do interior ou na periferia de grandes centros urbanos.

Os kits contém tela para projeção de 4x3 metros, um projetor de vídeo, um aparelho leitor de DVD, uma mesa de som, quatro caixas de som, entre outros equipamentos. Além desses aparelhos, os cineclubes receberão um pacote de 103 DVDs com 330 filmes brasileiros em curta, média e longa-metragem, produzidos desde 1920 até o ano passado. A expectativa de Frederico Cardoso é que os cineclubes tenham, com os filmes distribuídos, uma programação de exibições semanais inéditas ao longo de dois anos.

Além dos 100 cineclubes previstos no edital, o Ministério da Cultura pretende abrir novos editais este ano e fazer parcerias com os estados e municípios. A meta é ter até 2010, 1.200 cineclubes. O prazo de inscrição vai até o dia 20 de abril.



Fonte: Agência Brasil

Superlotação e preço alto geram reclamações

A notícia de que o Governo do Distrito Federal (GDF) deverá comprar em breve mais 12 trens para o metrô que atende à região agradou aos usuários do transporte público, que criticam as condições e o preço do serviço. Em um mês, o GDF deverá assinar um contrato de empréstimo de R$ 260 milhões com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a compra dos novos trens.

A moradora de Ceilândia Edilaine de Moura pega o metrô todos os dias para trabalhar. Ela reclama dos atrasos e do preço da passagem, que custa R$ 3. “Está muito cheio, tem hora que atrasa muito, o pessoal reclama e também é muito cara a passagem, R$ 3 para andar num metrô que é sempre lotado. Precisa aumentar [a quantidade de trens] para melhorar a qualidade, porque não adianta a passagem subir e a qualidade não ser boa”, diz.

Para Bruna Monique de Oliveira Rosa, que também se desloca todos os dias de metrô de Ceilândia até a rodoviária do Plano Piloto, diz que os trens costumam chegar cheios às estações. “De manhã, se você for pegar o metrô você não consegue entrar, é muito cheio mesmo, você anda bem espremido, o povo passa mal, aí não tem como”. Ela duvida do cumprimento da promessa dos novos trens. “Isso está desde o ano passado, e até hoje nada, mas vamos ver aí o que vai dar”, afirma.

A moradora de Taguatinga Alda Maria de Oliveira, de 62 anos, diz que gosta de andar de metrô, mas reclama da falta de lugar para os passageiros mais velhos. “O metrô vem superlotado, não dão lugar para os idosos. Hoje eu quase vim em pé, mas eu adoro o metrô”. A usuária Eliane Vieira também acha que os idosos enfrentam mais dificuldade. “Fora isso, eu acho ótimo pego o metrô sempre que eu posso”.

O secretário de transportes do Distrito Federal, Alberto Fraga, diz que o principal objetivo do governo é diminuir o tempo de espera e proporcionar mais conforto aos usuários. No entanto, ele garante que o preço não irá diminuir “de forma alguma”. “A linha do metrô de Brasília tem 42 quilômetros. O problema é que Brasília é atípica em relação às outras capitais, por causa das grandes distâncias”, justifica.

Fraga admite que os passageiros são transportados “espremidos”. “Hoje o metrô está estourado, a sua capacidade de transporte já está no limite”. Mas, ele diz que não se incomoda com as reclamações dos usuários sobre a superlotação do metrô nos horários de maior movimento. “Eu desafio alguém a me apresentar qualquer cidade do mundo que o metrô não seja cheio no horário de pico”, diz o secretário.



Fonte: ClicaBrasília

Caesb quer aumento

A conta de água no Distrito Federal vai subir. Porém, a data e principalmente o valor do reajuste ainda não foram definidos. A Agência Reguladora de Águas e Saneamento (Adasa/DF) divulgou o reajuste tarifário anual de 3,09%, após uma audiência pública na última quinta-feira. Mas, de acordo com um comunicado oficial enviado a imprensa, a Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb/DF) disse não ter sido comunicada oficialmente do reajuste, não ter participado da audiência e ainda afirmou não ser possível um índice de reajustamento inferior a 8,11%.

Após a publicação do reajuste da Adasa no Diário Oficial, a Caesb terá que aplicar os novos valores a partir do próximo domingo. Contudo, a Companhia argumenta que um reajuste menor que 8,11% poderá gerar um desequilíbrio econômico-financeiro do Contrato de Concessão, o que viria a prejudicar o programa de investimentos da Caesb ao longo do ano.

O reajuste dos serviços públicos de água e esgotamento sanitário é calculado todos os anos em relação às alterações de custo na estrutura da concessionária, um cálculo médio das tarifas aplicadas em outras empresas do setor no país e no exterior, e o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é calculado pelo IBGE e vale como percentual oficial da inflação brasileira. O IPCA acumulado nos 12 meses encerrados em janeiro ficou em 5,84%.




O presidente da Caesb, Fernando Leite confirmou que o valor estipulado pela Adasa vai realmente comprometer a prestação dos serviços de saneamento da capital. Com isso, algumas obras de implantação de sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, além de melhorias que contribuíram para a redução do índice de perdas estariam comprometidas. “O índice ficou bem abaixo da inflação do período. Além disso, estamos comprometidos com uma série de obras de captação para garantir o abastecimento de água no Distrito Federal nos próximos anos”, argumento Leite.

Dentre os empreendimentos que serão paralisados estão obras já em andamento, algumas das quais com recursos assegurados pelo Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal (PAC) e contratos de financiamento firmados com instituições internacionais.

Ainda de acordo com a diretoria da Companhia, a Caesb só irá realizar cortes nos investimentos ou interromper qualquer obra em andamento após encontro com o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, provavelmente na semana que vem. O contrato de concessão entre a Adasa e a Caesb foi firmado em 2006.



Fonte: Tribuna do Brasil e Correio Braziliense de 28/02/09

Batalhões estão desmoronando

A fachada do 8º Batalhão da Polícia Militar da Guariroba, em Ceilândia, está em boas condições. Mas por dentro, as imagens gravadas por um cinegrafista amador mostraram o contrário. Os policiais não têm privacidade no banheiro: faltam portas. Os vasos estão sem tampas. Perigo também na hora de tomar banho. E quem fica de plantão, dorme em colchões nada confortáveis.

“Quando há uma reforma, é uma reforma superficial. É uma categoria que está sendo desvalorizada até mesmo pelas condições de trabalho. Às vezes o policial desconta isso na população, que não é o certo”, revela um soldado que não quis se identificar.

Se depender do orçamento da Polícia Militar, nada deve mudar no 8º Batalhão. O prédio não está no plano de reformas das unidades militares do Distrito Federal. Sete quartéis vão ser reformados - três no Plano Piloto e quatro em outras cidades.

Estão previstos R$ 89 milhões para a reforma e construção de quartéis. As unidades do Plano Piloto serão reformadas ao custo de R$ 6,8 milhões. Mais de R$ 3 milhões só para a reforma do Quartel do Comando Geral e o Anexo. Já R$ 9 milhões vão para a construção de novos prédios no Recanto das Emas, Águas Claras e Taguatinga.

“Tem que priorizar o policial que está na ponta do sistema. Pra que reformar um quartel do comando geral por R$ 3 milhões pra ficar instalado alguns coronéis, que nem dão atendimento de segurança na rua?”, questiona o presidente da Associação dos Policiais e Bombeiros Militares do DF, cabo Patrício.

Mais R$ 14 milhões serão gastos na construção de um novo centro de formação e aperfeiçoamento de praças, no Setor Policial Sul. O centro funcionava no prédio onde atualmente é o Buritinga, e precisou ser transferido para um local improvisado em Taguatinga.

Os Batalhões que vão ser reformados são no Gama, Sobradinho, Samambaia e Candangolândia. O Comando da Polícia Militar não se pronunciou.



Fonte: Rede Globo de 27/02/09

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Sites alertam para disparidade desproporcional

A notícia foi divulgada no Correio Braziliense e na agência de notícias Agência Brasília:

“Os moradores e comerciantes do Lago Sul estão mais seguros. O efetivo de policiais militares do bairro passou de 150 para 324 homens. Além disso, o número de viaturas e motos usados no policiamento ostensivo na região foi duplicado.”


Aluisio Moura, do Ceilândia.com, comenta:

O Lago Sul conta com um policial para cada 100 habitantes. Em Ceilândia, dez vezes mais populosa, há um policial para cada 500 habitantes.

Precisa dizer mais?




Chico Vigilante também faz comentário em seu blog:


E em Ceilândia, onde a população historicamente está a mercê da bandidagem, quando será reforçado o policiamento?

Será que o governador não sabe que os números relativos a violência são muito maiores aqui do que no Lago Sul?

Polícia para quem precisa!
Tenho dito!



Fonte: Ceilândia.com e Blog do Chico Vigilante

Policial envolvido em confusão presta depoimento

Nesta quarta-feira à noite, o policial militar que disparou um tiro contra a ex-cunhada, nessa segunda-feira (23), se apresentou à polícia.

Ele disse que estava discutindo com parentes da sua ex-esposa, numa rua da EQNO 18 da Expansão do Setor "O", quando começou a ser agredido com pedras. Para se defender, admite que pegou uma arma no carro e disparou contra o grupo.

O disparo atingiu a ex-cunhada no abdômen. Ela deve receber alta do Hospital Regional de Ceilândia no final de semana. O policial vai responder por tentativa de homicídio.



Fonte: Rede Globo

Quadrilha e assaltantes são presos

Foi nessa quinta-feira (26), em Águas Lindas, Ceilândia e Samambaia. Seis traficantes estão presos. Também foram localizados seis veículos e dinheiro.

A grande quantidade de merla chamou a atenção da polícia. A droga vem sendo substituída pelo crack, mais fácil de vender.

Na ação também foram apreendidos produtos químicos, armas e R$ 19 mil em dinheiro. A quadrilha era investigada há três meses pela Coordenação de Repressão às Drogas da Polícia Civil.

“Eles montaram os laboratórios para preparar a droga no Entorno, achando que a Polícia Civil do Distrito Federal não poderia agir naquela região”, diz o delegado João Emílio.

Os traficantes vão ser indiciados por tráfico de drogas e associação para o tráfico. As penas vão de oito a 25 anos de prisão.



Sol Nascente e P Norte


Um grupo de quatro assaltantes foi preso na noite de quinta-feira (26/02), às 21h40, próximo à área da Chácara 125, ao lado da Feira do Produtor, no P Norte. Eles são acusados de uma sequência de assaltos naquela noite. Dois menores de 17 anos faziam parte do bando.

Os policiais foram chamados por uma das cinco vítimas. Com os assaltantes, a polícia encontrou objetos pessoais, como roupas, relógios, seis celulares, R$ 538 em dinheiro e uma bicicleta. Além de um revólver calibre 38 usado nos assaltos.

Michael Oscar Machado da Silva, 20 anos, e Júnior Esdras Barbosa dos Santos, 18, foram conduzidos à Delegacia de Polícia Especializada (DPE) e os adolescentes à Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA). A 19ª DP investiga a participação do grupo em outros assaltos.



Fonte: Rede Globo, Correio Braziliense aqui e aqui e ClicaBrasília

QNR reclama

A população da QNR continua as reclamações: os últimos conjuntos ainda não foram asfaltados (como foi mostrado aqui pelo blog) e o mau cheiro reina no local, falta rede de águas pluviais, os ônibus não circulam regularmente na região, a segurança é precária.

Em frente a Escola Classe 65 a própria comunidade construiu uma barreira para evitar que a água invada a escola. É possível notar também que quase todos os conjuntos do bairro foram asfaltados, mas apenas os últimos não receberam o benefício. Uma moradora reclama: Quando é sol é poeira e quando é chuva vem a lama.


Fonte: Band Cidade de 27/02/09

Água contaminada

A comunidade do Bela Vista em Ceilândia não é atendida com rede de água potável; toda a água consumida pela população vem de poços. O grande problema é que a maioria dos poços está contaminada.

A Rede Record mostrou numa reportagem que, de tão poluída, a água está as vezes amarela, às vezes escura... O possível foco de contaminação é um frigorífico que trabalha com charques e possui uma pequena estação de tratamento de esgotos. Segundo a Adasa, que encaminhou técnicos para analisarem a água, pode estar havendo um vazamento de produtos tóxicos a partir da indústria.

A população cobra medidas junto ao poder público: primeiramente que água de qualidade seja oferecida para o setor e, segundo, que o órgão competente aja contra o frigorífico. O dono do lote em questão afirma que enquanto não houver dados concretos a respeito da poluição a empresa irá trabalhar com caminhões-fossa.

Já a Administração Regional de Ceilândia irá oferecer água através de caminhões-pipa e a Caesb também mandará uma equipe para averiguar o que ocorre na região.


Fonte: Rede Record de 27/02/09

É de tirar o sono...

Embora não receba atenção devida, a poluição sonora além de tirar o sossego das pessoas também pode gerar danos à saúde. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a exposição contínua ao barulho causa problemas psicológicos e desequilibra o sistema imunológico. Um levantamento da ouvidoria do Instituto Brasília Ambiental (Ibram) mostra que das 1.329 denúncias de agressões ao meio ambiente registradas no DF, em 2008, 893 correspondem a perturbações sonoras. Ou seja, mais de 67% dos casos se referem aos ruídos.

Segundo o Ibram, as reclamações mais frequentes estão relacionadas aos barulhos provenientes de bares e restaurantes (músicas ao vivo, sons eletrônicos e automotivos), uso de microfones e instrumentos musicais em templos religiosos, barulho de construção civil e reformas (britadeiras, escavadeiras, betoneiras, serras elétricas) e ruídos caseiros (sons emitidos por festas).

Apesar da grande demanda de denúncias, o Ibram conta apenas com três fiscais treinados para atender todos os chamados da população do DF. “Como podemos atender 1.300 reclamações com três homens? Vamos aos casos mais gritantes. Não dá para pegar tudo. É muita demanda”, afirma o presidente do órgão, Gustavo Souto Maior.

Os limites máximos de intensidade de emissão de sons e ruídos estão estabelecidos na Lei distrital nº 4.092/08. Há dez dias, uma boate no Centro e Atividades do Lago Norte (CA) foi autuada pelos fiscais por não possuir isolamento acústico. A multa varia entre R$ 200 e R$ 20 mil. “Primeiro advertimos, depois multamos e em caso de reincidência interditamos, inclusive igrejas”, completa Souto Maior.




Diante as reclamações, a Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística recomendou às Administrações Regionais do DF (RA´s) que verifiquem os limites máximos de intensidade de emissão de sons e ruídos conforme estabelecido na Lei distrital nº 4.092/08. O MP pediu ainda que as RA´s não concedam ou renovem alvará de funcionamento para estabelecimentos comerciais, que explorem música ao vivo ou mecânica, sem prévia consulta à população vizinha e vistoria do Instituto Brasília Ambiental (IBRAM).



O que a lei diz:

Art. 2º É proibido perturbar o sossego e o bem-estar público da população pela emissão de
sons e ruídos por quaisquer fontes ou atividades que ultrapassem os níveis máximos de
intensidade fixados nesta Lei.

Art. 8º É vedado o uso de fonte móvel de emissão sonora em áreas estrita ou
predominantemente residenciais ou de hospitais, bibliotecas e escolas, bem como o uso de
buzinas, sinais de alarme e outros equipamentos similares.

§ 1º Os serviços de construção civil, mesmo quando de responsabilidade de entidades
públicas, dependem de autorização prévia do órgão competente quando executados:
I – em domingos e feriados, em qualquer horário;
II – em dias úteis, no horário noturno, observado o disposto nos parágrafos seguintes.

Para denunciar: 0800 646 1516 ou 156



Fonte: Correio Braziliense e ClicaBrasília

Morador reclama da maneira como escreveram placa do Shopping Popular

Tenho visto a constante luta deste noticioso (ACIC-DF) em informar a correta grafia do nome de nossa cidade. Gostaria de sugerir que fosse noticiado que no alambrado do Shopping Popular de Ceilândia há uma placa onde se lê: Shopping Popular DA Ceilândia.

Que pena! O correto é Shopping Popular DE Ceilândia. Nem mesmo os administradores públicos ainda aprenderam como escrever o nome da cidade que administram. Sugiro encaminharem essa observação a quem tem o dever de escrever corretamente.


Jair Alves

Fonte: Mensagem encaminhada a ACIC-DF

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Ceilândia vence já pensando em rival

Quando o árbitro apitou o final do jogo, Jean Cláudio virou-se tranquilamente e comemorou timidamente a vitória. Para o Ceilândia Esporte Clube eram sete partidas sem vitórias, para ele, uma eternidade. O CEC volta a sair da zona do rebaixamento.

Não foi um jogo tecnicamente agradável, mas sobrou disposição. O Brazlândia iniciou o jogo pressionando. Com 30 segundo teve um escanteio a seu favor. Aos 2 minutos, Ricardo falhou e permitiu que o chute de Léo morresse no fundo das redes. A pequenina platéia de 77 testemunhas reclamou uma falta em Glauber, que permaneceu no deitado gramado durante todo o lance.

O Ceilândia tomou as rédeas da partida e foi parado seguidamente por faltas. A arbitragem parecia não ter a medida certa, um padrão de arbitragem: oscilava entre deixar o lance correr e, na mesma seqüência, apitar falta em jogada idêntica.

Apesar do domínio, o Ceilândia seguia sem inspiração até que, aos 32, Cassius fez o gol do empate numa jogada de Leandro Kivel (na verdade a impressão de todos é que o gol fora de Leandro Kivel). Logo em seguida, Matheus, do Brazlândia, foi expulso. Apesar da vantagem numérica e de ter desperdiçado uma grande chance, a vitória somente seria desenhada no segundo tempo.

Na segunda etapa, o Ceilândia devolveu na mesma medida. Aos 2, Leandro Kivel aproveitou um rebote e de dentro da pequena área colocou o Gato na frente. Depois do segundo gol, o Ceilândia perdeu uma quantidade enorme de gols. Apesar disto, conseguiu uma merecida folga aos 15, novamente com Leandro Kivel.

Após o terceiro gol, quando todos esperavam que o CEC chegasse à goleada, viu-se um time com total falta de objetividade. O castigo veio aos 32 quando, no bate-rebate dentro da área, Cláudio chutou e diminuiu a vantagem. Mas era dia de sorte do Ceilândia. Mal a saída foi dada e Fernando teve a sua insistência premiada com um belo gol.

O resultado devolve o Ceilândia ao grupo de elite. O problema é que agora vai pegar, em seqüência, os três primeiros colocados do campeoanto, na mesma ordem de classificação: Brasiliense, Dom Pedro e Gama. Noutra medida, o Legião vai pegar Luziânia, Brasília e Brazlândia. Após essas três rodadas o destino do CEC estará traçado.





Já neste sábado o Ceilândia enfrenta o Brasiliense no Abadião. O jogo acabou sendo antecipado pois o Brasiliense deverá viajar para Macapá-AP nesta segunda para se preparar e enfrentar o time do Cristal na próxima quarta-feira (04), jogo válido pela Copa do Brasil. Veja o próximo combate do Candangão 2009:


Ceilândia x Brasiliense - 28/02/09 - sábado - 16h00 - estádio Abadião (Guariroba)


Fonte: Ceilândia Esporte Clube e Esporte Candango

Chico diz que tem muito mais...

O Ceilândia.com comentou, nos últimos dias, notícia divulgada pelo Blog do Chico Vigilante. Tal notícia poderia chamar às ruas o movimento dos moradores de Ceilândia que deveriam cobrar uma dívida de mais de R$ 200 milhões com o Governo do Distrito Federal; seria uma grande dívida do GDF com a cidade de Ceilândia.


"Caro Aluísio, não se trata de cobrança retroativa de impostos - como se havia pensado. É algo bem mais grave, que será informado no seu devido tempo..."


Fonte: Ceilândia.com e Blog do Chico Vigilante

Erosões aumentam a cada dia

Das dez maiores erosões do Distrito Federal, metade fica em Ceilândia. Na Vila Madureira o buraco impressiona. São 30 metros de profundidade e mais de 700 de extensão. Na parte baixa, corre a água de uma nascente já prejudicada com tanto lixo.

A casa do carroceiro Jaime Ricardo da Silva fica próxima ao barranco, mas ele diz estar seguro. “Os bambus protegem tudo. Eles seguram bem e não deixam a água levar a terra. É por isso que não tenho medo. Os meus filhos sempre brincam por aqui e nunca deu problema”.

Já no caso de Osmar Alves Bernardo, ele mora há mais de oito anos na vila e só vê a erosão crescer. “Nós somos obrigados a morar aqui porque não temos outro canto. Nós, pobres, não podemos comprar em outro canto, em um lugar melhor. Então, a gente arrisca”, conta o morador.

No Condomínio Privê, o aumento da erosão destruiu parte da estrada que dá acesso às chácaras. Nem as obras para conter a água da chuva foram suficientes. Placas alertam os moradores sobre o perigo.

“É muito perigoso. Para as crianças e pra gente também, principalmente quando chove muito. A rua fica completamente alagada”, revela outra moradora do condomínio.

As erosões se repetem no Sol Nascente e no Pôr-do-Sol, também em Ceilândia. Ao todo, 82 mil pessoas vivem nos três condomínios.

Imagens aéreas registram a ocupação desordenada do solo e a dimensão das erosões. O lixo ajuda a piorar a situação e nessa época de chuva o risco é ainda maior para quem mora em uma dessas regiões.

“Quando chove e os lagos enchem, as crianças caem na água mesmo. É muito perigoso”, diz o pedreiro Washington Parente.

Mesmo assim, ainda tem morador que resiste. Não quer deixar o local. “Nós temos medo, mas não queremos sair daqui”, ressalta uma moradora.



Assista também ao vídeo que trata da ocupação desordenada na cidade, clicando aqui.
Também não deixe de conferir o comentário do site Ceilândia.com.



Fonte: Rede Globo

Morte e incêndio

Uma casa foi incendiada na QNN 19, conjunto D, casa 33 em Ceilândia Norte, às 3h34, desta quinta-feira (26). O fogo destruiu o quarto do casal e um outro cômodo, que era utilizado como depósito de materiais de confecções.

Dentro dos quartos queimados, a Polícia Militar encontrou os corpos do casal Maria Lúcia Soares Pires, de 54 anos, e Edmundo Eustáquio Pereira, de 60 anos. Porém, em ambos os corpos foram encontradas perfurações de faca, o que indica, segundo a polícia, que o casal possa ter sido assassinado antes do incêndio.

A perícia do Corpo de Bombeiros identificou focos diferentes de incêndio, indício de incêndio criminoso, e a Polícia Civil encontrou uma faca com vestígios de sangue.

Segundo a Polícia Militar, o filho de Maria Lúcia, Ricardo Soares Pierre, de 31 anos, apareceu na casa incendiada, por volta das 7h, em atitude suspeita, dizendo, sem ninguém perguntar, que não fora ele o autor do crime. A polícia notou fuligem nos pés de Ricardo e o prendeu em flagrante.

De acordo com a polícia, Ricardo teria esfaqueado a mãe e o padrasto e depois ateado fogo na casa. Ele foi levado para 19ª DP, onde será interrogado. O suspeito será autuado por homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil, e pelo crime de incêndio. Caso condenado, pode pegar até 30 anos de prisão.



Fonte: ClicaBrasília, Correio Braziliense aqui e aqui, Rede Globo e Rede Record e Band Cidade de 26/02/09

Lixo e insegurança

Mais uma vez os moradores vão às ruas para reclamar; o local da vez é a EQNN 22/24 da Guariroba.

A vizinhança da quadra não suporta mais a grande quantidade de lixo que é encontrada na região. Os estudantes de uma escola próxima reclamam inclusive do mau cheiro que adentra o colégio.

Outro morador ressalta a falta de segurança que é constante na localidade - os assaltos são muitos. Um abaixo-assinado chegou a ser feito pedindo para que se instalasse um posto policial na região, mas até hoje nada foi feito.



Fonte: Band Cidade de 26/02/09

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Militar metido em encrenca

Foi numa rua da Quadra 19 da Expansão do Setor O que cabo militar tentou matar a cunhada. Ela estava com o namorado, em frente a um supermercado da cidade. Maria José Pereira de Souza, 28 anos, levou um tiro no abdômen e está internada no Hospital Regional de Ceilândia.

Os policiais da delegacia local investigam o caso. O cabo da Polícia Militar fugiu. O delegado diz que a suspeita é de crime passional. O PM era apaixonado pela cunhada e desde o ano passado estava com o porte de amas suspenso.

“A procedência da arma a gente ainda não sabe. Não temos idéia como ele conseguiu essa arma”, admite o delegado Aílton Rodrigues.

O policial militar vai responder processo por tentativa de homicídio por motivo fútil. Se condenado, pode pegar até dez anos de cadeia.

Maria José de Souza continua internada no Hospital de Ceilândia e não corre risco de morte.



Assista ao vídeo:
CorreioWeb / Tv Brasília


Fonte: Rede Globo, Jornal de Brasília, ClicaBrasília, Correio Braziliense e Jornal Local de 24/02/09

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Clássico dos desesperados?

A quarta-feira de cinzas tem gosto amargo de ressaca para os dois piores times do campeonato candango. Perigosamente juntos na zona de rebaixamento e com técnicos na corda bamba, o vice-lanterna Ceilândia e o lanterna Brazlândia vão se enfrentar no Abadião, pela nona rodada. No alvinegro, Jean Cláudio chegou a jogar a toalha, mas acabou mantido por pelo menos mais uma partida. No adversário, Mozair Barbosa pretende largar o barco antes mesmo do confronto direto, depois de completar a quarta derrota seguida, no sábado, ao apanhar de 5 x 1 do Gama em pleno Chapadinha.

Na lanterna, com quatro pontos, e na zona de risco desde o começo da competição, o Brazlândia parece estar rumo à segunda divisão de forma irreversível. Depois de ganhar apenas os três primeiros dos 15 pontos disputados no cargo, na vitória por 1 x 0 sobre o Luziânia, na estreia, Mozair evita dar entrevistas antes de se encontrar com o presidente Moacir Ruthes para sacramentar a saída oficial. "Não estou sabendo de nada", desconversa o cartola.

Apesar da péssima campanha, Moacir Ruthes prefere prestigiar o veterano técnico. "Ele está mantido. Não se deve fazer muitas mudanças nessas horas para não entornar o caldo", revela o cartola, com as baterias voltadas para os jogadores. "Amanhã (hoje) vou ver o que dá para fazer, com dispensas, para dar uma mexida no grupo e ver se a gente ganha do Ceilândia."

No adversário, o "invicto" Jean Cláudio até pediu o boné, com a queda do alvinegro da terceira para a penúltima posição em seis jogos sob o seu comando. Depois da derrota para o Legião por 2 x 0, no sábado, no Mané Garrincha, resultado que levou o alvinegro para a zona de rebaixamento, o técnico colocou o cargo à disposição. No entanto, o vice-presidente José Sebastião de Almeida, o Almir, conseguiu convencer o comandante a permanecer no cargo por pelo menos mais um jogo. Tanto que comandou o treino de ontem no Abadião. "Falei para ficarem bem à vontade", confessa o técnico.

Para o anticlássico dos desesperados, o Ceilândia tem duas baixas: os zagueiros Aguinaldo e Vavá, ambos com o terceiro cartão amarelo. Everson deve deixar a cabeça-de-área para voltar à zaga e os volantes Betson e Beto disputam a outra posição. Já o atacante Cassius retorna. No Brazlândia, o volante Bigú, cumpre suspensão automática, o que abre espaço para Daniel.



Ceilândia x Brazlândia - 25/02/09 - quarta-feira - 20h30 - estádio Abadião (Guariroba)


Fonte: Correio Braziliense de 23/02/09 e Ceilândia Esporte Clube

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Praça está abandonada

Era para ser uma praça de lazer para a comunidade das quadras 2 e 4 do Setor "O" de Ceilândia. “Infelizmente, está abandonada. Nós não temos espaços de lazer. Na verdade, esta praça não serve para lazer”, reclama a vendedora Maria Daguia Dantas.

“É ponto de tráfico e muitos adolescentes também ficam aqui usando drogas e a gente nunca vê policiamento. É um lugar deserto mesmo”, acrescenta a comerciante Aline Gardênia.

O brinquedo das crianças foi invadido pelo mato. O corte foi providenciado na semana passada, mas o serviço não foi concluído, ou seja, esqueceram de recolher os restos. “Geralmente eles tiram e o caminhão recolhe. Dessa vez, ainda não recolheram”, observa o aposentado Jurandir Rufino.

Os moradores dizem que à noite o local é escuro. A lâmpada do único poste é fraca e a praça fica ao lado de uma escola, onde há um trecho sem iluminação. “Você não enxerga nada. É totalmente escuro. O pessoal fica à mercê dessa escuridão. Quem sai para trabalhar de madrugada ou chega já de noite corre o risco de ser assaltado”, destaca o morador Moacir Ferreira da Silva.

A praça foi reformada há menos de um ano. Ganhou bancos novos, mas dos 13, 11 foram partidos ao meio por vândalos. O comerciante Sebastião dos Passos diz que a comunidade gostaria de participar mais do processo de conservação do lugar.

“Os vândalos que vêm de fora é que destroem a praça. Infelizmente, a educação está péssima. Deveria ter uma guarita policial. Com a presença da polícia daria mais respeito, inibiria bastante”, sugere Sebastião.

O administrador de Ceilândia, Leonardo Moraes, disse que está sendo construído um posto policial numa quadra próxima à praça. Ele explicou ainda que não é possível fazer uma nova reforma agora, porque há outras prioridades. Mesmo assim, vai pedir uma limpeza melhor do lugar.



Fonte: Rede Globo

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Últimos dias para participar da enquete

Faltam poucos dias para terminar a enquete do blog 100% Ceilândia. Perguntamos: Quais são os principais símbolos do Distrito Federal? Cada participante pode escolher mais de uma opção.


Tá em dúvida em qual/quais candidatos votar? Clique no link para conhecer mais um pouco de cada um:


100% Ceilândia


Participe!!!

Jean Cláudio pede pra sair do Gato

Sem conquistar um vitória se quer no comando do Ceilândia (quatro derrotas e dois empates), o técnico Jean Cláudio decidiu colocar o cargo à disposição da diretoria do alvinegro. Visivelmente abatido e desapontado, o treinador deixou o vestiário do clube após o tropeço por 2 x 0 frente o Legião, que valeu a entrada do Gato na zona de rebaixamento.

Sem muitas palavras, Jean frisou que a equipe teve oportunidades, mas não soube aproveitá-las. "O Ceilândia é isso aí: um time que cria, mas não consegue vencer".

"Nessas condições, minha única alternativa é deixa a critério da diretoria. Eu não consigo tirar mais do que isso dos jogadores e assim não tem como continuar na Primeira Divisão", lamentou.

Dando a impressão de que voltaria ao CT do Jaguar apenas para se despedir dos jogadores, Jean se quer apontou qualquer programação para o reinício de trabalho. "Não tenho mais o que fazer", finaliza.

Jean Cláudio chegou ao Ceilândia na terceira rodada do Candangão. Antes de sua vinda, o time era comandado por Marquinhos Bahia, que foi demitido após conquistar uma vitória e um empate com o alvinegro. Na época da saída, Bahia não revelou os motivos que levaram à demissão.


Fonte: Esporte Candango e Ceilândia Esporte Clube

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Imagem: Ginásio de esportes em construção

Um ginásio de esportes está sendo construído na Guariroba, ao lado do Centrão (Centro de Ensino Médio 04). Se preferir, clique na imagem.

Opinião: Terra e dinheiro

Aluisio Moura, fundador do site Ceilândia.com, comenta o pronunciamento do governador do DF, José Roberto Arruda, que ofereceu as "bordas" de Ceilândia para que o presidente Lula construísse casas populares:


Quantos hectares tem a Granja do Torto? Não haveria por lá umas bordinhas onde possam ser construídas casas populares? Sim, porque em Ceilândia, até onde sei, sobraram, no máximo, alguns barrancos (veja aqui).

E já que andam tão cheios de boa vontade e aparentemente há dinheiro sobrando (embora eu ache que o que está sobrando mesmo é interesse politiqueiro de fazer de dona Dilma presidente a qualquer custo), por que não aproveitam e consertam antes as favelas que deixaram surgir na cidade? Neste momento, só em Ceilândia há quase cem mil pessoas jogadas à própria sorte em áreas sem asfalto e saneamento básico. Lugares onde não há sequer ruas.

Não estou falando aqui em simplesmente asfaltar e colocar esgoto nessas favelas. É necessário fazer um planejamento urbanístico decente, botando abaixo as casas que impeçam a criação de um traçado minimamente racional (indenizando devidamente os seus ocupantes). Coisa parecida com o que o governador Sérgio Cabral está tentando fazer nas favelas cariocas. E que custa muito dinheiro.

Caso contrário, nossas réplicas da Rocinha, do jeito que estão, tornarão o próprio Distrito Federal ingovernável, se é que já não está.





Já o blog do Chico Vigilante exorta que o GDF tem uma dívida de 200 milhões com a cidade de Ceilândia. Aluisio também comenta esta notícia:


Posso estar enganado, mas a dívida a que se refere Chico Vigilante diz respeito ao fato de Ceilândia ser a cidade onde o GDF mais arrecada impostos. E receber de volta, em obras e investimentos, bem menos do que seria justo.

Se este for o caso, é bom não esquecer que a dívida vem de outros carnavais. E que o PT, quando governou o DF e teve a chance de corrigir essa injustiça, nunca tocou no assunto.



Fonte: Ceilândia.com aqui e aqui e Blog do Chico Vigilante

Ceilândia na zona de rebaixamento

O time de futebol do Ceilândia, neste sábado, entrou na vaga deixada pelo Legião na zona de degola, com apenas 6 pontos, e já faz companhia ao Brazlândia no grupo dos ameaçados.

O adversário, o Legião, finalmente se livrou da incômoda zona de degola na abertura do segundo turno do Candangão. Jogando contra a equipe de Ceilândia no estádio Mané Garrincha, o time do Plano Piloto saiu com uma importante vitória por 2 x 0, gols de Léo Borges e Ciel, que valeram 3 pontos levando o time da casa aos 7 e para fora da zona de rebaixamento.



Fonte: Esporte Candango

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Opinião: Farra dos becos ainda não acabou

A irresponsabilidade e o desrespeito são tamanhos que, mesmo após moradores entrarem na justiça e conseguirem 43 liminares contra a ocupação dos becos, o GDF não desistiu de insultar a inteligência da população.

A desculpa de que a presença de policias militares morando na vizinhança melhora a segurança das quadras é uma falácia. Sei de pelo menos um caso em que o policial tornou-se um transtorno para os vizinhos: dá festas com música em alto volume e faz ameaças a quem ousar reclamar. Moradores que tentaram registrar queixa contra ele encontraram na delegacia uma barreira instransponível de corporativismo a proteger a figura.

Por trás dessa aparente boa intenção de garantir moradia digna aos policiais e bombeiros estão os especuladores imobiliários. Daqui a um ano estes becos já terão sido vendidos a terceiros.

O mais inacreditável é que, no primeiro momento, as autoridades sequer se deram ao trabalho de averiguar quais becos podiam ser ocupados sem ocasionar problemas para as redes elétrica, hidráulica e de águas pluviais da cidade.

Só depois que se deram conta da própria falta de seriedade é que descobriram que os becos que não podem ser ocupados poderão ser transformados em “praças e esquinas culturais”. Como se não fosse justamente essa a destinação original prevista no projeto urbanístico da cidade.

O processo de doação dos becos está sendo conduzido pelo secretário de Habitação, Paulo Roriz. Aquele mesmo que proclamou algum tempo atrás em alto e bom som que “a farra com lotes públicos acabou”.

Só não dá para rir porque as próximas vítimas serão os moradores de Ceilândia, Planaltina e Taguatinga.



Fonte: Ceilândia.com

O que abre e o que fecha nesta época

Confira o que abre e o fecha:


SUPERMERCADOS
Funcionam todos os dias em horário normal.

BANCOS
Não funcionarão segunda e terça-feira. Na quarta-feira, reabrem a partir das 12h. As contas de consumo (água, luz, telefone, TV a cabo, etc) e os carnês com vencimento em 23 e 24 de fevereiro poderão ser pagos no próximo dia útil, 25, sem incidência de multa.

FEIRAS
* Shopping Popular de Ceilândia – amanhã e domingo, das 8h às 18h.
* Feira Central de Ceilândia – de quarta a domingo, das 8h às 18h.

BARES E RESTAURANTES
Funcionarão em horário normal.

DELEGACIAS E CORPO DE BOMBEIROS
Em esquema de plantão até quarta-feira, ao meio-dia.

HOSPITAIS PÚBLICOS
De amanhã até as 12h de quarta-feira funcionarão, apenas, as emergências dos hospitais.

JARDIM ZOOLÓGICO
Abre normalmente amanhã, domingo, segunda e terça-feira, das 9h às 17h. Quarta-feira fica fechado para manutenção.

JARDIM BOTÂNICO
Amanhã, domingo e terça-feira, das 8h30 às 17h. Segunda-feira não funcionará; quarta-feira, a partir das 14h.

ÁGUA MINERAL
Abre normalmente todos os dias, das 8h às 16h.

METRÔ
Amanhã (21/02/09), domingo e terça-feira, das 7h à 0h; segunda, das 6h à 0h. Preço especial: R$ 2.

CAESB
Funciona em esquema de plantão 24h pelo telefone 115. Na quarta, a partir das 13h30, volta a funcionar normalmente.

CEB
Funciona em esquema de plantão 24h pelo telefone 0800-610196.

TRANSPORTE PÚBLICO (ônibus e micro-ônibus)
Amanhã terá tabela operacional normal. Domingo, segunda e terça-feira funcionam com tabela operacional de domingo, com reforços de viagens de acordo com a demanda. Será dada autorização de viagens extras de acordo com a necessidade para as linhas que operam da Rodoviária do Plano Piloto para as linhas circulares de Ceilândia e Taguatinga, que trafegam próximo ao Ceilambódromo. Quarta-feira, tabela operacional de dia útil.

DETRAN
Não funcionará segunda e terça-feira. Quarta-feira, a partir das 12h.



Fonte: Correio Braziliense e Jornal de Brasília de 20/02/09

Dificuldade para pegar um ônibus

Os moradores enfrentam uma caminhada longa e penosa. O percurso entre o Condomínio Sol Nascente e a QNR 01de Ceilândia, onde está o ponto de ônibus mais próximo, pode levar até meia hora.

No caminho não tem calçada e o asfalto está esburacado. Os ônibus passam com dificuldade e a parada fica cheia. “Tem que andar um quilômetro. Até a gente chegar ao trabalho, chega atrasado todo dia”, diz o pintor Josevaldo Ribeiro.

“Eles tiraram os ônibus que iam lá embaixo, no condomínio. A gente tem que subir de 15 a 20 minutos a pé até a entrada da QNQ”, confirma o vendedor Douglas Santos.

Há uma semana, as linhas 44 e 46, que vão para Taguatinga, deixaram de entrar no Sol Nascente por causa do asfalto ruim. Os motoristas dizem que muitos carros quebraram e está difícil passar por lá.

“Eles vêm arrumar os buracos, mas só colocam terra. Aí, quando a água vem, fica nessa lamaceira. Só colocam a terra e os carros começam a passar e baixar. É a cidade esquecida”, reclama o motorista Francisco Oliveira.

O colega, Jânio Rodrigues, tem pena dos novos ônibus que estão sendo danificados pelos buracos. “É muita maldade andar com os carros por aqui”, comenta.

A Viação Planeta informa que uma linha de ônibus exclusiva e gratuita leva os moradores do Sol Nascente até a parada em Ceilândia, de 15 em 15 minutos.



Fonte: Rede Globo

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Mais ou menos?!

Terminado o primeiro turno e conhecendo todos os adversários já é possível dizer que os resultados do time de futebol do Ceilândia, em campo, não correspondem nem à qualidade do elenco, nem ao futebol apresentado. Isso tanto pode ser motivo de alegria quanto preocupação.

De maneira geral não se pode dizer que um elenco seja muito superior aos dos demais. Talvez a exceção seja o Brasiliense que, de fato, possui um time mais estruturado que os dos demais. O futebol, contudo, se faz dentro de campo. O Dom Pedro provou isto.

Dentro de campo, o Ceilândia mostrou que nada fica a dever a nenhum dos seus adversários. O time passou por alguma instabilidade, mas, justiça seja feita, com exceção dos jogos contra Legião e Brasiliense, em que foi dominado a maior parte do tempo, nas demais partidas soube conduzir o jogo. O problema é que o time possui deficiências e, embora tenha melhorado, ainda não as superou.

As afirmações acima conduzem a uma verdade: não há motivo para desespero. Noutra medida, também não permitem trabalhar com tranquilidade. A direção, sabendo disto, se mexeu. Ainda é muito cedo para dizer se as contratações darão certo, mas é adequado dizer que as mudanças vieram tarde. O problema maior veio com a preparação inadequada e que começou apenas em dezembro.

Nesta semana o CEC já poderá contar com o zagueiro Adriano e com o lateral-esquerdo Fernando Baiano. Fábio Lima, que ainda procura a melhor forma, ainda não foi regularizado.

O técnico Jean Cláudio tem o trabalho questionado pela torcida. É verdade que em ao menos dois momentos Jean Cláudio se deixou levar pelo clima de nervosismo dentro de campo. A primeira vez foi no jogo contra o Luziânia. Naquele jogo, após o primeiro gol do Luziânia, o Ceilândia partiu para um jogo suicida: O Luziânia vinha numa velocidade, o CEC contra-atacava numa velocidade ainda maior, o Luziania retomava, aumentava ainda a velocidade e assim por diante. Faltou a calma necessária para ver que mais cedo ou mais tarde aquele jogo não interessava ao CEC. No último domingo, Jean Cláudio chamou Thiago Ferreira e o deixou ao seu lado, aquecendo ou apenas assistindo, por quase vinte minutos do segundo tempo. No geral, contudo, Jean Cláudio tem acumulado mais acertos que erros. A esperança é que sábado, a sorte lhe sorria após 15 jogos sem vitórias.



O Ceilândia atualmente está na 6ª posição da competição e com apenas 6 pontos. Neste sábado o time joga contra o Legião para ver quem vai ficar com a vaga provisória de rebaixamento.


Legião x Ceilândia - 21/02/09 - sábado - 16h00 - estádio Mané Garrincha (Plano Piloto)


Fonte: Ceilândia Esporte Clube e Futebol Interior

Vídeo: Cartilha dá dicas contra crimes virtuais

A Polícia Civil lançou nesta semana uma cartilha que dá dicas de segurança contra crimes praticados na internet. Não deixe de dar uma olhada! Clique no link e veja!

CorreioWeb / Tv Brasília


Fonte: Jornal Local de 18/02/09

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Bueiros são desobstruídos



Na última terça-Feira (17/02/09) a Novacap concluiu a obra de desobstrução da rede de águas pluviais da CNN 01 em Ceilândia Centro. Foram necessários construir 3 (três) PV´s, recuperar 4 (quatro) bocas de lobo com reposição de lajes e meio fio vazado.

"Com esta obra não haverá mais inundação no comércio local da CNN 01". Afirma o presidente da Comissão de Defesa Civil de Ceilândia (Comdec) Francisco Cabral.



Fonte: Blog Comdec

Dificuldades para estudar

Todos os dias crianças que moram no Condomínio Gêneses, dentro do Sol Nascente, em Ceilândia enfrentam dificuldades para chegar às escolas. O local onde os alunos esperam os ônibus escolares não tem calçada nem asfalto. O acúmulo de lixo na região é intenso.

No local também não existe paradas, segurança e sinalização. Os estudantes ficam em meio a muita sujeira e mau cheiro.
Devido a grande quantidade de entulhos, lama e buracos espalhados no condomínio os ônibus atolam com frequência. Os pais dos alunos reclamam que os filhos estão sendo prejudicados nas escolas, pois, diariamente os alunos chegam atrasados e sujos nas aulas.

Segundo a locutora Eliza Rodrigues da Silva, 40 anos, a situação no condomínio vem se agravando e prejudicando cada vez mais a comunidade. “É um ambiente insuportável de se tentar conviver. Aqui a situação é muito precária. Meu filho vai para o colégio e chega todo dia sujo. Têm muito lixo e sujeira aqui. Não há parada de ônibus, estamos vivendo como se fossemos largados. Estamos com a autoestima baixa convivendo com tantos fatores negativos. Tenho medo da minha família pegar alguma doença com a quantidade de bichos no local”, disse Eliza.

Os alunos enfrentam uma maratona diária de força e persistência para não desistirem dos estudos. Os pais dizem que os filhos saem limpos de casa. Mas a quantidade de lixo é tão grande que, às vezes, chegam até com mau cheiro no colégio. Segundo o aluno Isaaky Gregory da Silva Sousa, 8 anos, os amigos do colégio fazem brincadeiras de mal gosto quando percebem que seu uniforme está sujo.

“Gosto muito de estudar, mas não estou tão empolgado. Minha mãe me arruma todos os dias, saio de casa limpinho e chego todo sujo. Meus amigos até já me chamaram de porquinho porque cheguei sujo no colégio”, disse.

Muitos ônibus não conseguem concluir o percurso desejado. Os motoristas reclamam das más condições de tráfego. Para o condutor Gilson Barbosa, 41 anos, os ônibus atolam devido a grande quantidade de lama e buracos. “Aqui os ônibus quebram direto. O asfalto está ruim, já atolei mais de três vezes. As crianças são muito prejudicadas porque chegam atrasadas nas aulas. Aqui tem muito lixo, buraco e sujeira. Está precária a situação por aqui”, disse Gilson.

O administrador de Ceilândia, Leonardo Moraes afirma que algumas obras na região já começaram. “Reconhecemos os problemas no Condomínio Gêneses e já estamos tomando algumas providências. A Caesb já iniciou os trabalhos de instalação de água. As obras de energia elétrica também já começaram. E para asfaltar precisamos resolver antes os problemas de drenagem e águas pluviais”, afirmou.



Fonte: Tribuna do Brasil

Mau cheiro

Em um local de travessia de pedestres na EQNM 18/20 de Ceilândia Norte os problemas já estão dando canseira para os moradores que precisam passar por ali todos os dias. Uma galeria de esgotos estourou e o mau cheiro se espalhou pelo local. O pior é que um monte de terra fez com que o esgoto não escoasse e ficasse tudo por ali - um risco a mais para a proliferação da dengue.

Segundo a Administração Regional de Ceilândia, a Caesb já foi solicitada para fazer o reparo na rede de esgotos e que o monte de terra ali formado serviu para evitar que os moradores jogassem lixo na região.


Até que no caso do uso da terra para evitar o aumento de entulho na localidade a administração de Ceilândia acabou acertando.


Fonte: Rede Record de 17/02/09

Projeto Mala do Livro

No metrô é possível pegar livros emprestados em nove estações - é o Projeto Mala do Livro: da Rodoviária do Plano Piloto, da 108 Sul, da Praça do relógio, Águas Claras, Guará, Samambaia e todas de Ceilândia. “Aqui tem um acervo completo. Livros de ilustrações, poesias, português, matemática”, enumera o vigilante Silvio Bruno.

O projeto Mala do Livro recebe livros infantis e literatura juvenil. “Nós temos mais de 500 malas distribuídas em todas as regiões administrativas. Funciona na casa do agente, que é o voluntário que recebe a caixa e faz o empréstimo para a sua vizinhança, amigos e familiares”, explica a coordenadora do projeto, Maria José Lira Vieira.

Ednara Bonjolo explica porque é bom ajudar. “Um livro guardado não tem valor. Você tem que procurar meios de passar adiante aquela informação que está guardada dentro do armário."




Para ser um agente ou fazer doações para o projeto Mala do Livro basta ligar para o telefone 3325-6265.



Fonte: Rede Globo

Fiscalização atuando e acidente

Os fiscais estavam bem cedo na porta das garagens. No Setor O, em Ceilândia, ônibus com problemas foram impedidos de rodar. Na Rodoviária do Plano Piloto, o mesmo. Em um veículo, pneus carecas e extintor vazio. No outro, assoalho solto. Os dois foram lacrados.

“O carro é lacrado e mandado para a garagem. A gente multa e depois que todos os problemas são solucionados ele é deslacrado”, esclarece o gerente de Fiscalização do DFTrans, Pedro Jorge.

Sem parte dos ônibus, algumas pessoas chegaram atrasadas ao trabalho. Um acidente em Taguatinga tirou mais o ônibus que faz a linha Ceilândia-UnB de circulação. De acordo com o motorista, Hélio Felipe da Silva, o veículo perdeu o freio e bateu em três carros.

“Veio com excesso de passageiros e eu não consegui parar o carro, faltou freio. Pisei, pisei e não consegui frear. Tive que bater nos carros para não fazer outros danos piores”, conta.



Fonte: Rede Globo e Rede Record de 18/02/09

Fim para o balão

Quando o balão da Fundação Bradesco será substituído por um semáforo? É um local muito perigoso e de grande movimento de carros. A administração da cidade já deveria ter feito esta troca há muito tempo.

Arlem Souza


Fonte: ACIC-DF

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Morto na frente da mulher grávida

Acordado pela mulher, Eliane Costa, 32 anos, o pequeno comerciante Dionilton Urcino Cardoso, 34 anos, levantou-se para ver o barulho que vinha da porta da sala. Ao chegar lá, foi atingido por um ladrão com um balaço no tórax. Em seguida, quando ele já agonizava no chão, outro assaltante se aproximou dele e disparou mais dois tiros. Grávida, Eliane viu o companheiro ser morto pelos bandidos e entrou em estado do choque.

Dionilton foi assassinado na madrugada de ontem, em sua casa, onde mantinha uma lan house, na QNR 03, conjunto B, do setor QNR. Os três bandidos envolvidos no crime – havia uma terceiro homem com os outros dois – roubaram três aparelhos de videogame PlayStation II da vítima e fugiram instantes depois.

Um dos ladrões queria matar Eliane, mas foi impedido por um dos comparsas, sob o argumento de que ela estava grávida, revelou a delegada Tânia Maria Soares, da 24º DP (Setor "O"). "Ela nos contou que um assaltante queria tirar sua vida também, mas um dos outros dois pediu para que ele não fizesse aquilo porque ela estava grávida."

Em princípio, os policiais civis acreditam que o pequeno comerciante tenha sido vítima de latrocínio – roubo seguido de morte. "Os assaltantes talvez imaginassem que não havia ninguém em casa e se surpreenderam quando viram o Dionilton saindo do quarto", disse a delegada Tânia Maria.

No entanto, os policiais responsáveis pela investigação do crime não descartam outras hipóteses, como vingança, por exemplo, pela forma cruel com que os bandidos mataram o pequeno comerciante. "Vamos esperar o resultado do laudo pericial para precisar o que realmente aconteceu (na casa da vítima)", ponderou a delegada.



Fonte: Jornal de Brasília de 17/02/09

Telefones mudos

Há mais de duas semanas a população de Ceilândia está impedida de usar os serviços do hospital da cidade por telefone. Desde 19 de janeiro, os ramais do Hospital Regional de Ceilândia (HRC) estão inacessíveis. A falta do serviço telefônico compromete também os trabalhos internos da unidade, por fazer funcionários se deslocarem para levar informação necessária a pacientes e familiares. De acordo com a direção, o problema deve ser revolvido em dez dias.

Pela segunda vez em dois meses, um raio travou a central telefônica do hospital. Agora, os equipamentos continuam sem funcionar porque o defeito surgiu no intervalo entre o término do contrato da empresa responsável pela manutenção e a contratação de uma nova, segundo o diretor administrativo do HRC, Odermes Alves Lima Filho. “A central é antiga e o problema surgiu quando o contrato de manutenção venceu”, explicou. Segundo ele, o sistema é composto de placas individuais - com custo aproximado de R$1.400 cada uma - que gerenciam 16 linhas, das 300 da unidade.

De acordo com o diretor, a Secretaria de Saúde liberou dinheiro para o conserto emergencial. Além dos reparos, o HRC busca empresa para retomar a manutenção. O processo seguirá para a Secretaria de Fazenda, que buscará candidatos ao serviço. Embora os interessados tenham até 30 dias para cumprir a tarefa, Odermes espera que atendimento telefônico volte ao normal em dez dias. “As empresas contratadas tendem a querer acabar com o problema com agilidade e estamos tentando resolver o mais rápido possível, para evitar transtornos”, justificou.

Por enquanto, a situação gera insatisfação dentro e fora do HRC. Dentro da unidade, apenas linhas diretas funcionam. Secretaria-administrativa da Ouvidoria do hospital, Layanne Bezerra conta que “a maioria dos funcionários tem de se deslocar até outras seções para conseguir informações”. Setores como Central Orbistricia, Unidade de Tratamento Intensivo e Pronto Socorro possuem o maior volume de queixas pela ausência de serviço telefônico. A falta de atendimento também gerou duas reclamações no 161, número geral do Sistema Único de Saúde (SUS) dedicado aos problemas de hospitais de todo o Distrito Federal. Na própria unidade, nove pessoas registraram queixa na última quinta-feira reclamando da falta de informação.

Ana Rosa Alves veio Campos Belos, no Goiás, para visitar a neta recém nascida. O bebê de 28 dias está internado no hospital há 16 com suspeita de infecção. A mãe tentou, sem sucesso, ligar para Ana do hospital para contar sobre o estado da criança. “Ela me disse que nenhum dos telefones estava funcionando”, contou. Moradora de Taguatinga, Adriana Antônia do Monte deve ter ir até o HRC para checar a internação da mãe. “Não pude confirmar a internação para cirurgia por telefone”, reclamou.



Isaías Monteiro


Fonte: Blog Isaías e Rede Globo de 17/02/09

Basquete de rua em competição

A Liga Internacional de Basquete de Rua (LIIBRA), Circuito DF, receberá inscrições de equipes — mas somente pelo endereço eletrônico www.cufadf.com.br/liibra até 22 de março. Os interessados precisam garantir as vagas com antecedência, porque o limite é restrito a 42 times masculinos e quatro femininos. A seletiva será em 4, 11, 18 e 25 de abril, na Praça do Cidadão, em Ceilândia. Para efetuar o cadastro, o atleta precisa comprovar residência no DF e ter mais de 16 anos. Os classificados concorrerão ao torneio nacional, que ocorrerá entre agosto e setembro deste ano. O grupo vencedor do circuito brasileiro ganhará uma quantia financeira ainda não definida, além da oportunidade de disputar o campeonato mundial, em dezembro. O campeonato foi criado em 2005 para valorizar o esporte que nasceu nos guetos americanos.

Informações: 3224-6557.



Fonte: Correio Braziliense

Imagem: Varal Fotográfico de Ceilândia





Com a Palavra, o idealizador do projeto, o fotojornalista Luis Alves:


"No dia 15 de fevereiro de 2009, foi a vez de Ceilândia receber nosso Varal Fotográfico, como sempre a experiência foi gratificante. Foi muito bom vermos famílias chegando para ver uma exposição fotográfica, algumas pessoas disseram que nunca haviam visto uma exposição fotográfica. Um fato interessante que merece ser colocado aqui é que uma pessoa ficou um grande tempo vendo uma foto e depois disse ao Sérgio que havia trabalhado como garimpeiro em Serra Pelada e que a foto do André Dusek o estava matando a saudades do tempo de garimpo, disse isso monstrando-nos uma carteira de garimpeiro de Serra Pelada com afoto dele ainda moço e amarelada pelo tempo. Logo depois perguntou se a exposição iria demorar, pois ele iria buscar o irmão dele para ver a foto também.

Atitudes como essa nos levam a crer que estamos no caminho certo, estamos levando não só a possibilidade de pessoas esquecidas pela política cultural terem acesso à fotografia, mas principalemente estamos aprendendo muito com eles.



Fonte: Blog Jornal Olho de Águia

Quadrilha de clonagem de cartões é presa

A Delegacia de Defraudações prendeu nesta terça-feira (17/02) 15 pessoas acusadas de fazerem parte de uma quadrilha de clonagem de cartão de crédito. Segundo informações da delegada Ivone Rosseto os agentes investigavam os suspeitos há quatro meses e hoje, com mandado de prisão, detiveram 15 pessoas, sete mulheres e oito homens, e estão a procura de outros cinco acusados.

A quadrilha trabalhava há cerca de um ano com a clonagem de cartões, mas muito dos integrantes, inclusive o líder André Luiz de Souza, 39 anos, eram estelionatários conhecidos pela polícia por outros golpes. André já respondeu inquérito por estelionato, formação de quadrilha e uso de documentos falsos, mas nunca foi condenado por nenhum dos crimes.

Segundo Ivone Rosseto os acusados disseram que para os golpes eles usavam um chupa-cabra diferenciado, usado no pulso como um chaveiro. No momento em que eles passavam o cartão da vítima na máquina, pegavam todas as informações do cartão com o equipamento. Enquanto uma equipe era responsável por pegar essas informações, outras pessoas eram responsáveis por confeccionarem o cartão e outros faziam compras com os cartões clonados.

A quadrilha comprava principalmente eletrodomésticos e bebidas e revendiam por 60% do valor. As compras eram feitas em grandes supermercados e shoppings.

Um dos acusados foi identificado como garçom e outro tem um supermercado que usava como fachada para clonar cartões. A polícia ainda investiga onde os outros integrantes agiam, quantas pessoas foram vítimas do golpe e qual o valor do prejuízo. As quinze pessoas presas hoje responderão por estelionato e formação de quadrilha. A quadrilha agia em todo o DF, além de Goiás e Amazonas, mas os presos foram detidos na Candangolândia, Riacho Fundo, Samambaia, Taguatinga, Águas Claras e Ceilândia.

Os outros acusaos de integrarem a quadrilha, presos hoje, são Carmelita Pereira dos Santos Moura, Eloiza da Silva Fernandes Ricardo, Camila Toledo Alves, Edivânia da Silva Fernandes, Karen Martins, Cristiane Martins, Lidiane Soares da Silva Brito, Soniê Tiago Lacerda e Moura, Laudemir de Borba Moreira, Robson Clementino da Silva, Francisco Wagney de Souza, Dyego Ferreira Sales, Elvis André Fraga Ferreira, o Nariz e Renê Maurício de Souza, conhecido como Renê Ricochete, que trabalha como DJ de música sertaneja.



Fonte: Correio Braziliense e ClicaBrasília

Antigo, mas repaginado

Onde tem lixo, ele vê oportunidade. E transforma museus ambulantes em carros prontos para rodar nas vias da cidade. Dono de um ferro-velho em Ceilândia há 16 anos, Juvenil Sabino de Oliveira, 43 anos, usa três carros como meio de transporte. Dois da década de 1970 e um de 1980. Aparentemente, todos em bom estado de conservação — com cinto de segurança, pneus novos e parte elétrica em dia. Segundo o comerciante, nunca ficou na mão por causa de falhas mecânicas nos veículos, que se destacam pelo cuidado e limpeza em meio ao amontoado de ferros retorcidos. O segredo para não deixar que a antiguidade vire mais um vilão nas vias do DF? Manutenção constante. De seis em seis meses. E feita pelo próprio dono, que desde os 12 anos se diverte montando e desmontando carros.

Duas Caravans — uma dourada de 1979 e outra branca de 1989 — e uma Brasília de 1978 são os xodós do mecânico. Todas, um dia, foram relegadas ao ferro-velho, mas depois de uma dedicação exclusiva, com a escolha minuciosa de peças e lanternagem caprichada, voltaram à ativa. “Eu gosto de reviver os carros, mas é preciso cuidado redobrado”, alertou Juvenil. Apesar da paixão, ele admite que automóveis antigos requerem atenção especial. Um carburador entupido, uma vela queimada ou peças soltas podem ser uma constante no trintões. “Sempre dou uma olhada no motor e na parte elétrica. E, ao contrário do que pensam, a manutenção sai barata. Basta procurar lugares de confiança”, observou.

O chefe de fiscalização do Detran, Silvaim Fonseca, reconhece que há muitos carros da década de 1970 mais enxutos que os dos anos 2000. “Se o motorista toma cuidado na manutenção, não há problema em transitar. Mas carros em péssimas condições são um risco constante”, afirmou o fiscal, referindo-se ao acidente ocorrido na tarde do último domingo. Segundo testemunhas, a tragédia que tirou a vida de Gilcimar de Araújo, 29, Edilton Alves, 42, e José de Lima, 58, ocorreu quando o capô da Brasília 1976, de placa JDP 7397-DF, abriu e prejudicou a visão de Gilcimar. O motorista teria perdido o controle da direção, invadido a pista contrária e batido de frente com a caminhonete Silverado de placa BUM 1910. O laudo com as causas do acidente sai em 15 dias, mas os responsáveis pela 24ª Delegacia de Polícia (Ceilândia) apontam que a falha mecânica foi decisiva para o choque.



Fonte: Correio Braziliense e Jornal de Brasília de 17/02/09

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Acidente grave em via

O acidente aconteceu na DF-451, que liga Ceilândia a Brazlândia. A batida foi tão forte que um dos carros ficou de cabeça para baixo e o outro, totalmente retorcido.

Testemunhas disseram que o capô de uma Brasília bege abriu na descida da pista. O motorista perdeu o controle da direção, rodou e bateu de frente com uma caminhonete branca.

Os ocupantes da Brasília morreram na hora: o motorista Gilcimar de Araújo, de 29 anos, e os passageiros Edilton Alves, de 42, e José Marques de Lima, de 58. As vítimas ficaram presas nas ferragens. Os bombeiros tiveram que cortar o teto do carro para retirar os corpos.

A família de Gilcimar ficou desesperada. Antes da batida, ele comemorava o aniversário da mãe. As quatro pessoas que estavam na caminhonete foram levadas para o Hospital de Ceilândia. Todas passam bem. Familiares disseram que as duas meninas, uma de 10 e outra de 15 anos, já tinham sido liberadas. Um homem de 50 anos e a mãe dele, de 72, estavam em observação.

“A Gilveci teve escoriações no pescoço e no peito e ainda sente dores por todo o corpo. O João teve fratura de nariz, escoriações e sutura no supercílio”, conta Edilamar Lucena, parente das vítimas.

O delegado que investiga o caso trabalha com três hipóteses: alta velocidade, mistura de álcool e direção e, principalmente, a má conservação dos veículos. Os dois com mais de 30 anos de uso.

“Agora, o nosso delegado-chefe para instaurar um inquérito para que todas as circunstâncias sejam apuradas”, conta o delegado Ailton Rodrigues.



Fonte: Rede Globo

Mais ônibus

Na semana que vem mais 230 novos ônibus começam a circular pela cidade. Serão 170 carros do Grupo União (Planeta, Satélite, Cidade Brasília e Pioneira), 40 do Grupo Canhedo (Viplan, Lotáxi e Condor) e 20 do Grupo Amaral (Viva Brasília, Veneza e Rápido Brasília), todos equipados com elevadores para portadores de necessidades especiais, limitador de velocidade e letreiro frontal e lateral em formato digital. Na entrega, realizada esta manhã, o governador José Roberto Arruda (DEM) foi enfático com os empresários. “Todas as empresas devem renovar suas frotas. As que se recusarem a cumprir com o acordo perderão as linhas que atendem”, garantiu.

As empresas de ônibus se defendem. Segundo o dono da companhia de transportes urbanos Viplan, Wagner Canhedo Filho, será necessário um grande volume de dinheiro para honrar o compromisso com o governo. “Para renovarmos toda a frota, gastaremos em média R$ 20 milhões por mês. E sem uma opção para arrecadarmos mais recursos, como o aumento das passagens, fica muito difícil para os empresários”, afirmou Canhedo. O empresário conta ainda que o sistema de transportes está com déficit de 30%. “Precisaríamos de um aumento na mesma porcentagem para equilibrar os recursos”. A compra dos novos carros entregues, hoje, custará para as empresas cerca de R$ 3 milhões por mês, com um prazo de 48 meses.

Em contrapartida, o governo rebate as afirmações dos empresários e oferece uma alternativa. “Para eliminar esse déficit, os empresários deveriam diminuir suas margens de lucro”, ensina o secretário de Transportes, Alberto Fraga. Na semana passada, o governador esteve reunido com os empresários e determinou um prazo de 18 meses para que as empresas retirem de circulação os ônibus com mais de oito anos de uso. Caso os empresários não cumpram com o combinado, o secretário Fraga está autorizado a realizar licitações, que escolherão novas empresas que substituirão as que perderem as linhas”, determinou o governador.

Circulam hoje pelo DF 2.848 ônibus e micro-ônibus, desse total 37% precisam ser renovados. “No início do meu governo, 97% dos ônibus estavam sucateados. Agora, com menos de dois anos já renovamos 63%. Isso significa 1.500 novos veículos e sem aumento da passagem.



Veja o vídeo: CorreioWeb / Tv Brasília


Fonte: Jornal Coletivo, ClicaBrasília, Correio Braziliense e Jornal Local de 16/02/09

Unb divulga lista de aprovados do 1º semestre/2009

A Universidade de Brasília (UnB) divulgou a lista dos aprovados em primeira chamada no 1º Vestibular de 2009.

Confira aqui o nome dos novos alunos da Universidade: Cespe

A lista dos nomes dos aprovados também está diponível na entrada no ICC Norte, conhecido como minhocão, no campus da UnB em Ceilândia, Gama e Planaltina.

Quem for aprovado deve fazer a sua matrícula nos dias 19 e 20 de fevereiro. A carteira de identidade, o título de eleitor e o comprovante de votação, histórico escolar, certificado de conclusão de ensino médio e, no caso dos homens, certificado de alistamento militar, serão necessários para ingressar na Universidade.

Os candidatos que quiserem consultar seu resultado individual de desempenho podem conferir no site do cespe a partir de terça-feira, dia 17 de fevereiro. No dia dois de março será divulgada a lista dos aprovados em segunda chamada.



Fonte: ClicaBrasília e Correio Braziliense

Problemas afetam bairro

O problema da limpeza urbana no setor P Sul virou reportagem do telejornal Band Cidade desta segunda-feira. As vésperas de completar 38 anos, a cidade de Ceilândia carece de uma faxina geral e mais atenção com a auto-estima de seu povo.

Há uma aparência de limpeza nas vias de maior fluxo de trânsito da cidade, mas o problema da sujeira se torna aparente quando se olha o interior das quadras da cidade. No P Sul entulhos se espalham por todos os lados, buracos no asfalto das entrequadras (alguns feitos pela Caesb, segundo uma moradora), nos estacionamentos comerciais e nas ruas internas das quadras sem conservação e muito lixo. A reportagem também destacou os novos estacionamentos que acabaram não agradando a população e não trazendo a infra-estrutura que era desejada.



Fonte: ACIC-DF e Band Cidade de 16/02/09

Campanha contra o crack

Até a próxima sexta-feira (20), alunos de cinco escolas públicas do DF participarão de bate-papos com integrantes das Secretarias de Educação, Saúde, Segurança Pública e Justiça sobre os malefícios do uso do crack. Lançada nesta segunda-feira (16) pelo governador José Roberto Arruda, no Centro de Ensino 7 de Ceilândia, a Semana de Combate ao Crack pretende coibir o avanço da droga nas escolas por meio da conscientização de crianças e adolescentes – alvos fáceis dos traficantes.

Os debates realizados nas escolas também serão transmitidos na programação da TV Record, idealizadora do projeto. O objetivo é atingir não apenas os dois mil estudantes que participarão das conversas, mas também os que os assistirão de casa.

“Precisamos prevenir os jovens sobre os efeitos negativos das drogas, para não entrarem na conversa dos traficantes”, disse Arruda.

Segundo o assessor da Coordenação de Repressão às Drogas (Cord), Rodrigo Pires, no ano passado a polícia apreendeu mais de 10 quilos de crack em todo o DF, que seriam transformadas em milhares de pedrinhas, forma como a droga é consumida. Para o administrador de Ceilândia, Leonardo Moraes, o crack chega com facilidade a meninos e meninas entre 12 e 17 anos por ser barato e de fácil manuseio. Ele ressalta ainda que a droga cria dependência muito rapidamente.



Fonte: ClicaBrasília e Rede Record de 16/02/09

domingo, 15 de fevereiro de 2009

O blog 100% Ceilândia convoca colaboradores

Se você gosta da cidade de Ceilândia, tem tempo disponível para escrita de reportagens, publicação de vídeos e de imagens/fotos e/ou até mesmo busca por notícias na internet, rádio, revistas, jornais e televisão; o blog 100% Ceilândia abre um convite especial a você:

Venha participar de nossa equipe de colaboradores!

Os interessados deverão encaminhar e-mail a 100porcentoceilandia@gmail.com para receber as informações e regras necessárias para a publicação de notícias. É necessário ainda o envio da localização de moradia (bairro) do candidato, idade e grau de escolaridade.

Faça você também parte do blog de nossa cidade!
Seja você também 100% Ceilândia!

Ceilândia corre grande risco de rebaixamento

No estádio do CAVE, o time de futebol do Brasília teve tudo para acabar o primeiro turno do Candangão no G-4, mas acabou perdendo a chance ao empatar em 2 x 2 com o Ceilândia, na tarde deste domingo.

O time vermelho balançou as redes com Edicarlos e Thiago Silva, que disparou na ponta da tabela de artilheiros, agora com 5 gols. Diego e Cássius descontaram para o Ceilândia, que somou mais um ponto e segue em sexto na classificação geral.



Fonte: Esporte Candango

Imagem: Museu da Limpeza Urbana

A usina da tratamento de lixo no setor P Sul de Ceilândia será desativada e o Museu da Limpeza Urbana, que funciona nas suas imediações, provavelmente também terá o mesmo destino.

O museu possui, na maioria de seu acervo, objetos encontrados no lixo pelos funcionários do antigo Sistema de Limpeza Urbana (SLU) e demais trabalhadores da área. O que é bastante interessante de ver, assim que se chega ao local, é a recepção de bonecos montados com peças de metal e plástico; convidando à visita. Dentro do museu é possível ver equipamentos bem antigos e muita história e curiosidades do Distrito Federal.

É bom lembrar que se o local for realmente removido do setor P Sul, os especuladores imobiliários (os conhecidos "grileiros") já estão se armando para o ataque...











Museu da Limpeza Urbana - setor P Sul - próximo a EQNP 24/28
A entrada é franca, mas as visistas devem ser agendadas pelo número: 3213-0155.

Canto desafinado

Na Casa do Cantador, há muito o público se misturou ao privado. O espaço em Ceilândia, em vez de servir de palco para as tradicionais cantorias e repentes, aos poucos ganhou papel de protagonista em enredo insólito, povoado por “protetores da cultura popular”, disputas de poder e jogos de interesses e capaz de pôr abaixo o mais elaborado dos folhetins de cordel. Parte dessa história já é conhecida na cidade e por artistas de fora que costumam participar dos festivais promovidos pelo Movimento Brasileiro de Cordel (MBC) naquele espaço. O último deles — o Festival Popular de Cantadores, Repentistas, Campeões da Arte do Improviso ao Som da Viola, Poetas Cordelistas, Coquistas, Emboladores e Sanfoneiros —, em 30 e 31 de janeiro, foi alvo de novas denúncias por possível desvio de recursos: por meio de recibos assinados em branco, estariam sendo feitos pagamentos inferiores aos informados na prestação de contas ou no plano de trabalho.

Em 2005, provocado por denúncias semelhantes, o Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) constatou irregularidades na prestação de contas do MBC (referente ao 37º e ao 38ª Festival Nacional dos Cantadores Repentistas e Poetas Cordelistas na Ceilândia) e do presidente, Gonçalo Gonçalves Bezerra. O MBC foi condenado a restituir aos cofres públicos R$ 44.302,47, que estão sendo cobrados judicialmente.

Entre os participantes do último festival, entrevistados pelo Correio — uma dupla de repentistas e uma de emboladores de coco, ambos do DF, três artistas de São Paulo e um do Nordeste — afirmaram ter recebido quantia menor que a devida ou assinado recibo em branco. O projeto foi realizado com recursos do Ministério da Cultura (MinC), que liberou R$ 188.500 para o MBC, por meio do Fundo Nacional de Cultura. No plano de trabalho apresentado ao Minc, Bezerra (pai da atual diretora da Casa do Cantador, Rosália Alves Bezerra) comprometeu-se a pagar cachê de R$ 4 mil para cada dupla de fora do DF, R$ 3 mil para as da cidade, R$ 4 mil para cada cordelista de outros estados e R$ 8 mil para cada grupo de sanfoneiros. Os entrevistados garantem que essas quantias não chegaram às suas mãos.

“Pelo dinheiro que seria destinado ao cantador repentista, a gente se sentiu um pouco lesado. O cachê prometido foi de R$ 1.500 para a dupla. No dia, baixou para R$ 400. Para o meu pouco entendimento, assinei um recibo em branco. Isso é uma coisa que revolta a categoria. A Casa foi feita para o cantador, mas não tem nada a ver com isso. Ali acontece lavagem de dinheiro. Aconteceu na outra gestão e nesta também. Isso precisa ser levado ao Ministério Público. (…) Um cantador do Ceará, o Jorge Macedo, disse que uma jornalista tinha ligado para ele perguntando sobre esse assunto. Ele ficou com receio que fosse alguém da família do Gonçalo e teve medo de dizer a verdade”, afirma o repentista Geraldo Queiroga, do DF.

O companheiro dele de cantoria, Antônio Noberto, confirma. “O festival não foi bom porque sai uma imensidão de dinheiro para a Casa do Cantador, mas não é repassada para os cantores de Brasília. Recebemos R$ 400 cada e nunca nos deram recibo. Desde 1996, eu canto lá e sempre nessas condições. Por isso, a gente nunca correu atrás de nada. Os recibos são todos em branco, nem o total que a gente recebe eles colocam. Em 2007, fizeram um festival em novembro, que custou aproximadamente R$ 40 mil, mas pagaram R$ 500 para cada cantador. Deu novela, fomos para a delegacia da Ceilândia”, relata Noberto. Os emboladores de coco Terezinha e Roque José garantem: “Recebemos R$ 400 cada um e assinamos o papel em branco”.

Por morar em São Paulo, a dupla Orlando Dias e Zé Cândido recebeu um pouco mais: R$ 700 cada. Orlando acredita ter assinado o recibo em branco. Já Zé Cândido não se lembra. “É uma falha assinar um papel sem ler. Pegaram meu CPF, meu RG, e eu assinei”, recorda-se. Orlando ficou hospedado num hotel em Taguatinga. Ele conta que passou duas noites num quarto que dividiu com outro cantador. Tinha frigobar, mas não ar-condicionado. No plano de trabalho submetido ao MinC para aprovação do projeto, consta previsão de pagamento de três diárias para 75 pessoas em apartamento para solteiro, standard, com ar-condicionado.




Esse último festival — em comemoração ao aniversário dos 22 anos da Casa do Cantador — deveria ter ocorrido em novembro de 2008. O projeto ainda estava em fase de aprovação quando chegaram ao MinC denúncias sobre possíveis irregularidades semelhantes às publicadas pelo Correio em junho de 2000 (leia abaixo). O denunciante, João de Souza Gouveia (de nome artístico João Bernardo, hoje morando em São Paulo), foi um dos entrevistados na época. Em razão disso, a tramitação do projeto no MinC chegou a ser interrompida enquanto o caso era analisado. No entanto, no fim de novembro, João Bernardo encaminhou nova carta ao MinC retirando a queixa e alegando ter sido induzido por outros dois cantadores do DF — Francisco de Assis Silva (Chico de Assis) e Manoel de Souza Rodrigues (conhecido como Neilton Rodrigues ou Zé do Cerrado) —, que fazem oposição a Gonçalo e à atual gestão da Casa do Cantador.

“Os repentistas ficaram sabendo que o festival não iria acontecer por causa da minha denúncia e começaram a me pressionar. Recebia ligação 24 horas por dia e ameaças. Estava sendo muito pressionado porque os cantadores têm que trabalhar. Com recibos em branco ou não, eles precisam ganhar. Para me livrar da confusão, resolvi assinar o documento de volta e fui para Brasília participar do festival e conversar com meus irmãos cantadores. Se querem resolver o problema, que seja todo mundo junto. Não é justo que eu seja o bode expiatório”, avalia João Bernardo. Ele recebeu R$ 700 pela apresentação. “O homem (Gonçalo) pagou tudo direitinho. Foram 25 duplas de São Paulo e cada cantador recebeu R$ 700”, defende.

Diante da retirada da denúncia, o MinC considerou as provas contra o MBC insuficientes e apoiou o projeto. “Toda a documentação exigida estava em dia. Além disso, a proposta é submetida a um processo técnico, em que são sugeridos ajustes e cortes e, em seguida, recebe um parecer jurídico. Cortamos R$ 20.500: R$ 13 mil destinados à coordenação geral e R$ 7.500 ao pessoal de apoio”, explica o secretário substituto da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural do MinC, Ricardo Lima.

O secretário lembrou que o festival de 2008 já está cadastrado no Siconv (Sistema de Gestão de Convênios e Contrato de Repasses), para controle das transferências voluntárias da União, que permite mais eficiência, agilidade e transparência na liberação de recursos para estados, municípios e organizações não-governamentais. “Isso significa que todos os pagamentos devem ser feitos exclusivamente por crédito na conta bancária dos fornecedores e prestadores de serviços. Essas informações são dadas pelo sistema no momento em que o proponente (Gonçalo) cadastra o projeto no Siconv”, explica. O MBC tem 30 dias após a realização do evento para prestar contas.

Gonçalo Bezerra se defende. “Olha, não existe isso (de recibo em branco). O pessoal que fez isso nunca mais participa de festival meu. No Ministério da Cultura, nunca teve problema porque a gente faz tudo certo, fiscalizado por eles. Quem faz isso são cantadores que perderam a Casa do Cantador. Nós temos um processo contra os cantadores sem vergonha — desculpe-me a palavra —, que arrumaram uma denúncia mentirosa e depois desmentiram. É mentira pura porque já realizamos mais de 40 festivais aqui”, justifica.



Fonte: Correio Braziliense de 15/02/09

A Cufa faz...

Na Expansão do Setor O de Ceilândia, entre as quadras 17 e 18, o lugar é conhecido pela violência. Mas, na quadra de basquete, a briga é pela bola. O street ball é uma das atividades desenvolvidas pela Central Única das Favelas do Distrito Federal, a Cufa.

Uma oportunidade melhor: dar voz aos jovens da periferia. Este é o objetivo da Cufa, que atua no DF há dois anos. “A Cufa começou no Rio de Janeiro, em 1998, a partir de vários jovens de favelas ou não. Há dez anos é uma Organização Não-Governamental e atua em todos os estados do Brasil mais o DF, com atividades socioculturais e esportivas”, esclarece o coordenador da Cufa – DF, Max Maciel.



Para conhecer melhor do trabalho da Cufa ou participar das atividades, entre em contato pelo telefone 3224-6557. Na internet tem mais informações. Visite o site da Cufa-DF!



A Cufa-DF ainda realiza muitos trabalhos em diversas Regiões Administrativas do DF e até no entorno. Assista também aos vídeos nos links da fonte.


Fonte: Rede Globo aqui, aqui e aqui

Opinião: Não apenas ônibus novos...

O GDF anuncia que impôs um prazo de 18 meses para que as empresas de transporte coletivo substituam a frota ultrapassada por 1,4 mil veículos novos.

A notícia seria ainda melhor se as autoridades do setor deixassem claro que tipo de ônibus têm em mente para substituir os antigos.

Não dá mais para submeter a população à tortura de viajar em paus-de-arara fabricados sobre o chassis de caminhão, demasiado altos e desconfortáveis.

Depois de dar um jeito na baderna que reinava no transporte público, o GDF tem não só autoridade legal, mas também autoridade moral para exigir que as empresas adquiram veículos que, além de novos, sejam realmente modernos.

O Sindicato dos Rodoviários também deveria entrar nessa briga e exigir que os novos ônibus tenham motor na parte traseira, que são mais silenciosos.

Aquele infernal motor na frente prejudica a saúde de motoristas, cobradores e usuários.



Fonte: Ceilândia.com

Falta de iluminação

Os moradores do Setor "O" estão reclamando. A falta de iluminação num conjundo da QNO 02 faz com que os moradores se sintam muito inseguros. Assaltos, falta de policiamento, ponto de drogas e prostituição acontecem próximo a um beco aonde até lixo é jogado.

Segundo uma moradora, os bombeiros cortaram uma árvore e até hoje os galhos estão espalhados pelo local. Os próprios moradores fizeram solicitação a Companhia Energética de Brasília (CEB) e depois de 4 meses ainda não foram atendidos.

O administrador de Ceilândia, Leonardo Moraes, afirma que o índice de criminalidade na região é baixíssimo e que logo mais deverá ser construído um posto policial próximo da quadra. Enquanto isso, a população continua no escuro e com medo.


Fonte: Band Cidade de 14/02/09

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Ceilândia e Brasília fazem clássico dos 6 pontos

O time do Ceilândia visita o Brasília no Cave em um jogo no qual as equipes disputarão "6 pontos". Se o combinado de Ceilândia perder, vai distanciar ainda mais do rival e do sonho de disputar a segunda fase da competição. Se ganhar, ficará a um ponto da equipe do Plano Piloto, brigando diretamente pelas 4 primeiras posições do campeonato. Empate, nem pensar!!!


Depois de ganhar do Gama, o time do técnico Marco Aurélio está eufórico com a recuperação. Na partida diante do Gato Ceilândia, o zagueiro Adriano e o atacante Chefe cumprem suspensão. No Ceilândia, uma verdadeira revolução. Seis jogadores foram embora. Três estréias estão anunciadas. Apita o jogo Rogério Bueno.


Brasília x Ceilândia - 15/02/09 - domingo - 16h00 - estádio do CAVE (Guará-DF)


Fonte: Futebol Interior

Invasões avançam

Parece irônico, mas é verdade. Na década de 1970, Ceilândia foi criada para ser a solução de um problema: erradicar invasões que vinham surgindo. Nos últimos dez anos, a cidade virou o berço de novas invasões. Ocupações gigantescas e muito pobres.

“É difícil. Em todo lugar que você chega e mostra o comprovante de residência as pessoas perguntam se você mora numa invasão”, diz a dona de casa Sandra Ferreira.

De cima é possível ver a mancha habitacional que foi se espalhando sem controle. Nos Condomínios Privê, Pôr-do-Sol e Sol Nascente vivem hoje 82 mil pessoas.

“Na verdade, o que está acontecendo lá é o desgaste da borda da cidade, comprometendo o futuro dela. Como se fosse uma espécie de metástase de um câncer urbano que nós podemos evitar. Podemos combater como cidadãos, governantes e habitantes de Brasília”, alerta o especialista em urbanismo da Universidade de Brasília, Frederico Flósculo.

Nada foi evitado. O desastre ambiental é irreversível e ainda representa um risco. Os condomínios chegaram ao limite: bordas que acabam em grandes fendas. São todas nascentes que abastecem o Rio Descoberto. A imagem aérea dá idéia do tamanho do problema, mas esconde a realidade que só pode ser vista em terra firme e bem de perto.

Lama, sujeira e esgoto a céu aberto. Na região não existe posto de saúde nem escola. É uma vida totalmente improvisada. “É melhor morar aqui, sem pagar aluguel, do que nos bairros mais organizados, tendo que pagar aluguel”, afirma a autônoma Solange Saldanha. “Quem vem morar aqui não tem outra opção. Vem porque é mais barato, normalmente pra comprar lote. Aí, constrói e fica nessa situação”, acrescenta a manicure Cíntia de Souza.

Ao ver postes e transformadores nas ruas, até parece que a rede elétrica é a única coisa regularizada. Mas nem isso. Em 2005, uma empresa goiana cobrou cerca de R$ 500 de cada família, puxou um gato da via principal e fez a distribuição por todo o condomínio. Resultado: até hoje, ninguém paga conta de luz.

“A gente quer pagar, mas eles não legalizam”, comenta o comerciante Orlando Rocha Vieira.

O governo proíbe. Mesmo assim, ninguém respeita. Tem gente ampliando a casa, construindo um novo pavimento. As obras seguem à luz do dia. Também tem gente vendendo lote. Para morar no Sol Nascente é preciso desembolsar R$ 13 mil. Sem poder reverter a situação, o GDF corre para regularizar a área.

“O estudo ambiental já foi entregue pelo Distrito Federal ao Ibama. Então, essa parte já está sendo encaminhada. O projeto urbanístico foi contratado, está em fase de elaboração e até a metade deste ano o problema deve ser resolvido. A partir daí, vamos começar a entregar as escrituras para os moradores”, promete o gerente de Regularização de Condomínios, Paulo Serejo.

Solteira, a dona de casa Ednalva da Silva foi morar em Ceilândia pela escritura. Ocupa um casebre de papelão com sete crianças e mais uma está a caminho. “Não tenho condições de pagar aluguel, não tenho moradia certa. Por isso, vim pra cá tentar a sorte”, confessa.

Muita gente, como Ednalva, conta com a sorte. Só que às vezes o preço da sorte é caro demais. “As pessoas estão vindo para sofrer em Brasília. Estão vindo porque, apesar do sofrimento que enfrentarão, têm perspectiva e expectativa de um futuro melhor. Na verdade, são populações vulneráveis, vítimas fáceis da criminalidade que já existe. Nós já temos crime organizado em Brasília. Temos gangues, bandidos e traficantes. Temos um problema sério na periferia urbana e quanto mais gente chegar, mais gente sofrerá os problemas que Brasília acumula”, afirma Frederico Flósculo.

O gerente de Regularização de Condomínios, Paulo Serejo, disse ainda que até 2009 as invasões de Ceilândia serão legalizadas.



Assista também o vídeo no link da fonte.


Fonte: Rede Globo

Aeroporto na rota do tráfico

Investigações da Polícia Federal apontam que o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek transformou-se numa rota alternativa para traficantes que exportam cocaína do Brasil para outras partes do mundo, principalmente países europeus. Atualmente, existem seis voos internacionais que têm como destino o Aeroporto JK, cinco deles para a Argentina e um para Portugal.

Ocupando o terceiro lugar no ranking brasileiro de trânsito de pessoas, com 12 milhões de passageiros por ano, e acumulando aproximadamente 200 voos diários, o aeroporto tem sido alvo de investigações da Polícia Federal, que realizou seis prisões em flagrante nos últimos sete dias, três delas por tráfico internacional de drogas.

O aperto ao cerco contra os traficantes que utilizam voos domésticos e internacionais para transportar, principalmente, cocaína já resultou na apreensão de 15 quilos da droga apenas nos primeiros 45 dias do ano. Em todo o ano passado, a PF apreendeu 139 quilos de cocaína que chegaram ao Distrito Federal pelo ar. Desde o aumento do efetivo de agentes que trabalham no aeroporto, os agentes federais tiveram tempo para reforçar um trabalho de inteligência feito no aeroporto.

A PF identificou a rota do tráfico de drogas doméstico e internacional que passa pelo local. No caso dos voos internacionais, as "mulas" – pessoas contratadas pelos traficantes para fazer o transporte da droga – deixam estados das regiões Norte e Nordeste carregados de cocaína e acabam fazendo escalas ou conexões no aeroporto do DF. Caso consigam driblar a segurança, os transportadores de drogas seguem para estados da Região Sudeste e somente depois rumam para a Europa.

Quando se trata do tráfico de drogas doméstico, as mulas deixam estados como Rondônia Acre e Roraima com a cocaína – quase sempre comprada em países como Colômbia e Bolívia – e acabam pousando no aeroporto do DF para fazer conexão ou escala para estados no Sudoeste e no Sul do País.




Segundo o superintendente regional da Polícia Federal no DF, delegado Disney Rosseti, um quilo de cocaína pura chega a ser vendido na Europa por até US$ 80 mil. "Em razão desse valor astronômico, muita gente acaba se arriscando para cruzar o oceano carregado de drogas. Para se ter idéia do lucro, um quilo de cocaína pura é vendido no Brasil por R$ 10 mil", explicou. Rosseti afirma que 50% dos flagrantes de tráfico internacional de drogas no aeroporto envolvem passageiros da empresa aérea TAP, que faz voos diários para Lisboa (Portugal).

Contando com 75 policiais no aeroporto, a PF pretende inaugurar, até a metade do ano, a unidade da Delegacia Especial do Aeroporto de Brasília (Deain). Duas unidades semelhantes já funcionam nos aeroportos de Guarulhos (SP) e Galeão (RJ). "Nosso objetivo é reforçar a segurança, já que está previsto mais um voo internacional para o aeroporto, que deverá ser para Miami (EUA)", explicou o delegado Rosseti.

Desde julho do ano passado, quando a segurança no aeroporto foi reforçada, já foram realizadas 11 prisões em flagrante, quatro delas de mulas com nacionalidade estrangeira. "Prendemos uma sul-africana, uma outra mulher de Guiné Bissau, na África, e um casal de holandeses, todos tentando levar cocaína para fora do Brasil", conta Rosseti.



Fonte: Jornal de Brasília e Correio Braziliense de 14/02/09